terça-feira, 25 de maio de 2010

OS APOLOGISTAS

Recebem esta denominação os pensadores cristãos dos séculos II e III d.C., que se dedicavam à tarefa de escrever apologias do cristianismo. Era preciso, nessa época, defender a nascente doutrina cristã de três correntes distintas que lhe faziam oposição: a religião judaica, o Estado romano e a filosofia pagã. Contra os judeus, era necessário afirmar argumentativamente o messianismo de Jesus Cristo. Contra os romanos, era preciso convencer o imperador do direito de legalização à prática do cristianismo dentro do Império. E contra os filósofos pagãos, a tarefa dos apologistas era a de apresentar a religião cristã como uma verdade total, à diferença dos erros ou verdades parciais presentes, segundo estes autores, na filosofia helenística.

REFUTAÇÃO DOS APOLOGISTAS CONTRA OS PAGÃOS - SÉC II

ARGUMENTOS DOS PAGÃOS CONTRA O CRISTIANISMO

A doutrina da ressurreição é absurda

RESPOSTAS DOS APOLOGISTAS

Os Evangelhos mencionam testemunhas oculares

O efeito sobre os discípulos foi profundo

Existe analogia nos ciclos da natureza (ex: estações do ano).

ARGUMENTOS DOS PAGÃOS

Há contradições nas Escrituras

RESPOSTAS DOS APOLOGISTAS

Harmonias como o Diatessaron, de Ticiano, esclarecem contradições

ARGUMENTOS PAGÃOS

O ateísmo conta com ampla aceitação

RESPOSTAS DOS APOLOGISTAS

Mesmo Platão acreditava num deus invisível

ARGUMENTOS PAGÃOS

O cristianismo é a adoração de um criminoso crucificado

RESPOSTAS DOS APOLOGISTAS

A condenação de Jeus violou a lei

ARGUMENTOS PAGÃOS

O cristianismo é uma novidade

RESPOSTAS DOS APOLOGISTAS

O cristianismo vem sendo preparado desde a eternidade

Moisés antecedeu os filósofos pagãos

ARGUMENTOS PAGÃOS

O cristianismo evidencia uma falta de patriotismo

RESPOSTAS DOS APOLOGISTAS

Os cristãos obedecem a todas as leis, desde que não violem a consciência

ARGUMENTOS PAGÃOS

Os cristãos praticam incesto e canibalismo

RESPOSTAS DOS APOLOGISTAS

Observe o estilo de vida dos mártires

ARGUMENTOS PAGÃOS

O cristianismo leva à destruição da sociedade

RESPOSTAS DOS APOLOGISTAS

As calamidades naturais de fato representam o juízo divino contra a idolatria

ARGUMENTOS DOS APOLGISTAS CONTRA O PAGANISMO

Os filósofos pagãos cometeram plágio, roubando suas melhores idéias de Moisés e de outros profetasO politeísmo é um absurdo filosófico e uma decadência moralOs filósofos pagãos contradizem uns aos outros e até a si próprios.

REFUTAÇÃO DOS APOLOGISTAS CONTRA O JUDAÍSMO - SÉC II

Os judeus dos primeiros séculos diziam:

"O cristianismo é um desvio do judaísmo".

Resposta dos apologistas:

A lei judaica é temporária por definição e encaminha para a nova aliança.

Os judeus diziam:

"O humilde carpinteiro morto numa cruz não corresponde ao Messias profetizado no AT."

Resposta dos apologistas:

O AT predisse o sofrimento e também a glorificação do Messias.

Os judeus diziam:

"A divindade de Cristo vai de encontro à unidade de Deus."

Os apologistas diziam:

O AT deixa prever a pluralidade de pessoas dentro da unidade da deidade.

OS ARGUMENTOS DOS APOLOGISTAS CONTRA O JUDAÍSMO:

As profecias do AT foram cumpridas em Cristo

Os tipos (ritos e símbolos) do AT apontam para Cristo.

A destruição de Jerusalém confirma a visão de que Deus condenou o judaísmo e apoiou o cristianismo.

UMA VISÃO GERAL DA HISTÓRIA DA IGREJA

Embora seja, em certa medida, artificial e errado quebrar a história da igreja Cristã em distintos períodos ou épocas, é, todavia, uma ferramenta útil para visualizar o desenvolvimento da vida da igreja nos dois milênios passados. A maioria dos historiadores da igreja reconhece três períodos gerais:

I. Cristianismo Patrístico - 95 d.C. a 590 d.C.(Assim chamado por causa da influência dominante, tanto sobre a vida como sobre o pensamento, dos Pais da Igreja)

II. Cristianismo Medieval – 590 d.C. a 1517 d.C.(Este período foi chamado primeiramente de Idade Média por Christopher Keller [1634-80])

III. Cristianismo Moderno - 1517 d.C. até o presente(O grande momento decisivo na história da igreja foi a Reforma Protestante, inaugurada por Martinho Lutero em 31 de outubro de 1517)

É útil subdividir cada um destes períodos gerais em fases mais descritivas:

I. Cristianismo Patrístico - 95 d.C. a 590 d.C.

a. A Idade das Apologéticas – este período data desde 95 d.C., geralmente considerado como o ano quando o último livro do cânon do Novo Testamento (Apocalipse) foi escrito, até 325 d.C. e o Concílio de Nicéia. Alguns preferem 312 d.C., o ano em que Constantino se converteu ao Cristianismo. O Edito de Milão, em 313 d.C., pôs fim efetivamente à perseguição da igreja como um movimento minoritário e concedeu-lhe um status legal pleno, para ser igualmente tolerada com todas as outras religiões. Durante este período, a igreja se esforçou para se defender contra as ameaças do paganismo, tanto politicamente como teologicamente.

b. A Idade das Polêmicas – de 325 d.C. até o aparecimento de Gregório (o último dos Pais da Igreja e o primeiro dos verdadeiros Papas), em 590 d.C. Seguindo a conversão de Constantino, a igreja “se moveu rapidamente da solidão das catacumbas ao prestígio dos palácios” ( Shelley ). Com o poder do Estado ao seu favor, a igreja começou a exercer sua influência moral sobre a sociedade como um todo. Com prestígio e influência política, contudo, veio também a corrupção interna. O Monasticismo emergiu em protesto desta secularização da fé. Em 392, o imperador Teodósio I estabeleceu o Cristianismo como a única religião legal do Império Romano. Foi durante este período também que as maiores controvérsias doutrinárias foram travas e resolvidas em concílios teológicos sancionados pelo Estado.

II. Cristianismo Medieval – 590 d.C. a 1517 d.C.

a. A Idade da Hierarquia Papal ­ desde Gregório o Grande (590) até a divisão entre Oriente e Ocidente (1054), ou até Gregório VII (1073). A principal característica desta época, freqüentemente referida (talvez sem justificação) como Idade das Trevas , foi o estabelecimento e solidificação do poder da hierarquia papal Católica Romana.

b. A Idade do Escolasticismo ou Sistematização - de 1054/1073 até o começo da Reforma Protestante em 1517. Durante este período, a doutrina cristã foi totalmente sistematizada através da filosofia e teologia dos sacerdotes, tais como Anselmo(1033-1109), Peter Abelard (1142), Hugo de São Vítor, Peter Lombard, Alberto o Grande, Duns Scotus, alcançando seu zênite na obra monumental de São Tomás de Aquino (1225-74), cuja teologia (chamada Tomismo ) foi declarada eternamente válida para o Catolicismo em 1879.

[Foi também durante este período que a igreja Oriental se dividiu da Romana (1054)]

III. Cristianismo Moderno - 1517 d.C. até o presente

a. A Idade da Reforma Protestante e do Confissionalismo Polêmico – da postagem de Martinho Lutero das 95 teses (1517) até a Paz de Westphalia (1648-50). Este período testemunhou o triunfo da Reforma Protestante na Europa (com o florescimento das quatro maiores tradições do Protestantismo antigo: Luterana, Reformada, Anabatista e Anglicana), bem como a reação de Roma na Contra-Reforma Católica e a influência dos Jesuítas. O século XVII foi caracterizado pelo desenvolvimento do escolasticismo e da ortodoxia credal. Movimentos reacionários e reavivalistas emergiram nos últimos estágios deste período, parcialmente em oposição à aparente estagnação que se estabeleceu no meio de muito do Protestantismo.

b. A Idade do Racionalismo e do Reavivamento ­– de 1650 à Revolução Francesa (1789). Também conhecida como a Idade da Razão, visto que a ciência substituiu a crença no sobrenatural, à medida que a igreja ficou debaixo da influência poderosa do Iluminismo (no qual a razão era estimada acima da revelação). Os grandes movimentos de reavivamento na Inglaterra (os Wesleys) e na América (Edwards e Whitefield) foram a melhor defesa da igreja contra a invasão do humanismo.

c. A Idade do Progresso – de 1789 até a Primeira Guerra Mundial (1914). Os primeiros anos deste período foram caracterizados pela reviravolta política (as Revoluções Americana [1776] e Francesa [1789]) e pela transformação social (a Revolução Industrial). A emersão da alta crítica Alemã e a publicação da Origem das Espécies de Darwin ativaram uma filosofia que ameaçava minar os fundamentos da ortodoxia. Foi durante os últimos estágios deste período que vemos a emersão do que é conhecido como um liberalismo teológico moderno.

d. A Idade das Ideologias – de 1914 (Primeira Guerra Mundial) até os dias de hoje. Durante este período a pletora de novos deuses se levantou para competir pela fidelidade da mente secular. Comunismo, Nazismo, Facismo, liberalismo teológico (que foi desafiado pela reação da neo-ortodoxia Bartiniana), socialismo, ecumenismo, individualismo, humanismo estão entre as ideologias mais competitivas. A igreja respondeu a este assim chamado modernismo com os seus próprios ismos , Fundamentalismo, e finalmente o mais intelectualmente sofisticado e culturalmente engajado Evangelicalismo. Outros desenvolvimentos dignos de nota foram o Denominacionalismo e o movimento Pentecostal/Carismático.

ENTENDA UM POUCO MAIS SOBRE O PERÍODO DOS PAIS DA IGREJA

COMO DIVIDIR O PERÍODO?

Podemos dividir os Pais da Igreja em três grandes grupos a saber: Pais apostólicos, Apologistas e Polemistas. Todavia devemos levar em conta que muitos deles pode se enquadrar em mais de um desses grupos devido a vasta literatura que produziram para a edificação e defesa do Cristianismo, e também de acordo com o que as circunstancias exigiam, como é o caso de Tertuliano, considerado o pai da teologia latina. Sendo assim então temos:

Pais apostólicos: Foram aqueles que tiveram relação mais ou menos direta com os apóstolos e escreveram para a edificação da Igreja, geralmente entre o primeiro e segundo século. Os mais importantes destes foram, Clemente de Roma, Inácio de Antioquia, Papias e Policarpo.

Apologistas: Foram aqueles que empregaram todas suas habilidades literárias em defesa do Cristianismo perante a perseguição do Estado. Geralmente este grupo se situa no segundo século e os mais proeminentes entre eles foram: Tertuliano, Justino, o mártir, Teófilo, Aristides e outros.

Polemistas: Os pais desse grupo não mediram esforços para defender a fé cristã das falsas doutrinas surgidas fora e dentro da Igreja. Geralmente estão situados no terceiro século. Os mais destacados entre eles foram: Irineu, Tertuliano, Cipriano e Origenes.

OS APOLOGISTAS DO SÉC II

Apologia significa “DEFESA”. Os apologistas foram homens que procuraram defender a fé cristã diante de algumas acusações. As acusações eram afirmações de que o cristianismo era composto de pessoas ignorantes, que era copiado dos grandes sábios, como Platão (ao ensinar a imortalidade da alma) e assim mesmo deturpado como no caso da “absurda” doutrina da ressurreição. Diante de tais acusações, levantaram-se os Apologistas para defender a Fé Cristã, especialmente contra o judaísmo, a filosofia pagã e as religiões pagãs.
Segue a lista mais comum dos apologistas do segundo século:

QUADRATO (início do séc. II)

LUGAR DE MINISTÉRIO: Atenas.

ESCRITOS: Apologia (documento-texto perdido, apenas citado por Eusébio).

FATOS NOTÁVEIS:

Foi bispo de Atenas.
Sua apologia se dirigia ao imperador Adriano.
Contrapõe o cristianismo ao judaísmo e ao culto pagão.

ARISTIDES (início do séc. II).

LUGAR DE MINISTÉRIO: Atenas.

ESCRITOS: Apologia (perdido).

FATOS NOTÁVEIS:
Sua apologia se dirigia ao imperador Adriano.
Mostra forte influência paulina.
Posto que a apologia de Quadrato, de que nos fala o historiador Eusébio, parece ter se perdido, a mais antiga apologia que temos é a de Aristides.

JUSTINO, MÁRTIR (100-165).

LUGARES DE MINISTÉRIO: Palestina, Éfeso e Roma.

ESCRITOS:
Primeira Apologia;
Segunda Apologia;
Diálogo com o Judeu Trifon;
Contra Heresias (perdido);
Contra Marcião (perdido).

FATOS NOTÁVEIS:
Estudou filosofia;
Era professor leigo intinerante;
Resistiu pessoalmente a Marcião;
Desenvolveu o conceito teológico do LOGOS

SPERMATICO, ou seja: "Jesus dá ao homem a

capacidade de aprender a verdade".
O encontro com o cristianismo não o fez

abandonar sua bagagem de filosofo. Ele

considerou que no cristianismo tinha encontrado

a “Verdadeira Filosofia”. Esta é a tese de suas

apologias;
Defendeu o cristianismo com base na profecia,

nos milagres e na ética.
Foi decapitado em Roma.

TACIANO (110-172).

LUGARES DE MINISTÉRIO: Assíria, Síria e Roma.

ESCRITOS:

Diatessaron;
Discurso aos Helenos.

FATOS NOTÁVEIS:

Discípulo de Justino;
Defendeu a prioridade temporal do cristianismo,
sobre as outras religiões;

Produziu a primeira harmonia dos evangelhos;

Caiu posteriormente no gnosticismo;

Seus seguidores foram chamados de chamados

de "encratitas".

ATENÁGORAS (séc.II).

LUGAR DE MINISTÉRIO: Atenas.

ESCRITOS: Apologia da Ressurreição dos Mortos.

FATOS NOTÁVEIS:

Era platonista;

Escreveu em estilo clássico.

TEÓFILO (181).

LUGAR DE MINISTÉRIO: Antioquia.

ESCRITOS: A Autólico.

FATOS NOTÁVEIS:
Foi um severo polemista com os filósofos

pagãos;
Foi bispo de Antioquia.

MELITO (190).

LUGAR DE MINISTÉRIO: Sardes.

ESCRITOS: Cerca de 20 obras (todas perdidas).

FATOS NOTÁVEIS:

Foi bispo de Sardes;
Apoiou os da teoria dos quartodecimanos.
Produziu a primeira lista cristã dos livros
do Antigo Testamento.

HEGESIPO (séc. II).

LUGARES DE MINISTÉRIO: Síria, Grécia e Roma.

ESCRITOS: Memoriais (perdido).

FATOS NOTÁVEIS:
Era judeu convertido;
Coletou informações sobre a história da Igreja

Primitiva para comprovar a pureza e a

apostoloicidade dessa igreja;
Culpava o judaísmo por todas as heresias.

NOTA: Todos os documentos-textos que estão citados
como "perdidos" devem a comprovação de sua
existência através de escritos encontrados que citam
tais textos perdidos.



Nenhum comentário: