terça-feira, 29 de setembro de 2009

Uma Defesa Apologética sobre A Ressurreição de Cristo

Jesus Cristo - Sua Morte e Ressurreição

Uma das obras mais famosas e influenciáveis de todos os tempos foi escrita por Nicolau Maquiavel, em 1532. Em seu clássico - O Príncipe - ele exalta o poder, o sucesso, a imagem e a influência, colocando-os acima da liberdade, da fé e da honestidade. Para Maquiavel, a mentira é correta quando aplicada a um fim político.

Será que Jesus Cristo foi motivado pelos princípios de Maquiavel? A verdade é que os Seus oponentes estavam sempre tentando acusá-Lo de ser uma fraude, um homem mentiroso. Eles O importunavam com perguntas capciosas, na tentativa de confundi-Lo e de fazê-Lo Se contradizer. Contudo, Cristo respondia a todas as perguntas com admirável consistência.

O que poderia motivar Jesus a levar uma vida de mentiras? Ele ensinava que Deus Pai Se opunha à mentira e à hipocrisia; portanto, Ele jamais iria praticá-las, para não desagradar o Pai. Certamente, Ele não mentiria para beneficiar os Seus seguidores. Deste modo, só nos restam duas alternativas para admitir que Ele fosse um mentiroso, embora sejam ambas problemáticas".

Benefício - Muita gente tem mentido em benefício próprio. A maior parte das mentiras contadas sempre tem em vista beneficiar o mentiroso... Ou alguém que ele queira beneficiar. O que Jesus Cristo esperaria ganhar, mentindo sobre a Sua identidade? A resposta óbvia seria - poder. (Os césares, por exemplo, tanto visavam o poder que afirmavam ter origem divina). O problema com esta explicação é que Jesus evitava todas as tentativas dos Seus seguidores de ser levado a uma posição de poder temporal. Em vez disso, Ele acusava os que estavam no poder e os que viviam almejando ansiosamente consegui-lo. Além disso, Ele preferia o contato com os marginais (prostitutas e leprosos), sem poder algum, atraindo uma multidão de pessoas, cuja influência estava abaixo de zero. De um modo que somente poderia ser descrito como excêntrico, tudo o que Jesus fazia e dizia era diametralmente oposto ao que faria alguém que almejasse o poder.

Se o poder fosse a meta de Jesus Cristo, Ele teria evitado a cruz, a qualquer preço. Contudo, em muitas ocasiões, Ele disse aos Seus discípulos que a cruz era o Seu destino e Sua missão. Como poderia resultar em poder o fato de alguém morrer pregado numa cruz romana? Certamente, a morte conduz todas as coisas a um foco apropriado. Conquanto muitos mártires tenham morrido por uma causa na qual eles acreditavam, poucos teriam desejado morrer por uma óbvia mentira. Certamente, todas as esperanças de Jesus, no sentido de obter um lucro pessoal, teriam acabado na cruz. Contudo, em Seu último suspiro, Ele não renunciou à afirmação de ser o Filho de Deus. Ele costumava usar o título de “Filho do Homem”, para identificar a Sua dupla natureza - humana e divina.

Megalomaníaco - A outra alternativa é que Jesus poderia ser um megalomaníaco, o qual imaginava ser Deus e, contudo, era apenas um homem... Esta teoria deve ser descartada, porque Ele ressuscitou da morte, comprovando que, de fato, era um Ser Superior aos anjos e aos homens criados por Ele.

Quem é Jesus Cristo? - Vocês já conheceram alguém com tal magnetismo ao ponto de se tornar o centro das atenções? Possivelmente, sua personalidade e inteligência, além de algo mais, eram enigmáticas nessa pessoa. Pois, foi exatamente isso o que aconteceu com Jesus, no tempo em que Ele andou pela Terra. Sua grandeza era óbvia a todos os que O viam e O escutavam. Porém, enquanto a maior parte das figuras humanas vai perdendo o seu valor, nos livros de história, à medida que os anos vão passando, Jesus Cristo vai Se tornando mais focalizado em toda a literatura secular e religiosa, jamais sendo superado por qualquer outra figura mundial. E grande parte dessa controvérsia tem girado em torno das radicais afirmações que Ele fez a respeito de Si mesmo.

Como foi possível que um simples carpinteiro nascido numa obscura vila chamada Nazaré, em Israel, tivesse feito afirmações que, no caso de serem verdadeiras, teriam profundas implicações na vida de todos nós? Muitas de Suas afirmações chocavam todos os que as ouviam. Eram, principalmente, essas contundentes afirmações que O tornavam excêntrico e desagradável, tanto para as autoridades romanas como para a hierarquia judaica. Mesmo sendo um excluído, sem quaisquer credenciais ou base política, dentro de três anos, Jesus iria mudar o mundo e essa mudança tem perdurado por quase vinte séculos... E quanto mais o tempo avança, mais se adianta a Sua figura inigualável. É verdade que outros líderes morais e religiosos causaram um certo impacto moral e espiritual; mas, nenhum deles pode se comparar ao carpinteiro de Nazaré, Àquele que foi muito mais que um simples carpinteiro. Mas, o que teria acontecido para que Jesus fizesse tanta diferença? Será que Ele foi apenas um grande homem e nada mais que isso? Ou será que Ele é, realmente, o Deus Criador do universo, o Filho de Deus, conforme Hebreus 1:1-12?

Aqui, chegamos ao âmago do que Jesus foi e continuará sendo por toda a eternidade. Alguns acreditam que Ele foi apenas um excelente mestre moral, outros, que Ele foi simplesmente o fundador e líder de mais uma religião mundial... Contudo, uma grande multidão acredita que Ele foi muito mais que isso. Os cristãos acreditam que Jesus Cristo é o Deus que nos visitou na forma de Homem e crêem na evidência para isso. Neste caso, vamos examinar quem é Jesus Cristo.

À medida que examinamos essa Figura tão controversa, podemos começar com a pergunta: Será que Jesus Cristo foi simplesmente um grande mestre moral?

Quase todos os eruditos reconhecem que Jesus foi um grande mestre moral. De fato, Sua grande visão sobre a moralidade humana é a meta reconhecida até mesmo pelos adeptos de outras religiões. Em seu livro - Jesus de Nazaré - o erudito judeu Joseph Klausner escreveu: “É universalmente reconhecido… que Cristo ensinou a mais pura e sublime ética de vida... a qual ultrapassa todos os preceitos e máximas dos homens mais sábios da antiguidade, colocando-os muito aquém dEle”. O Sermão do Monte pregado por Jesus tem sido considerado o mais importante ensino já proferido por um indivíduo sobre a ética humana. De fato, muito do que sabemos a respeito da igualdade de direitos e dos direitos humanos é o resultado dos Seus ensinos.

O historiador Will Durant disse o seguinte sobre Jesus: “Ele viveu e lutou incansavelmente pela igualdade dos direitos. Nos tempos modernos, Ele teria sido enviado para a Sibéria, por ter dito: ‘O maior dentre vós será vosso servo’ (Mateus 23:11). Isto é uma inversão de toda sabedoria política e humana.”

Muitos têm tentado separar os ensinos de Jesus sobre a ética de Suas afirmações a respeito de Si mesmo, acreditando que Ele foi apenas um grande homem, o qual ensinou excelentes princípios morais. Era este o pensamento de muitos dos patriarcas fundadores da América do Norte.

O presidente Thomas Jefferson, considerado como o iluminado racionalista, sentou-se na cadeira da Casa Branca com duas cópias idênticas do Novo Testamento, com uma navalha e uma folha de papel. Durante algumas noites, ele foi cortando as folhas de um volume e construindo a sua própria bíblia, num volume chamado “A Filosofia de Jesus de Nazaré”. Após ter cortado todas as passagens que afirmavam a Divindade de Jesus, ele concluiu que Jesus era nada mais, nada menos do que um bom e ético guia de moralidade.

Ironicamente, as memoráveis palavras de Jefferson, na Declaração da Independência, foram embasadas no ensino de Jesus de que cada pessoa é de imensa e igual importância diante de Deus [que não faz acepção de pessoas] sem importar o sexo, a raça ou a condição social. Esse famoso documento especifica: “Achamos que essas verdades são por si mesmas evidentes; que todos os homens foram criados iguais e que o Criador lhes concedeu certos direitos inalienáveis!” Mas, a pergunta que Jefferson nunca se fez foi esta: Como poderia Jesus ter sido um grande mestre moral, se Ele havia mentido dizendo ser Deus? Nesse caso, não seria Ele apenas um mentiroso? Será que Ele foi realmente um grande mestre moral, ou apenas um visionário, cujo objetivo teria sido fundar uma grande religião?

Jesus ainda é importante hoje? Muita gente acha que Jesus deseja que nos tornemos pessoas religiosas. Elas pensam que Ele veio para nos privar de todas as diversões que a vida nos oferece, tendo deixado uma porção de regras para serem obedecidas. Acham que Ele pode ter sido um grande líder, no passado, mas que, hoje em dia, com o avanço da ciência, da tecnologia e da cultura humana, Ele já não é tão importante em nossas vidas. Vamos falar sobre Josh MacDowell, um cristão americano, que tem escrito livros sobre a divindade e a ressurreição de Jesus Cristo.

Josh era um universitário, que considerava Jesus apenas um líder religioso, o qual estabeleceu uma porção de regras a serem seguidas pelos Seus discípulos, sendo absolutamente dispensável em sua vida. Foi então que, certo dia, numa mesa redonda de estudantes, Josh se sentou perto de uma jovem colega, a qual exibia um sorriso radiante. Intrigado, ele lhe perguntou por que ela se mostrava tão feliz. A isto, ela deu uma resposta rápida: “Jesus Cristo!”. Josh perguntou agastado: “Jesus Cristo? Pelo amor de Deus, não me venha com essa bobagem de religião. Não me venha com esse lixo. Estou saturado de religião, saturado de igreja, saturado de Bíblia. Desisti desse lixo chamado religião”.

Diante dessa enxurrada de palavras agressivas, a jovem explicou: “Senhor, eu não falei de religião, eu falei de Jesus Cristo”. Josh ficou abalado. Ele jamais havia considerado Jesus além de uma figura religiosa e não queria compartilhar desse tipo de hipocrisia. Contudo, ali estava uma jovem cristã, feliz e realizada, falando de Jesus, como se Ele tivesse trazido uma enorme significação à sua vida!
Cristo garantiu que poderia responder a todas as perguntas profundas sobre o significado de nossas vidas. Quem já não observou as estrelas piscando, numa negra noite, e fez a pergunta: “Quem colocou todas elas ali?” Quem já não contemplou um por de sol e ficou pensando sobre as questões mais importantes da vida? Quem não se perguntou algumas vezes:

Quem sou eu?
De onde eu venho?
Para onde irei depois da morte?


Embora outros filósofos e líderes de religiões tenham oferecido respostas sobre a significação da vida, somente Jesus Cristo comprovou suas credenciais, quando ressuscitou da morte. Céticos como Josh MacDowell, os quais, antes zombavam da ressurreição de Cristo, após terem feito cuidadosas pesquisas, descobriram que existe uma forte evidência de que, realmente, Jesus Cristo é Deus e Sua ressurreição é um fato incontestável.

Jesus Cristo nos oferece uma vida repleta de verdadeira significação. Ele ensinou que a vida é muito mais que simplesmente ganhar dinheiro, divertir-se, ficar famoso, ser bem sucedido e, finalmente, ser colocado dentro de um túmulo. Mesmo assim, muitas pessoas ainda tentam encontrar uma significação para as suas vidas, através do sucesso, inclusive os astros e estrelas mais famosos do planeta.

Madona tentou encontrar respostas às perguntas acima; engajou-se no ocultismo e, finalmente, confessou: “Por muitos anos, eu achei que a fama, a fortuna e a aprovação do público iriam me tornar uma pessoa feliz... Mas, um dia, eu acordei e descobri que não era aquilo. Vi que algo estava me faltando... Queria saber qual era o verdadeiro significado da vida; queria encontrar uma verdadeira e duradoura felicidade... Como poderia consegui-la...” [N.T.: Enquanto ela não descobrir que somente Jesus Cristo pode lhe dar todas as respostas, vai continuar nessa angustiosa busca].

Pior tem acontecido a quem desistiu de encontrar tal significação e acabou caindo nas garras do desespero. Kurt Corbain, o cantor principal do grupo musical Nirvana, de Seatle, desistiu de viver, tendo se suicidado aos 27 anos de idade. [N.T.: Pelo nome do grupo podemos concluir que o cantor estava engajado no Budismo, buscando significação para a sua vida]. O astro da Era do Jazz, Ralph Barton, convencido de que a vida não tinha qualquer significação, resolveu dar cabo da mesma, tendo deixado este bilhete: “Tive poucas dificuldades, poucos amigos e muito sucesso. Tive várias mulheres, as quais eu ia trocando; mudei de uma casa para outra; visitei vários países do mundo e agora estou cansado de inventar novos esquemas, a fim de preencher o vazio das 24 horas do meu dia”. O que faltava a esse jovem incrédulo era exatamente o verdadeiro significado do nosso viver - Jesus Cristo.

Pascal, o grande filósofo francês, acreditava que o vazio interior que todos nós experimentamos, somente pode ser preenchido com a presença de Deus em nós [N.T.: ou seja, o Espírito de Deus habitando em nosso íntimo]. Ele declarou: “Existe um vazio no coração de todo homem e este só pode ser preenchido por Jesus Cristo”. Pascal estava certo. Por isso confiamos em que Jesus não é apenas a resposta a todas as perguntas sobre a nossa identidade e significação da vida, mas que Ele, e somente Ele, pode nos oferecer a esperança de uma gloriosa vida eterna, quando a morte chegar...

Será que a vida pode ter alguma significação sem a crença em Deus? Bertrand Russell escreveu: “A não ser que você tenha um deus, a vida não tem significação alguma”. O incrédulo Russell até pode ter tido “um deus” ou “deuses” na vida: sua obra, a fama, a mulher, mas não teve “o Deus bendito eternamente”, Jesus Cristo”; portanto, ele foi um miserável pecador não remido dos seus pecados. Por isso, ele mesmo desistiu de buscar uma significação para o seu viver, até que, finalmente, apodreceu dentro de um túmulo, de onde vai ressurgir para a vergonha eterna. Em seu livro - “Por Que Não Sou Cristão” - Bertrand Russell descartou tudo que Jesus falou sobre o significado da vida, inclusive a garantia da vida eterna.

A verdade é que Jesus venceu a morte e isso foi confirmado por muitas testemunhas oculares. Somente Ele pode nos responder a pergunta: “Para onde irei depois da morte?” Tudo que precisamos saber sobre Jesus Cristo está escrito nas páginas de um LIVRO chamado Bíblia (N.T.: principalmente no Novo Testamento), o qual retrata o Homem-Deus, do primeiro ao último capítulo, mostrando que Ele é a própria significação da vida.

Jesus Cristo morreu - Ele avisou aos Seus que iria morrer.
Mateus 16:21 - “Desde então começou Jesus a mostrar aos seus discípulos que convinha ir a Jerusalém, e padecer muitas coisas dos anciãos, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia”.
Mateus 20:17-19 - “E, subindo Jesus a Jerusalém, chamou de parte os seus doze discípulos, e no caminho disse-lhes: Eis que vamos para Jerusalém, e o Filho do homem será entregue aos príncipes dos sacerdotes, e aos escribas, e condená-lo-ão à morte. E o entregarão aos gentios para que dele escarneçam, e o açoitem e crucifiquem, e ao terceiro dia ressuscitará”.
Marcos 15:37-39 - “E Jesus, dando um grande brado, expirou. E o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo. E o centurião, que estava defronte dele, vendo que assim clamando expirara, disse: Verdadeiramente este homem era o Filho de Deus”.
João 19:30 - “E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito”.

A ressurreição de Cristo é o fato supremo da história da humanidade... Ou então seria uma tremenda balela. Se a ressurreição de Cristo é verdadeira e nós a ignoramos, isso implicará em sério perigo para o futuro de todos nós. Se ela de fato não aconteceu, então esta seria a maior fraude da história mundial. Sua ressurreição exige a definição entre ser um item filosófico ou um fato histórico. Contudo, Sua ressurreição é um fato confiável e ninguém consegue negá-la, após ter examinado cuidadosamente a evidência da mesma. Somente quem nunca estudou esta evidência e quem se recusa a entender os fatos apresentados pelas testemunhas, pode negar a ressurreição de Cristo.

Quem não estudou cuidadosamente o assunto, como pode tomar uma decisão inteligente? Muitos homens letrados têm tentado descartar a possibilidade de Jesus ter ressurgido da morte, para, no final, terem se tornado convencidos deste fato. Algumas pessoas têm se recusado a examinar a evidência, porque não querem crer em Jesus Cristo, nem desejam se submeter ao Seu senhorio. Mesmo assim, os fatos permanecem inabaláveis. Os túmulos de Confúcio, Buda, Maomé e Lênin continuam ocupados com os seus restos mortais. Mas, o túmulo de Jesus está VAZIO!!! Vamos ler Apocalipse 1:17-18: “...Eu sou o primeiro e o último; e o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno”.

Jesus garantiu que iria ressuscitar - Ele predisse Sua morte e Sua ressurreição, no terceiro dia. Morrer e ressuscitar para a vida eram os Seus planos. Os soldados romanos não Lhe quebraram as pernas porque tinham certeza de que Ele já estava morto, o que foi confirmado pelo centurião, depois que o lado de Cristo foi perfurado e, dali, jorrou uma mistura de sangue e água. De fato, Jesus estava morto.

João 19:33-34 - “Mas, vindo a Jesus, e vendo-o já morto, não lhe quebraram as pernas. Contudo um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água”.
Mateus 28:11-15 - “E, quando iam, eis que alguns da guarda, chegando à cidade, anunciaram aos príncipes dos sacerdotes todas as coisas que haviam acontecido. E, congregados eles com os anciãos, e tomando conselho entre si, deram muito dinheiro aos soldados, dizei: Vieram de noite os seus discípulos e, dormindo nós, o furtaram. E, se isto chegar a ser ouvido pelo presidente, nós o persuadiremos, e vos poremos em segurança. E eles, recebendo o dinheiro, fizeram como estavam instruídos. E foi divulgado este dito entre os judeus, até ao dia de hoje”.

Jesus foi sepultado - Conforme as passagens abaixo:

Marcos 15:43-45 - “Chegou José de Arimatéia, senador honrado, que também esperava o reino de Deus, e ousadamente foi a Pilatos, e pediu o corpo de Jesus. E Pilatos se maravilhou de que já estivesse morto. E, chamando o centurião, perguntou-lhe se já havia muito que tinha morrido”.
João 19:39-42 - “E foi também Nicodemos (aquele que anteriormente se dirigira de noite a Jesus), levando quase cem arráteis de um composto de mirra e aloés. Tomaram, pois, o corpo de Jesus e o envolveram em lençóis com as especiarias, como os judeus costumam fazer, na preparação para o sepulcro. E havia um horto naquele lugar onde fora crucificado, e no horto um sepulcro novo, em que ainda ninguém havia sido posto. Ali, pois (por causa da preparação dos judeus, e por estar perto aquele sepulcro), puseram a Jesus”.
Mateus 27:62-66 - “E no dia seguinte, que é o dia depois da Preparação, reuniram-se os príncipes dos sacerdotes e os fariseus em casa de Pilatos, dizendo: Senhor, lembramo-nos de que aquele enganador, vivendo ainda, disse: Depois de três dias ressuscitarei. Manda, pois, que o sepulcro seja guardado com segurança até ao terceiro dia, não se dê o caso que os seus discípulos vão de noite, e o furtem, e digam ao povo: Ressuscitou dentre os mortos; e assim o último erro será pior do que o primeiro. E disse-lhes Pilatos: Tendes a guarda; ide, guardai-o como entenderdes. E, indo eles, seguraram o sepulcro com a guarda, selando a pedra”.
Lendo estas passagens, podemos ver que, realmente, Jesus morreu e não apenas “desmaiou”, conforme dizem os mestres das seitas gnósticas. Ele foi sepultado “com o rico na sua morte” (Isaías 53:9);

Jesus ressuscitou - Ele ressuscitou gloriosamente, conforme veremos:

Mateus 28:2-7 - “E eis que houvera um grande terremoto, porque um anjo do Senhor, descendo do céu, chegou, removendo a pedra da porta, e sentou-se sobre ela. E o seu aspecto era como um relâmpago, e as suas vestes brancas como neve. E os guardas, com medo dele, ficaram muito assombrados, e como mortos.
Mas o anjo, respondendo, disse às mulheres: Não tenhais medo; pois eu sei que buscais a Jesus, que foi crucificado. Ele não está aqui, porque já ressuscitou, como havia dito. Vinde, vede o lugar onde o Senhor jazia. Ide pois, imediatamente, e dizei aos seus discípulos que já ressuscitou dentre os mortos. E eis que ele vai adiante de vós para a Galiléia; ali o vereis. Eis que eu vo-lo tenho dito”.

A gigantesca pedra foi removida e o selo romano foi quebrado, apesar da guarda vigiando o túmulo. Depois que o túmulo ficou vazio, nem mesmo os mais ferrenhos inimigos de Jesus - o sumo sacerdote e os anciãos - duvidaram de Sua ressurreição, pois tinham visto Jesus morrer. Os discípulos também sabiam de Sua morte. Eles temiam por suas vidas e não esperavam que Jesus ressuscitasse, até que o fato aconteceu. Tomé até se recusou a acreditar que Jesus estivesse vivo e só o conseguiu, quando viu o Mestre com os seus próprios olhos. Ele se ajoelhou diante de Jesus e exclamou: “Senhor meu e Deus meu!” (João 20:28).

No primeiro século, ninguém conseguiu dizer onde se encontrava o corpo de Jesus. A verdade é que o Seu túmulo estava vazio. Os judeus tinham inventado uma lorota de que os discípulos haviam furtado o corpo de Jesus, mentira que ainda hoje é acreditada por muitos. Mas, eles sabiam que o túmulo estava vazio: “E, congregados eles com os anciãos, e tomando conselho entre si, deram muito dinheiro aos soldados, dizendo: Dizei: Vieram de noite os seus discípulos e, dormindo nós, o furtaram”. (Mateus 28:12-13).

Todos (amigos e inimigos de Jesus) sabiam que Ele havia sido sepultado e todos ficaram sabendo que o Seu túmulo estava vazio. Em Atos 26:26, vemos Paulo dizendo a Herodes: “Porque o rei, diante de quem falo com ousadia, sabe estas coisas, pois não creio que nada disto lhe é oculto; porque isto não se fez em qualquer canto”. Se as autoridades tivessem levado o corpo de Cristo, por que não falaram sobre isso, a fim de, em seguida, poderem neutralizar a pregação sobre a Sua ressurreição? Bastava-lhes apresentar o cadáver e, assim, liquidariam o assunto, impedindo que os discípulos pregassem a ressurreição, na própria cidade onde Jesus havia sido condenado à morte.

Atos 6:7 - “E crescia a palavra de Deus, e em Jerusalém se multiplicava muito o número dos discípulos, e grande parte dos sacerdotes obedecia à fé”.

Será que os sacerdotes, inimigos de Jesus, estavam enganados sobre a Sua ressurreição? E se os discípulos tivessem furtado o corpo de Jesus, para escondê-lo em algum outro lugar, como é possível explicar a extraordinária mudança de vida em todos eles? Com toda a proibição de pregarem o evangelho, eles continuaram pregando, ousadamente, a ressurreição do seu Senhor, em Jerusalém, em vez de fugirem para o local onde poderiam ter escondido o Seu corpo. A verdade é que os judeus não puderam contradizê-los e o povo passou a acreditar na ressurreição. Desse modo, o Cristianismo prosperou em Jerusalém e dali se espalhou pelo mundo inteiro. Exatamente porque Jesus ressuscitou foi que os Seus inimigos não conseguiram neutralizar o Cristianismo incipiente. Os romanos tentaram detê-lo, mas não o conseguiram. Vejamos como Pedro, o líder dos discípulos judeus, dirigiu-se aos judeus.

Atos 2:22-24,32 - “Homens israelitas, escutai estas palavras: A Jesus Nazareno, homem aprovado por Deus entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis; a este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, prendestes, crucificastes e matastes pelas mãos de injustos; ao qual Deus ressuscitou, soltas as ânsias da morte, pois não era possível que fosse retido por ela”... “Deus ressuscitou a este Jesus, do que todos nós somos testemunhas”.

Os discípulos de Jesus mudaram
- Antes da ressurreição, eles estavam possuídos de medo. De repente, mudaram de atitude e se tornaram ousados missionários do evangelho e, assim, conseguiram transtornar o mundo. Com exceção de um, todos eles deram suas vidas pela causa de Cristo. Preferiram morrer a negar a Sua ressurreição, a renegar o senhorio de Cristo sobre eles. Todos sabiam que algo extraordinário havia acontecido; que o seu Mestre e Senhor estava vivo; portanto, não havia razão para temer os judeus. Até mesmo Pedro, aquele homem fraco que havia negado Jesus diante de uma criada, temendo ser identificado como um dos Seus discípulos, havia se tornado o mais ousado de todos, desafiando as autoridades judaicas. Ninguém conseguia silenciá-lo. Eis o que ele disse às autoridades em Jerusalém:

Atos 3:14-15 - “Mas vós negastes o Santo e o Justo, e pedistes que se vos desse um homem homicida. E matastes o Príncipe da vida, ao qual Deus ressuscitou dentre os mortos, do que nós somos testemunhas”.
Atos 4:19-20: “Julgai vós se é justo, diante de Deus, ouvir-vos antes a vós do que a Deus; porque não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido”.
Saulo de Tarso, o fariseu [N.T.: que iria se tornar o maior apóstolo de Cristo e iria escrever grande parte do Novo Testamento, transformando o Cristianismo na maior bênção mundial], garantia ter visto Cristo ressuscitado. Isso mudou completamente a sua vida; pois, antes, ele fora o maior perseguidor dos cristãos.

1 Coríntios 15:3-8 - “Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras. E que foi visto por Cefas, e depois pelos doze. Depois foi visto, uma vez, por mais de quinhentos irmãos, dos quais vive ainda a maior parte, mas alguns já dormem também. Depois foi visto por Tiago, depois por todos os apóstolos. E por derradeiro de todos me apareceu também a mim, como a um abortivo”.

Os irmãos de Jesus, que antes não acreditavam nEle (João 7:5), após a ressurreição, tornaram-se Seus discípulos.

Atos 1:14 - “Todos estes perseveravam unanimemente em oração e súplicas, com as mulheres, e Maria mãe de Jesus, e com seus irmãos”.

Outro ponto de evidência é o caráter das testemunhas de Cristo. Elas viviam vidas honestas, praticando os maiores valores éticos e morais, tanto que até os seus inimigos eram forçados a admiti-lo. Desse modo, seria impossível que elas tivessem inventado uma mentira tão prejudicial à humanidade. Poderia uma mentira deliberada ter transformado tão maravilhosamente aquela turma de covardes numa turma de heróis? Por que nenhum daqueles “conspiradores” [N.T.: como os classificam alguns incrédulos antigos e modernos] hesitou, mesmo sob tortura, em dar a sua vida por amor à causa de Cristo? Por que os judeus cristãos (da igreja primitiva) mudaram o seu dia de adoração - que era o sábado - para o domingo, dia da ressurreição - se nela não acreditassem de fato?

Se Jesus Cristo ressurgiu dos mortos, então Ele é, realmente, Aquele que dizia ser - o Filho de Deus, o Messias de Israel. Aquele sobre quem Paulo disse: “... morreu Cristo, e ressurgiu, e tornou a viver, para ser Senhor, tanto dos mortos, como dos vivos”. - (Romanos 14:9); “Deus bendito eternamente” (Romanos 9:5); “a imagem do Deus invisível... O primogênito de toda a criação”; (Colossenses 1:15); Aquele que é “antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele” (verso 17); “a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos” (verso 18); “Em quem estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência” (Colossenses 2:3); “Cristo, que é a nossa vida... (Colossenses 3:4), etc., etc., etc.

A ressurreição de Cristo é a pedra fundamental do Cristianismo, pois dá toda autoridade às Suas doutrinas. Ele foi “declarado Filho de Deus em poder, segundo o Espírito de santificação, pela ressurreição dos mortos” (Romanos 1:4).

As seguintes declarações de Jesus encontram-se em: João 8:24 - “Se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados”; João 14:6 - “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”. (João 3:16-19 e 36). “(Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más... Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece”.

Que todos nós possamos crer em Jesus Cristo, como o nosso único Salvador e que a Sua ressurreição seja um fato incontestável em nosso coração.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

As Maldições do dia 9ª de AV

Quando:
O Tishá B´Av acontece no 9º dia de Av (julho ou agosto).

O que é:
Durante o Tishá B´Av realiza-se um dos grandes dias de jejum no Calendário Judaico, quando o Povo Judeu lamenta a data das destruições do Primeiro e do Segundo Templos, a derrota da fortaleza de Betar, a expulsão dos judeus da Espanha, o início das deportações dos judeus do Gueto de Varsóvia e a conseqüente perda da soberania e exílio da Terra Santa. O Tishá B' Av é o ponto culminante do período de três semanas de luto, cujos nove últimos dias são mais intensos, com o cumprimento de vários costumes similares aos praticados em época de luto pela perda de pessoas próximas. Estas três semanas começam no dia 17 de Tamuz, dia em que Jerusalém teve o acesso às fontes de água bloqueadas durante o cerco e Moisés quebrou as primeiras Tábuas da Lei quando desceu do Monte Sinai, após quarenta dias, para encontrar o povo idolatrando o Bezerro de Ouro. A prática tradicional inclui a leitura do Livro das Lamentações (Kinot), jejum de 25 horas e privação de confortos e contato físico. Em Jerusalém, centenas de pessoas se dirigem ao Kotel, o Muro Ocidental e único remanescente do Segundo Templo para lembrar sua destruição e rezar por redenção. Restaurantes e locais de entretenimento são fechados na véspera do dia e só reabrem na manhã do dia seguinte. O Tisha beav é interpretado por seu significado religioso e também por sua importância histórica, já que representa a perda da soberania nacional judaica na Terra de Israel, mesmo entre as pessoas que optam por não jejuar.

O mês de Av
Simcha Raz

O mês de Av é o décimo primeiro mês do calendário judaico na contagem a partir da Criação do mundo, e o quinto na contagem a partir da saída do Egito. O nome "Av" não é mencionado na Bíblia; seu nome em assírio era "A-bu", e há quem sugira ser esta uma redução do nome "Abu Sareni", que significa "o mês das colheitas".

No calendário do agricultor hebreu, encontrado nas escavações de Guezer, o mês é denominado "a lua [o mês] do verão" (colheita das frutas do verão). O mês de Av era um dos seis meses nos quais partiam enviados do Beit Din (tribunal religioso) de Jerusalém para avisar aos judeus da Diáspora qual fora o dia estipulado pelo Sanhedrin como início do mês (Rosh Chodesh), para que pudessem cumprir na data certa o jejum de 9 de Av.

No passado remoto, o mês de Av era considerado um bom mês, por ser a época da colheita da uva e das primícias das frutas do verão. Com o passar dos tempos, porém, ocorreram neste mês muitas desgraças e infortúnios, e ele tornou-se um mês de luto e tristeza, conforme definiram nossos sábios: "Quando começa o mês de Av, diminui a alegria". Por isso, acrescentaram a seu nome o adjetivo "consolador" (Menachem Av): que possamos alcançar o consolo e a redenção, e que nosso sofrimento se transforme em júbilo. Trata-se ainda de uma alusão ao nome do Messias, que é Menachem, e que, segundo a tradição, nasceu no dia em que o Templo foi destruído (9 de Av).

Durante os nove primeiros dias de Av não comemos carne, não bebemos vinho nem realizamos nenhum festejo, inclusive casamentos. Há muita gente que já adota esses costumes de luto a partir de 17 de Tamuz. Os dias entre 17 de Tamuz e 9 de Av são chamados "os dias de angústia" ou "as três semanas".

O sábado que antecede o dia 9 de Av é chamado "o sábado da calamidade", lembrando as desgraças que sofreu o Povo de Israel neste mês; e o sábado posterior a 9 de Av é conhecido como "o sábado do consolo", por causa da Haftará que é lida neste dia, e que começa com as palavras: "Consolai, consolai o Meu povo" (Isaías 40:1). A partir daí contam-se "sete sábados de consolação".

A única festa que o Povo de Israel celebrava no passado remoto no mês de Av era o dia 15 de Av, quando as jovens da Judéia vinham dançar nos vinhais; os rapazes solteiros vinham, então, escolher uma noiva entre elas. Assim diz Rabi Shimon ben Gamliel: "Não havia dias melhores em Israel do que o 15 de Av e o Yom Hakipurim, quando as jovens de Jerusalém saem com vestes brancas emprestadas, para não envergonhar aquelas que não possuem uma" (Tratado Taanit IV 5). O costume de vestir roupas emprestadas tinha por objetivo anular as diferenças de classe social ou econômica.

Foi em 15 de Av que Oséias filho de Elá retirou os sentinelas que Jeroboão filho de Nebate havia colocado nos caminhos, a fim de impedir que os habitantes do Reino de Israel fizessem peregrinação a Jerusalém. Tais sentinelas tinham sido colocados por Jeroboão, Rei de Israel, por recear que o outro reino ? o de Judá ?aproveitasse a presença dos peregrinos, tornando-se mais poderoso do que Israel. Os sentinelas, portanto, impediam à força que o povo fosse ao Templo em Jerusalém; ao mesmo tempo, Jeroboão tentou criar substitutos do Templo, e colocou duas imagens de bezerro, uma em Dan e outra em Beit-El. Dessa maneira a divisão em dois reinos tornou-se um fato consumado, o que causou a disseminação da idolatria. O último dos Reis de Israel, Oséias filho de Elá, retirou os sentinelas no dia 15 de Av, deixando livre para os peregrinos o caminho a Jerusalém, trazendo a reconciliação entre as duas partes do povo.

Acontecimentos do mês de Av:

1 de Av - Morte de Aarão, o sacerdote, conforme está escrito em Números 33:38: "E subiu Aarão, o sacerdote, ao monte de Hor, por mandado do Eterno, e morreu ali, no quinto mês do quadragésimo ano da saída dos Filhos de Israel da terra do Egito, no primeiro do mês". Retorno a Sion (458 a.C.) ? Esdras, o escriba, chega a Jerusalém (Esdras 7:9).

4 de Av - Neemias inicia a reconstrução da muralha de Jerusalém.

7 de Av - 5660 (1920) Fundação do Keren Hayessod

9 de Av - Destruição do Primeiro Templo, no ano 3174 (586 a.C.) e destruição do Segundo Templo, no ano de 3828 (68 d.C.). É dia de luto e jejum pela destruição do Templo: "Queimaram a Casa de Deus, e derrubaram os muros de Jerusalém; todos os seus palácios queimaram a fogo, destruindo também todos os seus preciosos objetos. Os que escaparam da espada, a esses levou ele para Babilônia" (II Crônicas 36:19- 20). O jejum de 9 de Av é chamado na Bíblia "o jejum do quinto mês". A Mishná diz: "Cinco desgraças ocorreram a nossos antepassados em 9 de Av: a 'geração do deserto' recebeu o castigo de não entrar na Terra de Israel (por causa dos espiões que caluniaram a Terra de Israel); o Primeiro e o Segundo Templo foram destruídos; a cidade de Betar foi conquistada e a cidade de Jerusalém arrasada" (Tratado Taanit IV 6). Expulsão dos judeus da Inglaterra (5050 ? 1290). Expulsão dos judeus da Espanha (5252 ? 1492). Os judeus de Roma são transferidos para o gueto (5315 ? 1555). Início da 1ª Guerra Mundial (5674 / 1914).

OBS: Este dia é o mais temível para os israelitas e o Código da Bíblia prevê para este ano (5766) um atentado nuclear!

10 de Av - (1306) Expulsão dos judeus da França.

15 de Av - A "geração do deserto"? os hebreus que saíram do Egito ? foram condenados a morrer no deserto, por causa do pecado dos espiões (Números, capítulos 13-14). Os soldados de Bar Cochbá que caíram na luta pela defesa de seu último baluarte, Betar, foram finalmente enterrados (os romanos haviam proibido anteriormente seu enterro, e nesta data mudaram sua decisão). Este acontecimento encerra um duplo milagre: a autorização para os mortos serem enterrados, e o fato de que os cadáveres terem-se mantido conservados, embora tivessem permanecido no campo da batalha (135 d.C.). Fundação do Congresso Judaico Mundial, para a proteção dos direitos do judeus em todo o mundo, a luta contra o anti- semitismo e a união do Povo de Israel (5696 ? 1936).

16 de Av - 5689 (1929) Início de sangrentos distúrbios em Eretz Israel (provocados pelos árabes).

18 de Av - A lâmpada perene (Ner Tamid) do Templo apagou-se, no tempo do Rei Acaz, e isto foi considerado um mau sinal.

22 de Av - 5709 (1949) Os restos mortais de Theodor Herzl foram trasladados a Jerusalém, sendo sepultados no alto da colina que passou a chamar-se "Monte Herzl".

24 de Av - Os hasmoneus saíram vitoriosos e novamente passaram a ser cumpridas as leis da Torá; por causa disso nossos sábios estabeleceram ser este um dia de festa.

25 de Av - 5718 (1958) Realizou-se em Jerusalém o primeiro Certame Bíblico (Chidon HaTanach) oficial. Amós Chacham foi o primeiro Campeão Bíblico de Israel.

28 de Av - Moisés desceu do Monte Sinai e quebrou as Tábuas da Lei. No dia seguinte, subiu novamente ao Monte Sinai e recebeu pela segunda vez as Tábuas da Lei.

A personalidade do mês: Aarão, o sacerdote, que faleceu em 1 de Av

Aarão foi o primogênito de Amram filho de Kehat e de Iocheved, da tribo de Levi, e irmão de Moisés e Miriam. Foi o principal ajudante de Moisés durante a saída dos hebreus do Egito e na liderança do povo em suas andanças no deserto. Desde o início da missão de Moisés, foi seu porta-voz diante do povo. Aarão e seus filhos foram escolhidos por D'us para serem sacerdotes, servindo no Tabernáculo. Aarão foi o primeiro Sumo Sacerdote, e todos os sacerdotes que serviram no Templo depois dele são denominados Filhos de Aarão. Por ocasião da rebelião de Coré e sua congregação, foi a vara de Aarão que deu brotos, dentre todas as varas das tribos de Israel, num sinal de que Aarão e sua descendência tinham sido os escolhidos como sacerdotes para todo o sempre.

De seus quatro filhos: Nadab, Abiu, Elazar e Itamar, os dois primeiros (Nadab e Abiu) morreram ainda em vida do pai, ao acenderem um fogo estranho diante do Eterno. Aarão é considerado pela tradição rabínica como a personificação da piedade e do espírito da paz: "Ama a paz e procura a paz, ama as criaturas e aproxima-as da Torá" (Avot I 12)

Seu maior pecado foi condescender com a exigência do povo, permitindo que fosse feito o bezerro de ouro, pois o povo estava impaciente com a demora de Moisés em descer do Monte Sinai. Quando Aarão e Moisés, no deserto de Tsin, receberam a ordem de falar com a rocha para que dela brotasse água, e eles, ao invés, golpearam a rocha com o cajado, Aarão recebeu também o castigo de não entrar na Terra de Canaan.

Aarão morreu no Monte Hor, na fronteira de Edom, no quadragésimo ano da saída do Egito, com a idade de 123 anos. Depois de sua morte, seu filho Elazar foi nomeado Sumo Sacerdote.

A história do mês:

Rabino Chaim HaLevi Soloveichik, que faleceu em 21 de Menachem-Av de 5678 (1918) na cidade de Brest-Litovsk, na Lituânia.

A casa do Rabino Chaim HaLevi Soloveichik, rabino de Brest-Litovsk, estava sempre aberta aos pobres e amargurados. Quem quer que estivesse sofrendo, ou enfrentando uma situação difícil, podia vir ao rabino e contar-lhe suas mágoas. Rabi Chaim consolava os aflitos e os reconfortava, dava-lhes conselhos e até mesmo ajuda financeira.

Uma vez, entrou em sua casa uma jovem, que lhe disse num cochicho que tinha um segredo para contar. Rabi Chaim pediu que todos os presentes saíssem da sala; assim que todos saíram, a jovem rompeu em pranto. Contou-lhe que tinha-se deixado seduzir por um homem desonesto, e que estava grávida e não sabia o que fazer. Rabi Chaim contemplou aquela jovem filha de Israel, tão desesperada, falou-lhe com carinho e acalmou-a. Antes de despedir-se dela, deu-lhe algum dinheiro para que pudesse sustentar-se durante a gravidez, e disse-lhe que viesse a ele com o bebê, tão logo nascesse. A moça prometeu que lhe entregaria o nenem, pessoalmente, e que ninguém saberia do ocorrido.

Passaram-se alguns meses; um dia, tarde da noite, quando o rabino estava só em sua sala estudando Torá, ouviu que batiam de leve à sua porta. Ao sair para ver quem era, encontrou a jovem que o procurara, com o bebê nos braços. Tomou-lhe o bebê, acalmou-a, e disse-lhe que seguisse seu caminho. Depois disso, acordou sua esposa, pedindo-lhe que cuidasse do bebê. Pela manhã mandou chamar uma ama-de-leite, combinou com ela o preço e entregou-lhe a criança, para que a alimentasse e criasse.

Depois disso, o rabino encontrou mais de uma vez à porta de sua casa bebês abandonados; para todos encontrava uma ama, a quem pagava de seu próprio bolso. Certa vez, um bebê foi abandonado na porta de um dos judeus mais ricos da cidade. Quando rabi Chaim soube disso, mandou chamar o ricaço e disse-lhe: - O senhor deve saber que é uma grande mitzvá criar as crianças abandonadas. Eu mesmo a venho praticando há muito tempo. Porém agora, tendo o senhor sido o escolhido para receber esse privilégio, não quero retirar-lhe o direito a essa boa ação, mas gostaria de repartir a mitzvá com o senhor. Por isso, proponho dividir com o senhor o pagamento da ama: metade o senhor, metade eu ?

Mais sobre o 9 de Av:

Três semanas inteiras de nosso ano — as três semanas "entre os apertos" de 17 de Tamuz e 9 de Av — são designadas como um período de luto pela destruição do Templo Sagrado e o conseqüente exílio físico e deslocamento espiritual — no qual ainda nos encontramos.O jejum de 17 de Tamuz, o dia em que Moisés quebrou as Tábuas da Lei ao ver o povo judeu adorando o bezerro de ouro, "coincidentemente" provou ser o mesmo dia em que os romanos irromperam pelas muralhas de Jerusalém para dar início à destruição do Segundo Templo."Quando começa o mês de Av, reduzimos nosso júbilo..." (Talmud, Tratado Ta'anit 26). Começando em 1º de Av, usualmente nos abstemos de diversas atividades que estão associadas à alegria.O dia 9 de Av, Tish'á Beav, celebra uma lista de catástrofes tão graves que é claramente um dia especialmente amaldiçoado por D-us.

O Primeiro Templo foi destruído neste dia. Cinco séculos mais tarde, conforme os romanos se aproximavam do Segundo Templo, prontos para incendiá-lo, os judeus ficaram chocados ao perceber que o Segundo Templo foi destruído no mesmo dia que o Primeiro.Quando os judeus se rebelaram contra o governo romano, acreditavam que seu líder, Shimon bar Kochba, preencheria suas ânsias messiânicas. Mas suas esperanças foram cruelmente destroçadas quando os judeus rebeldes foram brutalmente esquartejados na batalha final em Betar, em 9 de Av.Os judeus foram expulsos da Inglaterra também em Tish'á Beav. Em 1492, a Idade de Ouro da Espanha terminou, quando a Rainha Isabel e seu marido Fernando ordenaram que os judeus fossem banidos do país.

O decreto de expulsão foi assinado em 31 de março de 1492, e os judeus tiveram exatamente três meses para colocar seus negócios em ordem e deixar o país. A data hebraica na qual nenhum judeu mais teve permissão de permanecer no país onde tinha desfrutado de receptividade e prosperidade foi 9 de Av.A Segunda Guerra Mundial e o Holocausto, concluem os historiadores, foi na verdade a finalização arrastada da Primeira Guerra.

E a Primeira Guerra Mundial começou, no calendário hebraico, em 9 de Av - Tish'á Beav.Os judeus vêem estes fatos como outra confirmação da convicção profundamente enraizada de que a História não ocorre por acaso; os acontecimentos — mesmo os terríveis — são parte de um plano Divino, e têm um significado espiritual. A mensagem do tempo é que há um propósito racional, muito embora não possamos entendê-lo.

Tishá Beav

O dia 9 de Av – Tishá Beav – é um dia de jejum publico (semelhante ao de Iom Kipur) e luto pela destruição dos dois Templos de Jerusalém. Depois do Iom Kipur, Tishá Beav é o dia de jejum mais importante do calendário judaico. Ele marca o último dia do período de três semanas de intenso luto nacional pelos eventos que levaram à perda da independência judaica. Tal como no Iom Kipur, o jejum começa antes do pôr-do-sol e termina após o pôr-do-sol no dia seguinte. Nada pode ser comido ou bebido, inclusive água. Na sinagoga a cortina existente na frente da Arca é retirada. No serviço do anoitecer, acendem-se velas suficientes para a leitura do serviço e os fiéis não se sentam em bancos ou cadeiras, mas no chão ou em banquinhos baixos e descalços que são sinal de luto. Na ultima refeição antes do jejum, come-se pãezinhos redondos e ovos e às vezes se espalham cinzas sobre os ovos.

O círculo não tem começo nem fim, assim como a eternidade. Portanto, estes alimentos têm sido, desde longa data, associados com o luto e a vida eterna. Após o serviço ao anoitecer, lê-se o Livro das Lamentações, e isto é seguido pela leitura de elegias, hinos e preces de luto, que são publicadas num livreto especial e mantidas na sinagoga para este dia. Há cinco coisas proibidas em Nove de Av: comer e beber, lavar-se, untar-se com óleo, vestir sapatos de couro e coabitar.Todos devem jejuar em Nove de Av, incluindo mulheres grávidas e mães em fase de amamentação.

Quem estiver doente, porém, pode comer, mesmo se sua doença não lhe ameaça a vida. Entretanto, uma pessoa doente deve abster-se de comer iguarias e deveria ingerir somente o que for absolutamente necessário para seu bem-estar físico.Costuma-se dizer que a pessoa que come ou bebe em Nove de Av sem ter de fazê-lo por razões de saúde não merecerá ver o júbilo de Jerusalém. E quem prantear sobre Jerusalém merecerá ver sua felicidade, como promete o versículo (Yeshayahu/Isaías 66:10): "Rejubile-se grandemente com ela, todos que por ela pranteiam."

domingo, 27 de setembro de 2009

Jesus: Senhor meu e Deus meu!

Tua fidelidade é grande
Tua fidelidade incomparável é
Nada é como Tu Bendito Deus
Grande é a Sua fidelidade.

Devo confessar que sinto todos os dias muita saudade de Ti. Quero que saibas também, que sinto grande tristeza por não o ter conhecido pessoalmente, poder ter aprendido diretamente de Ti, ouvindo Tuas Palavras sempre muito belas e muitas vezes duras. Quero dizer-te também que, infelizmente, nem sempre foi assim, pois durante muito tempo achei que nem existias, e que somente passado algum tempo foi que tomei conhecimento de que há muitos anos atrás Tu nasceste. Mas, ainda assim, não sentia a Tua falta.

Mas, este sentimento foi sendo construído de modo sobrenatural. Poderia dizer que foi “um amor solitário e sem recompensa”, pois, Tu sempre me amaste, enquanto, eu, jamais havia reparado em Ti. E assim, os anos se passaram e, enquanto Tu desenvolvias o teu amor por mim, eu cada vez mais te desconhecia. Porém, como em toda história de Amor Verdadeiro Àquele que ama nunca desiste do seu amado.

Contudo, o tempo passou! E, por não querer te conhecer comecei a sofrer. Vi muitas vezes minha vida por um fio, troquei minha saúde pela doença, desperdicei noites de sono em favor de pesadelos reais e imaginários, caminhei por vales onde as ânsias da morte quase tragaram minha vida, recusei inúmeras vezes permanecer sóbrio aceitando barganhar com a loucura. Mas, Tu te mantiveste sempre ali a minha espreita, sempre determinado.

Quem? Quem, além de Ti, seria capaz de esperar tanto tempo em busca da minha vida, se até mesmo eu já havia desistido de mim mesmo?

Até que, certo dia, algo estranho dentro de mim começou a acontecer. Surgiu em forma de angústia no meu peito acompanhado de uma profunda tristeza. Um sentimento de perda incrível, uma espécie de remorso, como se houvesse deixado de reparar algo de muito errado no meu passado e, que, agora meu coração exigia reparação.

E sem saber do que se tratava comecei a sentir-me diferente, tudo o que me dava alegria, agora, só me trazia tristeza e insatisfação. Na verdade, sentia-me como alguém que pressente que algo está prestes a acontecer, porém, não tem idéia do que será. Foi então, que Tu te apresentaste a mim. E pude então, contemplar algo que jamais haviam me dito sobre Ti: Quão Maravilhoso és. E então, minha tristeza transformou-se em alegria, minha angústia em euforia, meu choro em riso.

Por tudo isso, Senhor meu e Deus meu, permita-me dizer algo Maravilhoso sobre Ti:

Tua fidelidade é grande
Tua fidelidade, incomparável é
Nada é como Tu
Bendito Deus
Grande é a Sua fidelidade.

Maranata! O Senhor vem!

sábado, 26 de setembro de 2009

www.sexxxchurch.com

"Crentes" montam ministério virtual para combater a pornografia sem recorrer ao moralismo.

“Eu levo uma vida dupla. Sou pastor em período integral, mas na maior parte do tempo fico sozinho no escritório da igreja, baixando vídeos pornô na internet. Sinto-me simplesmente incapaz de conter isso”. A confissão, contundente em sua sinceridade, está na página virtual do ministério SexxxChurch (http://www.sexxxchurch.com/), uma iniciativa que mistura muita originalidade, uma boa dose de ousadia e alguma polêmica.

O site se propõe a socorrer almas perdidas no universo da pornografia, uma cadeia que a cada dia prende mais pessoas, inclusive crentes. Pelo menos um em cada dez evangélicos tem coragem de assumir problemas nesta área. Contudo, a quantidade deve ser bem maior, já que o receio dos efeitos negativos de uma confissão perante a família e a igreja faz com que muitos prefiram ocultar o desvio de comportamento.Mantido por uma equipe ligada à Igreja Projeto 242, uma comunidade evangélica que fica no centro da cidade de São Paulo, o SexxxChurch não foi feito para crentes, já que tinha uma proposta evangelística. Mas em pouco tempo percebeu-se que a demanda principal estava situada do lado oposto da trincheira. “A maioria dos e-mails que recebíamos eram de pessoas que se identificavam como cristãos, membros de igrejas ou líderes, e que tinham enormes problemas com o vício da pornografia”, relata João Mossadihj, 25 anos, conhecido como Jota, um dos idealizadores da página deste ministério evangélico nada ortodoxo.Em pouco tempo, a idéia transcendeu o ambiente virtual. Praticamente todo fim de semana, o grupo da 242 visita alguma igreja com o projeto Pornix, voltado a palestras sobre sexualidade e pornografia.

A procura pelo serviço é grande, o que demonstra a extensão do problema nos arraiais evangélicos. Mas o ministério também costuma evangelizar em regiões como a da Rua Augusta, no centro da capital paulista, conhecido reduto de prostíbulos. SexxxChurch também marca presença na Parada Gay, ostentando camisetas com dizeres como “Jesus ama os atores pornôs”. Numa demonstração prática do conselho de Paulo, que recomendou que os cristãos fizessem de tudo para, de alguma forma, ganhar alguns, a equipe já faz planos para alugar um estande na Erótika Fair, feira especializada do mercado erótico que acontece em outubro em São Paulo.

O evento é uma prova do gigantismo de um setor que movimenta cerca de 500 milhões de reais ao ano apenas no Brasil – no mundo, são 60 bilhões de dólares anuais (leia abaixo). “Vamos distribuir Bíblias estilizadas durante a feira”, planeja Jota.Mas é mesmo no mundo virtual que o SexxxChurch alcança números estratosféricos. Segundo Jota, são 600 mil acessos mensais e duzentos e-mails por dia. As mensagens são enviadas por gente nas mais diversas situações – algumas fazem confissões das mais indecorosas possíveis. No entanto, apenas 10% das mensagens são respondidas, contabiliza a psicóloga Sâmara Gabriela Baggio, 28, que acompanha boa parte desses casos. “Nós ouvimos e estabelecemos metas para a recuperação. Mas, para isso, é preciso que o viciado esteja realmente arrependido”, destaca a terapeuta. Para ela, não há limite seguro para o consumo de pornografia. “A partir do momento que uma pessoa entra em contato com isso, as imagens recebidas ou geradas na mente alimentam fantasias. Não demorará muito para que se tente colocar em prática tudo o que foi visto e fantasiado”, opina.

Dízimo e revistas pornô

O ministério direcionado a quem se sente escravo da pornografia foi inspirado no trabalho do pastor norte-americano Craig Gross, de 32 anos. Sua trajetória é semelhante à de boa parte das pessoas que ele decidiu ajudar. Craig era um jovem cristão que dividia seu dinheiro entre os dízimos e ofertas na igreja e as revistas pornográficas nas bancas.

Ordenado pela igreja East Side Christian, em Fullerton, na Califórnia, ele criou a XXXChurch em 2002. A diferença entre ele e muitos outros pastores que sacodem suas bíblias no ar, esbravejando contra toda forma de imoralidade, está justamente no seu modus operandi. Craig, que se autodenomina “pornopastor”, abomina as abordagens moralistas, que já prenunciaram a queda de populares televangelistas de seu país (leia abaixo). é amigo do americano Ron Jeremy Hyatt, que vem a ser o principal ator e diretor de filmes pornô do mundo, com quem divide as bancadas de auditórios e igrejas para debates muitas vezes acalorados.Alheio às críticas que costuma receber de muitos setores da Igreja Evangélica, sobretudo por conta de alguns conteúdos mais apimentados veiculados no site, Craig caminha com desenvoltura pelo submundo da pornografia. Dirige uma van estilizada com adesivos e adereços que lembram uma propaganda de site pornográfico.

O “Porn Mobile”, como é chamado o veículo, já gerou até tumulto ao ser estacionado em frente a uma igreja evangélica. “A pornografia está conduzindo muita gente a um beco sem saída”, costuma dizer em suas pregações.“Desde que conheci o trabalho de Craig Gross, fiquei empolgado e tentei contagiar o pessoal da igreja”, relata o pastor Sandro Ricardo Baggio, 40. Ministro ordenado pela Igreja do Evangelho Quadrangular, ele coordena o Projeto 242. Baggio animou-se com a possibilidade de falar sobre sexualidade na igreja, onde o tema normalmente é deixado de lado. “Já fazíamos isso em nossa comunidade local, mas não via ninguém falando sobre temas assim nas igrejas”, conta.

Dos planos à ação foi um pulo. No ambiente alternativo do Projeto 242 – uma congregação que reúne músicos, grafiteiros, designers e gente que faz da criatividade um veículo para a disseminação do Evangelho –, a idéia germinou rápido. “A curiosidade existe e faz parte do ser humano. Em algum momento da vida, toda pessoa se torna curiosa em relação ao sexo”, comenta Baggio. “Quando essa demanda não é atendida na família e na igreja, a informação acaba vindo de outros lugares. é aí que se abrem as portas à pornografia.” Ele conta que já aconselhou muitos casais crentes com problemas conjugais devido ao vício de um dos cônjuges, ou de ambos, em material pornográfico. “Alguns até se separaram”, lamenta.

Big Brother do bem

Um dos serviços disponibilizados aos usuários é um programa de computador chamado X3Watch, disponível para download gratuito. “é um software que possibilita a qualquer um – o cônjuge, o amigo ou até o pastor – fazer o cadastro de uma pessoa próxima, passando a receber um e-mail com um relatório mensal sobre os sites que foram acessados por ela”, explica o pastor. A idéia, que poderia até chocar muita gente, é uma espécie de Big Brother do bem, possibilitando um acompanhamento do viciado, ajudando-o a superar a dependência da pornografia. “Isso ajuda no processo de fuga dessa compulsão.

Um dos passos fundamentais do processo é justamente admitir a fraqueza”, comenta Baggio. Reconhecer o gosto pela pornografia é justamente o maior drama para quem freqüenta uma igreja evangélica. “Por não se falar sobre sexualidade, a igreja torna-se um lugar de intolerância. As pessoas preferem esconder suas dificuldades ao invés de procurar ajuda”, analisa o pastor.

De acordo com Sâmara, o perfil dos internautas que enviam perguntas e pedem ajuda é de jovens evangélicos, com idade de 15 a 30 anos. “São pessoas que alimentaram, desde muito tempo, o vício da masturbação e do envolvimento com material pornográfico como filmes, contos eróticos, revistas e sites pornôs”, explica.Quando a situação está fora de controle, é comum que a conversa saia do computador e vá para o divã. “A maioria dos casos atendidos gira em torno de lutas na esfera homossexual e da conduta cristã”, conta a psicóloga.

Ela diz ainda que muitas pessoas justificam suas ações e inclinações pela pornografia devido a problemas no passado – principalmente, episódios de abuso sexual infantil. “Mas é preciso deixar as justificativas de lado e caminhar na direção da libertação.” Para ela, os efeitos da pornografia são devastadores, com reflexos no ambiente de trabalho, na vida social e nos relacionamentos pessoais. “Nos casos mais graves, pode-se chegar a extremos, como a prática de crimes sexuais como a pedofilia”, alerta.

Drama brasileiro

Uma pesquisa realizada pela empresa de tecnologia Symantec, no inicio deste ano, investigou os hábitos de sete mil internautas em países como Alemanha, Austrália, China, Estados Unidos e Japão, além do Brasil. E os resultados foram preocupantes, sobretudo por aqui – é no Brasil que mais se acessa sites com conteúdo pornográfico. De acordo com o levantamento, 55% dos internautas brasileiros visitam regularmente ou pelo menos já acessaram páginas do gênero.

Além disso, o país está em terceiro no ranking de usuários que visitam sites de pornografia infantil e na vice-liderança quando o assunto é a produção de filmes pornô. Espécie de irmã gêmea da pornografia, a pedofilia é um drama da sociedade brasileira. A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia, presidida pelo senador Magno Malta, que é evangélico, tem ajudado a desbaratar quadrilhas que fazem exploração sexual de crianças. Em conjunto com a Operação Carrossel, da Polícia Federal, já foram identificados 200 suspeitos de pedofilia.

Nas páginas do Orkut, comunidade de relacionamento da internet, mais de três mil cadastros foram quebrados sob suspeita de abrigarem pedófilos.

Abalos no púlpito

Nos anos 1980, ele era considerado um paladino da moral e dos bons costumes. O pastor Jimmy Swaggart, um dos mais importantes televangelistas americanos, fazia de seus programas, transmitidos para mais de 40 países – inclusive o Brasil –, uma verdadeira trincheira na luta contra a carnalidade. Pregador eloqüente e carismático, Swaggart reunia famílias inteiras diante da TV e era crítico contundente da pornografia. Ironicamente, caiu justamente por causa dela, num episódio rumoroso envolvendo prostitutas e uma disputa pessoal com o também pregador televisivo Jim Bakker. Proprietário do canal de televisão PTL (Praise the Lord), com 12 milhões de telespectadores apenas nos Estados Unidos, Bakker acabou se tornando um rival de Swaggart. Tudo ruiu quando fotos suas, acompanhado de garotas de programa, chegaram à imprensa. Na época, atribuiu-se o vazamento das imagens a Swaggart.

O troco não demorou. Um detetive particular contratado por Bakker não teve muito trabalho para fotografar Swaggart diante de um motel, com o carro cheio de prostitutas. Sem saída, ele confessou que pagava para que elas fizessem strip-tease para ele. Perdoado pela mulher, Francis, ele foi à tevê, chorou e confessou-se arrependido pelo ato. Contudo, sua reputação e ministério foram irremediavelmente abalados.No fim de 2006, outro escândalo sexual abalou a Igreja Evangélica dos Estados Unidos.

Eleito pela revista Time como um dos 25 principais líderes cristãos do país, Ted Haggard admitiu consumir material pornográfico e o envolvimento sexual com um garoto de programa, que o denunciara publicamente. O caso provocou maior espanto porque Haggard era uma das principais vozes contra o homossexualismo. Quem recentemente também admitiu problemas com o chamado mercado de “conteúdo adulto” foi o pastor australiano Mike Guglielmucci, do ministério Hillsong. Ele confessou, após dois anos declarando-se vítima de um câncer terminal – chegou até mesmo cantar com o auxilio de um tubo de oxigênio –, que sua única doença era o vício em pornografia.

A farsa gerou um tremendo mal-estar no badalado grupo de louvor australiano. “Eu sou assim, viciado nesta coisa. Ela consome minha mente”, disse, em entrevista a um canal de tevê.

68 milhões de pessoas acessam sites pornográficos no mundo, todos os dias.
42% dos internautas freqüentam sites pornográficos e conteúdos relacionados.
500 milhões de reais são faturados por ano, no Brasil, com pornografia.
2,5 bilhões, é a quantidade de e-mails com conteúdo pornográfico enviados por dia.
60 bilhões de dólares anuais, é o que rende o mercado pornô em todo o mundo.

Lutero: O Antissemita

Ainda no começo da sua posição como teólogo e reformador Lutero até gostava dos judeus veja o que ele dizia sobre eles: “Os judeus são parentes de sangue do Senhor; se fosse apropriado vangloriar-se na carne e no sangue, os judeus pertencem mais a Cristo do que nós. Rogo, portanto, meu caro papista, que se te cansares de me vilipendiar como herético, que comeces a me injuriar como judeu”.

Entretanto, quando eles não se uniram a Lutero em suas críticas violentas à Igreja Romana, ele afirmou: “Todo sangue da mesma linhagem de Cristo queime no inferno, e eles com certeza merecem isso, de acordo com suas próprias palavras que falaram a Pilatos”.É importante ressaltar que o ódio alemão aos judeus não é o mesmo que o Nazista, embora o que o Nazismo fez pode muito bem ser a representação do que Lutero tinha recomendado cerca de 400 anos antes. O ódio de Lutero aos judeus se baseava na religião, ou seja, se um judeu que passasse a ser protestante não seria mais um alvo de Lutero, já o ódio Nazista matava todos os judeus possíveis (cristãos ou não).Embora não seja o único, o texto anti-judeu mais famoso de Lutero se denomina Sobre os Judeus e Suas Mentiras, ou Contra os Judeus e Suas Mentiras. Caso você tenha interesse em comprar, existe uma editora neonazista no Brasil (Editora Revisão de S.E. Castan) que ainda tenta publicar ele (embora seja proibida a circulação de livros dessa editora). Engraçado que o famoso Reformador possua hoje textos sendo publicados em uma editora Neonazista.

Eis aqui o famoso panfleto na integra:

SOBRE OS JUDEUS E SUAS MENTIRAS - Martinho Lutero

O que devem fazer os cristãos contra este povo rejeitado e condenado, os judeus? Já que eles vivem entre nós, não devemos ousar tolerar a sua conduta, agora que sabemos das suas mentiras e suas injúrias e suas blasfêmias. Se o fizermos, tornamo-nos participantes de suas mentiras, sua injúria e sua blasfêmia. Portanto não temos como apagar o inextinguível fogo da ira divina, da qual falam os profetas, e tampouco temos como converter os judeus. Com oração e temor de Deus devemos colocar em prática uma dura misericórdia, para ver se conseguimos salvar pelo menos alguns deles dentre as chamas crescentes. Não ousamos vingar a nós mesmos. Vingança mil vezes pior do que qualquer uma que poderíamos desejar já os toma pela garganta.

Quero dar-lhes minha sincera recomendação: Em primeiro lugar, queimem-se suas sinagogas e suas escolas, e cubra-se com terra o que recusar-se a queimar, de modo que homem algum torne a ver deles uma pedra ou cinza que seja. Isso deve ser feito em honra de nosso Senhor e da Cristandade, de modo que Deus veja que somos cristãos, e não fazemos vista grossa ou deliberadamente toleramos tais mentiras, maldições e blasfêmias públicas tendo como alvo seu Filho e seus cristãos. Pois o que quer que tenhamos tolerado inadvertidamente no passado – e eu mesmo estive ignorante dessas coisas – será perdoado por Deus.

Mas se nós, agora que estamos informados, protegermos e acobertarmos essa casa de judeus, deixando-a existir debaixo do nosso nariz, na qual eles mentem, blasfemam, amaldiçoam, vilipendiam e insultam a Cristo e a nós, seria o mesmo que se estivéssemos fazendo tudo isso e muito mais nós mesmos, como bem sabemos.Em segundo lugar, recomendo que suas casas sejam também arrasadas e destruídas. Pois nelas eles perseguem os mesmos objetivos que em suas sinagogas. Eles devem ao invés disso ser alojados debaixo de um único teto ou pavilhão, como ciganos. Isso fará com que eles aprendam que não são senhores no nosso país, da forma como se vangloriam, mas que vivem em exílio e no cativeiro, da forma como gemem e lamentam incessantemente a nosso respeito diante de Deus.

Terceiro, recomendo que todos os seus livros de oração e obras talmúdicas, nos quais são ensinadas tais idolatrias, mentiras, maldições e blasfêmia, sejam tirados deles.Quarto, recomendo que seus rabis sejam de agora em diante proibidos de ensinar, sob pena de morte ou da amputação de algum membro. Pois eles perderam da forma mais justa o direito a tal posição ao manterem os judeus cativos com a declaração de Moisés (em Deuteronômio 17.10ss.) na qual ele ordena que obedeçam os seus mestres sob pena de morte, embora Moisés acrescente claramente: “o que eles ensinam segundo a lei do Senhor”. Esses desprezíveis ignoram isso. Eles arbitrariamente empregam a obediência do pobre povo de forma contrária à lei do Senhor, infundindo neles esse veneno, essa maldizer, essa blasfêmia.

Do mesmo modo o papa nos manteve cativos com a declaração de Mateus 16, “Tu és Pedro,” etc, induzindo-nos a crer em todas as mentiras e falsidades que provinham de sua mente diabólica. Ele não ensinava em conformidade com a palavra de Deus, e perdeu, portanto seu direito a ensinar. Quando um judeu se converter, serão dados a ele cem, duzentos ou trezentos florins.Quinto, recomendo que o salvo-conduto para o livre-trânsito nas estradas seja completamente negado para os judeus. Eles não tem o que fazer no campo, visto que não são proprietários de terras, oficiais do governo, mercadores ou coisa semelhante. Que fiquem em suas casas.Sexto, recomendo que sejam proibidos de emprestar a juros, e que todo o dinheiro e peças de ouro e prata sejam tomados deles e colocados sob custódia.

O motivo de tal medida é que, como foi dito, eles não possuem qualquer outro modo de ganhar a vida que não seja emprestar a juros, e através da usura furtaram e roubaram de nós tudo que possuem. Esse dinheiro deveria ser agora usado para nenhum outro fim que não o seguinte: quando acontecer de um judeu se converter, serão dados a ele cem, duzentos ou trezentos florins, da forma como sugerirem suas circunstâncias pessoais. Com isso ele poderá estabelecer-se em alguma ocupação de modo a sustentar sua pobre mulher e filhos e dar suporte aos velhos e fracos. Pois tais ganhos malignos são amaldiçoados se não colocados em uso com a benção de Deus numa causa digna e justa. Sétimo, recomendo que se coloque um malho, um machado, uma enxada, uma pá, um ancinho ou um fuso nas mãos dos jovens judeus e judias, e deixe-se que eles ganhem o seu pão com o suor do seu rosto, como foi imposto sobre os filhos de Adão (Gênesis 3:19).

Pois não é justo que eles deixem que nós, os gentios malditos, labutemos debaixo do nosso suor enquanto eles, o povo santo, gastam o seu tempo atrás do fogareiro, banqueteando-se e peidando, e acima de tudo isso vangloriando-se blasfemamente do seu senhorio sobre os cristãos através do nosso suor. Martinho Lutero, Sobre os Judeus e Suas Mentiras, 1543

Em um outro texto Shem Hamphoras (um tratado contra os judeus) Lutero rapidamente reproduz a lenda judaica e a ataca todo o resto do livro. Nesse tratado ele faz a seguinte referência ao panfleto Sobre os Judeus e Suas Mentiras:“Eis porque não dei àquele panfleto o nome de Contra os Judeus, mas Contra os Judeus e Suas Mentiras, para que os alemães possam conhecer através da evidência histórica o que é um judeu, de modo a poderem alertar nossos cristãos contra eles da mesma forma que os alertamos contra o próprio Diabo, a fim de fortalecermos e honrarmos nossa crença; não para converter os judeus, o que seria quase tão impossível quanto converter o Diabo.” — Martinho Lutero, em ‘Shem Hamphoras’.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

A vitória da moralidade sobre nossos filhos.

“As pessoas estão desatualizadas. Sexo está na boca de todo mundo, como bala na boca de criança”. Lúcia Berta, de 84 anos, protagonista do comercial, a avó.

Foi retirado do ar o comercial das Havaianas em que uma velha pervertida sugere que a neta faça sexo com Cauã Reymond. A “censura” aconteceu depois de várias reclamações de telespectadores e da abertura de um processo no Conar, conselho que regulamenta a publicidade, contra a propaganda.

Uma surpresa para Lúcia Berta, de 84 anos (pasmem! 84 anos e sem vergonha), que ficou famosa com o comercial e declara “As pessoas estão desatualizadas. Sexo está na boca de todo mundo, como bala na boca de criança”.

Segundo, Marcello Serpa, diretor geral de criação da ALMAPBBDO “A propaganda tem que atingir a todos. Muita gente elogiou, mas como teve gente que não gostou, retiramos do ar”.

À partir do exposto acima, gostaria de ressaltar alguns pontos em favor dos que concordam com essa afirmação:
1° Se o “Sexo está na boca de todo mundo, como bala na boca de criança”. Então, toda essa sociedade hipócrita e pervertida deve imediatamente exigir um plebiscito para que seja considerado crime ou não o ato de pedofilia.

2° Se o “Sexo está na boca de todo mundo, como bala na boca de criança”. Então, é dever de todos os pais, iniciarem seus filhos na vida sexual, a partir das primeiras palavras que o seu bebê comece a balbuciar, ou seja, paralelamente com as palavras papai e mamãe, deve-se introduzir no vocabulário dos infantes palavras como: sexo, vagina, pênis, orgasmo, etc.

3º Se o “Sexo está na boca de todo mundo, como bala na boca de criança”. Então, é dever dos pais, atualizarem (como diz essa senhora pervertida) seus roteiros de atividades infantis, além de parques de diversões, praias, florestas, museus, teatros, cinemas, acrescentem o Sex Shop, assim suas crianças saberão, já na infância, manipular bem os produtos eróticos.

4º Se o “Sexo está na boca de todo mundo, como bala na boca de criança”. Toda essa sociedade “doente” deve exigir o fim da classificação da censura por faixa etária e horária em todos os meios de comunicação. Pois, se as crianças já têm maturidade para lidar com o sexo desde cedo é inaceitável uma censura, dado o nível elevado de maturidade infantil já alcançado.

Por último, gostaria de ressaltar alguns pontos em favor dos que não concordam com a afirmação de que "As pessoas estão desatualizadas. Sexo está na boca de todo mundo, como bala na boca de criança”.

1º Não se calem jamais, pois, a estratégia dessa mídia “imoral e maligna” é nos vencer pelo cansaço e pela acomodação.

2º Não sejamos cúmplices, pois, nossos filhos, infelizmente, terão que ser lançados no meio dessas “feras”, e é dever nosso, fazer com que eles não se contaminem, mas sejam imitadores de Cristo, ainda que ninguém lhes de atenção.

3º Não sejamos tolos, pois, somente quem tem boas coisas guardadas pode dar bons conselhos aos seus filhos. Em geral, pais e mães que não têm compromisso com o Senhor Jesus, ainda que tentem, não conseguirão instruir seus filhos no caminho de Deus. E sempre, serão contaminados com as sutilezas do Inferno, ou seja, uma propaganda que para muitos pode parecer moderna, avançada, engraçada, não passa na verdade de uma aula do diabo para transformar nossos filhos e filhas e até mesmo as crianças, conforme afirmou a protagonista do comercial, em seres depravados.

4° E que, nenhum de nós se engane, pois Deus pedirá conta aos ímpios, que trabalham junto com o Inferno para tragar nossas crianças e adolescentes. Contudo, principalmente de nós que somos seus filhos.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

A Bíblia: Sua Origem e Formação

O termo Bíblia tem origem no grego "Biblos" e somente foi usado a partir do ano 200 d.C. pelos cristãos. É um livro singular, inspirado por Deus, diversos Escribas, Sacerdotes, Reis, Profetas e Poetas (2Tm 3.16; 2Pe 1.20,21) a escreveram, num período aproximado de 1.500 anos, foram mais de 40 pessoas e notadamente vê-se a mão de Deus na sua unidade. Estes textos foram copiados e recopiados de geração para geração em diversos idiomas, tais como Hebraico, Aramaico e Grego, até chegar a nós.

Verificou-se através do Método Textual, que 99% dos textos mantêm-se fiel aos originais. É certamente uma obra divina, levando em consideração os milhares de anos entre a escrita e nossos dias. As partes mais antigas das Escrituras encontradas são um pergaminho de Isaías em Hebraico do segundo século a.C., descoberto em 1947 nas cavernas do Mar Morto e um pequeno papiro contendo parte do Livro de João 18.31-33,37,38 datados do segundo século d.C.
Divisão em Capítulos. A Bíblia em sua forma original é desprovida das divisões de capítulos e versículos. Para facilitar sua leitura e localização de "citações" o Prof. Stephen Langton, no ano de 1227 d.C. a dividiu em capítulos.

Divisão em Versículos. Até o ano de 1551 d.C. não existia a divisão denominada versículo. Neste ano o Sr. Robert Stephanus chegou a conclusão da necessidade de uma subdivisão e agrupou os texto em versículos.

Até a invenção da gráfica por Gutenberg, a Bíblia era um livro extremamente raro e caro, pois eram todos feitos artesanalmente (manuscritos) e poucos tinham acesso às Escrituras. Os povos de língua portuguesa só começaram a ter acesso à Bíblia de uma forma mais econômica a partir do ano de 1748 d.C., quando foi impressa a primeira Bíblia em português, uma tradução feita a partir da "Vulgata Latina".

A Bíblia é composta de 66 livros, 1.189 capítulos, 31.173 versículos, mais de 773.000 palavras e aproximadamente 3.600.000 letras. Gasta-se em média 50 horas (38 VT e 12 NT) para lê-la ininterruptamente ou pode-se lê-la em um ano seguindo estas orientações: 3,5 capítulos diariamente ou 23 por semana ou ainda, 100 por mês em média.

Encontra-se traduzida em mais de 2.400 línguas e dialetos. Há uma estimativa que já foi comercializado no planeta milhões de exemplares entre a versão integral e o NT. Mais de 500 milhões de livros isolados já foram comercializados. Afirmam ainda que a cada minuto 50 Bíblias são vendidas, perfazendo um total diário de aproximadamente 72 mil exemplares!

Encontra-se nas livrarias com facilidade as seguintes versões em português. (1) Revista e Corrigida, (2) Revista e Atualizada, (3) Contemporânea, (4) Nova Tradução na Linguagem de Hoje, (5) Viva, (6) Jerusalém, (7) NVI - Nova Versão Internacional, (8) Revisada e Corrigida - FIEL.

No segundo domingo de Dezembro, comemora-se o Dia Nacional da Bíblia, aprovado pelo Congresso Nacional.

Materiais em que foram escritos os textos bíblicos.

A Palavra de Deus foi escrita em diversos materiais, vejamos os principais. Pedra. Inscrições encontradas no Egito e Babilônia datados de 850 a.C. Argila e Cerâmica. Milhares de tabletes encontrados na Ásia e Babilônia. Madeira. Usada por muitos séculos pelos gregos. Couro. O AT possivelmente foi escrito em couro. Os rolos tinham entre 26 a 70 cm de altura. Papiro. O NT provavelmente foi escrito sobre este material, feito de fibras vegetais prensadas. Velino ou Pergaminho. Velino era preparado originalmente com a pele de bezerro ou antílope, enquanto o pergaminho era de pele de ovelhas e cabras. Quase todos os manuscritos conhecidos são em velino, largamente usado há centenas de anos antes de Cristo. Papel. Forma amplamente utilizada hoje.

Inegavelmente o Senhor Deus queria que sua Palavra se perpetuasse pelos séculos e providenciou meio para isto acontecesse. É um fato que evidencia a sua credibilidade como Livro inspirado pelo Espírito Santo. Mas conhecer dados históricos não o aproxima do Senhor e tão pouco abre seus ouvidos para a voz do Espírito que revela a Palavra. Isto apenas enriquece-nos intelectualmente e é dispensável. O que realmente precisamos é estarmos aptos para ouvir o Espírito que flui através das páginas do Livro Sagrado e isto só acontece quando nos colocamos em santidade e abertos para o santo mover.

A palavra grega Bíblia, em plural, deriva do grego bíblos ou bíblion (βίβλιον) que significa "rolo" ou "livro". Bíblion, no caso nominativo plural, assume a forma bíblia, significando "livros". No latim medieval, biblìa é usado como uma palavra singular — uma colecção de livros ou "a Bíblia". Foi São Jerónimo, tradutor da Vulgata Latina, que chamou pela primeira vez ao conjunto dos livros do Antigo Testamento e Novo Testamento de "Biblioteca Divina". A Bíblia é uma coleção de livros catalogados, considerados como divinamente inspirados pelas três grandes religiões dos filhos de Abraão, que são o Cristianismo, o Judaismo e o Islamismo. São, por isso, conhecidas como as "religiões do Livro". É sinónimo de "Escrituras Sagradas" e "Palavra de Deus".

Os livros bíblicos considerados canônicos pelas igrejas cristãs são ao todo 66 livros, sendo 39 livros no Antigo Testamento e 27 livros no Novo Testamento. A Bíblia Católica contém 7 livros a mais no Antigo Testamento do que outras traduções bíblicas usadas pelas religiões cristãs não-católicas e pelo Judaísmo. Esses livros são chamados pela Igreja Católica de deuterocanónicos ou livros do "segundo Cânon". A lista dos livros deuterocanónicos é a seguinte. Tobias, Judite, I Macabeus, II Macabeus, Sabedoria, Eclesiástico (Ben Sira ou Sirácida) e Baruque. Além disso, ela possui alguns trechos a mais em alguns livros protocanônicos (ou livros do "primeiro Cânon") de Ester e Daniel. Outras denominações religiosas consideraram estes livros deuterocanônicos como apócrifos, ou seja, livros ou escritos que carecem de inspiração divina, reconhecendo, porém, o valor histórico dos livros dos Macabeus.

A Bíblia é um livro muito antigo

Ela é o resultado de longa experiência religiosa do povo de Israel. É o registro de várias pessoas, em diversos lugares, em contextos diversos. Acredita-se que tenha sido escrita ao longo de um período de 1600 anos por cerca de 40 homens das mais diversas profissões, origens culturais e classes sociais.

Os cristãos acreditam que estes homens escreveram a Bíblia inspirados por Deus e por isso consideram a Bíblia como a Escritura Sagrada. No entanto, nem todos os seguidores da Bíblia a interpretam de forma literal, e muitos consideram que muitos dos textos da Bíblia são metafóricos ou que são textos datados que faziam sentido no tempo em que foram escritos, mas foram perdendo seu sentido dentro do contexto da atualidade.

Para o cristianismo tradicional, a Bíblia é a Palavra de Deus, portanto ela é mais do que apenas um bom livro, é a vontade de Deus escrita para a humanidade. Para esses cristãos, nela se encontram, acima de tudo, as respostas para os problemas da humanidade e a base para princípios e normas de moral.

Os agnósticos vêem a Bíblia como um livro comum, com importância histórica e que reflete a cultura do povo que os escreveu. Os não crentes recusam qualquer origem Divina para a Bíblia e a consideram como de pouca ou de nenhuma importância na vida moderna, ainda que na generalidade se reconheça a sua importância na formação da civilização ocidental (apesar de a Bíblia ter origem no Médio Oriente).

A comunidade científica tem defendido a Bíblia como um importante documento histórico, narrado na perspectiva de um povo e na sua fé religiosa. Muito da sua narrativa foi de máxima importância para a investigação e descobertas arqueológicas dos últimos séculos. Mas os dados existentes são permanentemente cruzados com outros documentos contemporâneos, uma vez que, a história religiosa do povo de Israel singra em função da soberania de seu povo que se diz o "escolhido" de Deus e, inclusive, manifesta essa atitude nos seus registros.

Independente da perspectiva que um determinado grupo tem da Bíblia, o que mais chama a atenção neste livro é a sua influência em toda história da sociedade ocidental e mesmo mundial, face ao entendimento dela nações nasceram (Estados Unidos da América etc.), povos foram destruídos (Incas, Maias, etc), o calendário foi alterado (Calendário Gregoriano), entre outros fatos que ainda nos dias de hoje alteram e formatam nosso tempo. Sendo também o livro mais lido, mais pesquisado e mais publicado em toda história da humanidade, boa parte das línguas e dialetos existentes já foram alcançados por suas traduções. Por sua inegável influência no mundo ocidental, cada grupo religioso oferece a sua interpretação, muitas vezes, sem a utilização da Hermenêutica.

Os idiomas originais

Foram utilizados três idiomas diferentes na escrita dos diversos livros da Bíblia. o hebraico, o grego e o aramaico. Em hebraico consonantal foi escrito todo o Antigo Testamento, com excepção dos livros chamados deuterocanónicos, e de alguns capítulos do livro de Daniel, que foram redigidos em aramaico. Em grego comum, além dos já referidos livros deuterocanónicos do Antigo Testamento, foram escritos praticamente todos os livros do Novo Testamento. Segundo a tradição cristã, o Evangelho de Mateus teria sido primeiramente escrito em hebraico, visto que a forma de escrever visava alcançar os judeus.

O hebraico utilizado na Bíblia não é todo igual

Encontramos em alguns livros o hebraico clássico (por ex. livros de Samuel e Reis), em outros um hebraico mais rudimentar e em outros ainda, nomeadamente os últimos a serem escritos, um hebraico elaborado, com termos novos e influência de outras línguas circunvizinhas. O grego do Novo Testamento, apesar das diferenças de estilo entre os livros, corresponde ao chamado grego koiné (isto é, o grego "comum" ou "vulgar", por oposição ao grego clássico), o segundo idioma mais falado no Império Romano.

Inspirada por Deus

O apóstolo Paulo afirma que "toda a Escritura é inspirada por Deus" [literalmente, "soprada por Deus", que é a tradução da palavra grega θεοπνευστος, theopneustos] (2 Timóteo 3.16). Na ocasião, os livros que hoje compõem a Bíblia não estavam todos escritos e a Bíblia não havia sido compilada, entretanto muitos cristãos crêem que Paulo se referia à Bíblia que seria posteriormente canonizada. O apóstolo Pedro diz que "nenhuma profecia foi proferida pela vontade dos homens. Inspirados pelo Espírito Santo é que homens falaram em nome de Deus." (2 Pedro 1.21) Veja também os artigos Cânon Bíblico e Apócrifos.

Os cristãos crêem que a Bíblia foi escrita por homens sob Inspiração Divina, mas essa afirmação é considerada subjetiva na perspectiva de uma pessoa não-cristã ou não-religiosa. A interpretação dos textos bíblicos, ainda que usando o mesmo Texto-Padrão, varia de religião para religião. Verifica-se que a compreensão e entendimento a respeito de alguns assuntos pode variar de teólogo para teólogo, e mesmo de um crente para outro dependendo do idealismo e da filosofia religiosa defendida, entretanto, quanto aos fatos e às narrações históricas, existe uma unidade.

A fé dos leitores religiosos da Bíblia baseia-se na premissa de que "Deus está na Bíblia e Ele não fica em silêncio", como declara repetidamente o renomeado teólogo presbiteriano e filósofo, o Pastor Francis Schaeffer, dando a entender que a Bíblia constitui uma carta de Deus para os homens. Para os cristãos, o Espírito Santo de Deus atuou de uma forma única e sobrenatural sobre os escritores. Seguindo este raciocínio, Deus é o verdadeiro autor da bíblia, e não os seus escritores, por si mesmos. Segundo este pensamento Deus usou as suas personalidades e talentos individuais, para registrar por escrito os seus pensamentos e a revelação progressiva dos seus propósitos em suas palavras. Para os crentes, a sua postura diante da Bíblia determinará o seu destino eterno.

A interpretação bíblica

Diferente das várias mitologias, os assuntos narrados na Bíblia são geralmente ligados a datas, a personagens ou a acontecimentos históricos (de fato, vários cientistas têm reconhecido a existência de personagens e locais narrados na Bíblia, que até há poucos anos eram desconhecidos ou considerados fictícios), apesar de não confirmarem os fatos nela narrados, por outro lado, comprovando que aconteceram de alguma forma.

Os judeus acreditam que todo o Velho Testamento foi inspirado por Deus e, por isso, constitui não apenas parte da Palavra Divina, mas a própria palavra. Os cristãos, por sua vez, incorporam também a tal entendimento os livros do Novo Testamento. Os ateus e agnósticos possuem concepção inteiramente diferente, descrendo por completo dos ensinamentos religiosos. Tal descrença ocorre face ao entendimento de que existem personagens cuja real existência e/ou atos praticados são por eles considerados fantásticos ou exagerados, tais como os relatos de Adão e Eva, da narrativa da sociedade humana ante-diluviana, da Arca de Noé, o Dilúvio, Jonas engolido por um "grande peixe", etc. Os ateus não crêem na existência de Deus algum, portanto para eles qualquer ensinamento religioso, venha da Bíblia ou do Alcorão é falso, desnecessário e até mesmo prejudicial.

A hermenêutica

Uma ciência que trata da interpretação dos textos, tem sido utilizada pelos teólogos para se conseguir entender os textos bíblicos. Entre as regras principais desta ciência encontramos. 1.A Bíblia - coleção de livros religiosos - se interpreta por si mesma, revelando toda ela uma doutrina interna; 2.O texto deve ser interpretado no seu contexto e nunca isoladamente; 3.Deve-se buscar a intenção do escritor, e não interpretar a intenção do autor; 4.A análise do idioma original (hebraico, aramaico, grego comum) é importante para se captar o melhor sentido do termo ou as suas possíveis variantes; 5.O intérprete jamais pode esquecer os fatos históricos relacionados com o texto ou contexto, bem como as contribuições dadas pela geografia, geologia, arqueologia, antropologia, cronologia, biologia...

Sua estrutura interna

A Bíblia é um conjunto de pequenos livros ou uma biblioteca. Foi escrita ao longo de um período de cerca de 1600 anos por 40 homens das mais diversas profissões, origens culturais e classes sociais, segundo a tradição judaico cristã. No entanto, exegetas cristãos divergem sobre a autoria e a datação das obras.

Origem do termo "Testamento"

Este vocábulo não se encontra na Bíblia como designação de uma de suas partes. A palavra portuguesa "testamento" corresponde à palavra hebraica berith (que significa aliança, pacto, contrato), e designa a aliança que Deus fez com o povo de Israel no Monte Sinai, tal como descrito no livro de Êxodo (Êxodo 24.1-8 e Êxodo 34.10-28). Tendo sido esta aliança quebrada pela infidelidade do povo, Deus prometeu uma nova aliança (Jeremias 31.31-34) que deveria ser ratificada com o sangue de Cristo (Mateus 26.28). Os escritores neotestamentários denominam a primeira aliança de antiga (Hebreus 8.13), em contraposição à nova (2 Coríntios 3.6-14). Os tradutores da Septuaginta traduziram berith para diatheke, embora não haja perfeita correspondência entre as palavras, já que berith designa "aliança" (compromisso bilateral) e diatheke tem o sentido de "última disposição dos próprios bens", "testamento" (compromisso unilateral). As respectivas expressões "antiga aliança" e "nova aliança" passaram a designar a coleção dos escritos que contém os documentos respectivamente da primeira e da segunda aliança. O termo testamento veio até nós através do latim quando a primeira versão latina do Velho Testamento grego traduziu diatheke por testamentum. São Jerônimo, revisando esta versão latina, manteve a palavra testamentum, equivalendo ao hebraico berith — aliança, concerto, quando a palavra não tinha essa significação no grego. Afirmam alguns pesquisadores que a palavra grega para "contrato", "aliança" deveria ser suntheke, por traduzir melhor o hebraico berith. As denominações "Antigo Testamento" e "Novo Testamento", para as duas coleções dos livros sagrados, começaram a ser usadas no final do século II, quando os evangelhos e outros escritos apostólicos foram considerados como parte do cânon sagrado.

Livros do Antigo Testamento

O Antigo Testamento é composto de 46 livros. 39 conhecidos como protocanônicos e 7 conhecidos como deuterocanônicos. Os livros deuterocanônicos fazem parte apenas da Bíblia Católica, não sendo incluídos na Bíblia Protestante ou na Tanakh judaica.

Livros Protocanônicos

Pentateuco. Gênesis - Êxodo - Levítico - Números – Deuteronômio. Históricos. Josué - Juízes - Rute - I Samuel - II Samuel - I Reis - II Reis - I Crônicas - II Crônicas - Esdras - Neemias – Ester. Poéticos e Sapienciais. Jó - Salmos - Provérbios - Eclesiastes (ou Coélet) - Cântico dos Cânticos de Salomão. Proféticos. Profetas Maiores. A designação “Maiores” não se trata porém da relevância histórica destes personagens na história de Israel, mas tão somente ao tamanho de seus livros, maiores se comparados aos livros dos Profetas “Menores”. Isaías - Jeremias - Lamentações de Jeremias - Ezequiel – Daniel. Profetas Menores. Como referido acima, a designação “Menores” não se trata da relevância histórica destes personagens na história de Israel, mas tão somente ao tamanho de seus livros. Oséias - Joel - Amós - Obadias - Jonas - Miquéias - Naum - Habacuque - Sofonias - Ageu - Zacarias – Malaquias.

Livros Deuterocanônicos

Tobias - Judite - I Macabeus - II Macabeus - Baruque - Sabedoria - Eclesiástico (ou Ben Sira) - e alguns acréscimos ao texto dos livros Protocanônicos. Adições em Ester (Ester 10.4 a 11.1 ou a 16.24) e Adições em Daniel (Daniel 3.24-90; Cap. 13 e 14). Os livros deuterocanônicos (ou apócrifos) foram, supostamente, escritos entre Malaquias e Mateus, numa época em que segundo o historiador judeu Flávio Josefo, a Revelação Divina havia cessado porque a sucessão dos profetas era inexistente ou imprecisa. O parecer de Josefo não é aceito pelos cristãos católicos e ortodoxos, porque Jesus afirma que durou até João Batista (cf. Lucas 16.16; Mateus 11.13). No período entre o século III e o século I a.C. ocorre a Diáspora judaica helenística, numa época em que os judeus já estavam, em partes, dispersos pelo mundo. Uma colônia judaica destaca-se esta se localiza em Alexandria no Egito, onde se falava muito a língua grega. A Bíblia foi então traduzida do hebraico para o grego. Alguns escritos recentes foram-lhe acrescentados sem que os judeus de Jerusalém os reconhecessem como inspirados. Somente no final do século I d.C. foi fixado o cânon (=medida) hebraico, portanto numa época em que a diferenciação entre judaísmo e cristianismo já era bem acentuada. E os escritos acrescentados não foram aceitos no cânon hebraico. Quando Jerônimo traduziu a Bíblia para o latim (a famosa Vulgata), no início do Século V, incluiu os deuterocanônicos, e a Igreja Católica admitiu-os como inspirados da mesma forma que os outros livros. No século XVI, com o surgimento da Reforma Protestante, é novamente colocada em dúvida a canonicidade dos deuterocanônicos pelo fato de não fazerem parte da Bíblia hebraica primitiva. No Concílio de Trento, em 8 de abril de 1546, no Decretum de libris sacris et de traditionibus recipiendis (DH 1501), a Igreja Católica novamente os confirmou como partes integrantes da Bíblia Católica, mas desde então foram considerados apócrifos no Protestantismo e no século XVII deixaram de fazer parte das Bíblias protestantes.

Livros do Novo Testamento

O Novo Testamento é composto de 27 livros. Evangelhos. Mateus, Marcos, Lucas e João. Livro Histórico. Atos dos Apóstolos (abrev. Atos). Cartas Paulinas. Romanos - I Coríntios - II Coríntios - Gálatas - Efésios - Filipenses - Colossenses - I Tessalonicenses - II Tessalonicenses - I Timóteo - II Timóteo - Tito – Filemom. Cartas Gerais. Hebreus - Tiago - I Pedro - II Pedro - I João - II João - III João – Judas. Livro profético. Apocalipse.

Versões e traduções bíblicas

Livro do Gênesis, Bíblia em Tamil de 1723. Apesar da antiguidade dos livros bíblicos, os manuscritos mais antigos que possuímos datam a maior parte do III e IV Século d.C.. Tais manuscritos são o resultado do trabalho de copistas (escribas) que, durante séculos, foram fazendo cópias dos textos, de modo a serem transmitidos às gerações seguintes. Transmitido por um trabalho desta natureza o texto bíblico, como é óbvio, está sujeito a erros e modificações, involuntários ou voluntários, dos copistas, o que se traduz na coexistência, para um mesmo trecho bíblico, de várias versões que, embora não afectem grandemente o conteúdo, suscitam diversas leituras e interpretações dum mesmo texto. O trabalho desenvolvido por especialistas que se dedicam a comparar as diversas versões e a selecioná-las, denomina-se Crítica Textual. E o resultado de seu trabalho são os Textos-Padrão. A grande fonte hebraica para o Antigo Testamento é o chamado Texto Massorético. Trata-se do texto hebraico fixado ao longo dos séculos por escolas de copistas, chamados Massoretas, que tinham como particularidade um escrúpulo rigoroso na fidelidade da cópia ao original. O trabalho dos massoretas, de cópia e também de vocalização do texto hebraico (que não tem vogais, e que, por esse motivo, ao tornar-se língua morta, necessitou de as indicar por meio de sinais), prolongou-se até ao Século VIII d.C.. Pela grande seriedade deste trabalho, e por ter sido feito ao longo de séculos, o Texto Massorético (sigla TM) é considerado a fonte mais autorizada para o texto hebraico bíblico original.

No entanto, outras versões do Antigo Testamento têm importância, e permitem suprir as deficiências do Texto Massorético. É o caso do Pentateuco Samaritano (os samaritanos eram uma comunidade étnica e religiosa separada dos judeus, que tinham culto e templo próprios, e que só aceitavam como livros sagrados os do Pentateuco), e principalmente a Septuaginta Grega (sigla LXX).

A Versão dos Setenta ou Septuaginta Grega

Designa a tradução grega do Antigo Testamento, elaborada entre os séculos IV e II a.C., feita em Alexandria, no Egipto. O seu nome deve-se à lenda que referia ter sido essa tradução um resultado milagroso do trabalho de 70 eruditos judeus, e que pretende exprimir que não só o texto, mas também a tradução, fora inspirada por Deus. A Septuaginta Grega é a mais antiga versão do Antigo Testamento que conhecemos. A sua grande importância provém também do facto de ter sido essa a versão da Bíblia utilizada entre os cristãos, desde o início, e a que é citada na grande parte do Novo Testamento.

Da Septuaginta Grega fazem parte, além da Bíblia Hebraica, os Livros Deuterocanônicos (aceitos como canônicos apenas pela Igreja Católica), e alguns escritos apócrifos (não aceitos como inspirados por Deus por nenhuma das religiões cristãs ocidentais).

Encontram-se 4 mil manuscritos em grego do Novo Testamento, que apresentam variantes. Diferentemente do Antigo Testamento, não há para o Novo Testamento uma versão a que se possa chamar, por assim dizer, normativa. Há contudo alguns manuscritos mais importantes, pelas sua antiguidade ou credibilidade, e que são o alicerce da Crítica Textual.

Uma outra versão com importância é a chamada Vulgata Latina, ou seja, a tradução latim por São Jerónimo, em 404 d.C., e que foi utilizada durante muitos séculos pelas Igrejas Cristãs do Ocidente como a versão bíblica autorizada.

De acordo com o Scripture Language Report, a Bíblia já foi traduzida para 2.403 línguas diferentes, sendo o livro mais traduzido do mundo.

Uma cópia da Bíblia de Gutenberg é propriedade do Congresso norte-americano.

A Bíblia em Português

Os primeiros registros da tradução de trechos da Bíblia para o português remontam ao final do século XIII, por Dom Dinis. Mas a primeira Bíblia completa em língua portuguesa foi publicada somente em 1753, na tradução de João Ferreira de Almeida (1628-1691), que apesar de muitos não o saberem, não era pastor ou padre.

O missionário e tradutor João Ferreira de Almeida foi o principal tradutor da Bíblia para a língua portuguesa. Ele já conhecia a Vulgata, já que seu tio era padre. Após converter-se ao protestantismo aos 14 anos, Almeida partiu para a Batávia. Aos 16 anos traduziu um resumo dos evangelhos do espanhol para o português, que nunca chegou a ser publicado. Em Malaca traduziu partes do Novo Testamento também do espanhol.

Aos 17, traduziu o Novo Testamento do Latim, da versão de Theodore Beza, além de ter se apoiado nas versões italiana, francesa e espanhola.

Aos 35 anos, iniciou a tradução diretamente dos originais, embora seja um mistério como ele aprendeu os idiomas originais. É certo que ele usou como base o Texto Massorético para o Antigo Testamento, o Textus Receptus, editado em 1633 pelos irmãos Elzevir, e alguma tradução da época, como a Reina-Valera. A tradução do Novo Testamento ficou pronta em 1676.

O texto foi enviado para a Holanda para revisão. O processo de revisão durou 5 anos, sendo publicado em 1681, e teve mais de mil erros. A razão é que os revisores holandeses queriam harmonizar a tradução com a versão holandesa publicada em 1637. A Companhia das Índias Orientais ordenou que se recolhesse e destruísse os exemplares defeituosos. Os que foram salvos foram corrigidos e utilizados em igrejas protestantes no Oriente, sendo que um deles está exposto no Museu Britânico. Após sua morte foram detectados 1.119 erros de tradução.

Traduções no Brasil

A primeira tradução realizada no Brasil foi feita pelo bispo Joaquim de Nossa Senhora de Nazaré. Era um Novo Testamento traduzido a partir da Vulgata. No prefácio, havia acusações contra os protestantes, chamando suas versões da Bíblia de "falsificadas". Foi publicada em São Luís, no Maranhão, em 1847, sendo impressa em Portugal em 1875.

Em 1879, a Sociedade de Literatura Religiosa e Moral publica uma revisão do Novo Testamento de Almeida. Foi revisada por José Manoel Garcia, pelo pastor M. P. B. de Carvalhosa e pelo pastor Alexandre Latimer Blackford.

O imperador D. Pedro II era um profundo admirador da cultura judaica. Após aprender o Hebraico, que era a sua língua favorita, traduziu partes da Bíblia, como o livro de Neemias, além de partes do Velho Testamento para o Latim.

F. R. dos Santos Saraiva, autor de um dicionário latino-português, traduziu os Salmos, com o título de Harpa de Israel, em 1898.

Duarte Leopoldo e Silva traduziu e publicou os Evangelhos em forma de harmonia. O Colégio da Imaculada Conceição, Botafogo, Rio de Janeiro, publicou uma tradução dos Evangelhos e Atos, do Francês, preparada por um padre, em 1904. Padres franciscanos iniciaram um trabalho de tradução a partir da Vulgata, sendo concluído em 1909. No mesmo ano, o padre Santana traduziu o Evangelho de Mateus diretamente do Grego. É a primeira tradução parcial da Bíblia, em Português, dos idiomas originais feita por um padre católico, embora tenha sido apoiado pelo Latim.

J. L. Assunção traduziu o Novo Testamento a partir da Vulgata em 1917. Surge, no mesmo ano, o livro de Amós, traduzido por Esteves Pereira. Foi traduzido do etíope. Em 1923, J. Basílio Pereira traduz o Novo Testamento e os Salmos a partir da Vulgata.

O então padre Huberto Rohden foi o autor de uma tradução do Novo Testamento. Começou a traduzir enquanto estudava na Leopold-Franzens-Universität Innsbruck, Áustria, completando em 1930. Foi publicado pela Cruzada da Boa Imprensa (atualmente é pela editora Martin Claret). Utilizou como base o Textus Receptus.

O rabino Meir Matzliah Melamed traduz a Torá, numa edição sem data, com o nome de A Lei de Moisés e as Haftarot. Foi publicada em 1962. A tradução foi revisada e lançada, em 2001, com o nome de A Lei de Moisés. Está disponível pela Editora Sêfer.

Em 1993 é publicado o Novo Testamento da Nova Versão Internacional. Em 2005, o pastor batista Fridolin Janzen traduziu o Novo Testamento em Português, baseado no Textus Receptus.

Traduções completas

A primeira tradução completa foi a Tradução Brasileira. Foi uma tradução da Bíblia que não contava apenas somente com teólogos, como H. C. Tucker, William Campbell Brown, Eduardo Carlos Pereira, mas também com eruditos como Ruy Barbosa, José Veríssimo e Virgílio Várzea.

A tradução se principiou em 1902. Os dois primeiros evangelhos foram editados em 1904, e depois de alguma crítica e revisão, o Evangelho de Mateus saiu novamente em 1905. Os Evangelhos e o livro dos Atos dos Apóstolos foram publicados em 1906, e o Novo Testamento completo em 1910. Publicada em sua inteireza em 1917, apresenta características eruditas, sendo bastante literal em relação aos textos originais.

Não obteve o agrado dos leitores, por traduzir nomes hebraicos de uma maneira próxima à daquela língua, falta de literalidade e falta de revisões.

A Almeida Revista e Corrigida foi a primeira Bíblia a ser impressa no Brasil, em 1948. Está em circulação a revisão de 1995.

Publicada em 1959, a Almeida Revista e Atualizada utiliza o Texto Crítico, ao invés do Textus Receptus. Ganhou aprovação da CNBB.

Em 1959 é publicada a tradução dos monges Maredsous em Português. O trabalho de tradução foi coordenado pelo franciscano João José Pedreira de Castro, do Centro Bíblico de São Paulo. Foi traduzida a partir da versão francesa publicada na Bélgica.

A Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas

É uma tradução da Bíblia feita com direcionamento específico para as Testemunhas de Jeová. Foi publicada em 1963, sendo traduzida da versão inglesa.

A Versão Revisada foi publicada em 1967, pela Imprensa Bíblica Brasileira e pela Juerp. É de orientação batista.

Em 1976 é publicada a Bíblia de Jerusalém, pelas Edições Paulinas. É baseada na versão francesa, sendo que as notas e comentários são traduzidos. Em 2002 é publicada a revisão, chamada de Nova Bíblia de Jerusalém.

Em 1981 é publicada a Bíblia Viva, uma paráfrase da Bíblia. A versão original foi elaborada por Kenneth Taylor e foi traduzida na base da equivalência dinâmica (idéia por idéia). Já está na 2ª edição.

Em 1982 é publicada a Bíblia Vozes, pela editora Vozes, traduzida por uma comissão, presidida pelo franciscano Ludovico Garmus. No mesmo ano é publicada uma versão pela Editora Santuário. No ano seguinte é publicada a Bíblia Mensagem de Deus pelas edições Loyola.

Em 1988 é publicada A Bíblia na Linguagem de Hoje, caracterizada por ter uma linguagem popular e tradução flexível. Um exemplo é a tradução de Juízes 3:24: “Aí os empregados chegaram e viram que as portas estavam trancadas. Então pensaram que o rei tinha ido ao banheiro”. Muitos eruditos vêem uma excessiva utilização de linguagem popular, que pode comprometer a fidelidade com o texto original. Devido a esses problemas, essa tradução passou por um grande processo de revisão, que resultou na Nova Tradução na Linguagem de Hoje, em 2000.

Em 1990 é publicada a Edição Pastoral. Coordenada pelo teólogo Ivo Storniolo, é uma tradução afinada com a teologia da libertação, sendo voltada para uso dos leigos.

Ainda em 1990, a Editora Vida publicou a sua Edição Contemporânea da Bíblia de Almeida (EAC). Essa edição eliminou arcaísmos e ambigüidades do texto original de Almeida, mas com a promessa de preservar as excelências do texto que lhe serviu de base.

Em 1997 é publicada a Tradução Ecumênica da Bíblia (sendo baseada na versão francesa), sendo parte de sua comissão católicos, protestantes e judeus. O Antigo Testamento foi mantido do modo como se utiliza nas Bíblias judaicas.

Em 2001, a CNBB produziu uma tradução comemorativa dos 50 anos da CNBB, e já está na 3ª edição e envolveu cooperação entre sete editoras católicas. No mesmo ano é publicada a Torah Viva, traduzida por Adolfo Wasserman, baseada na versão inglesa. É publicada também a versão completa da Nova Versão Internacional.

Em 2002 é publicada a Bíblia do Peregrino, traduzida por Luís Alonso Schökel. É uma tradução da versão espanhola.

Em 2006 é publicada a Bíblia Hebraica. É o primeiro Tanakh completo publicado em Português, desde 1553. Os tradutores foram David Gorodovits e Jairo Fridlin e foi revisada por rabinos e professores.

Em 2007 é publicada a Bíblia Almeida Século 21, uma atualização da "Versão Revisada" do texto de Almeida (também conhecida como "Versão revisada segundo os melhores textos") por uma parceria entre a Imprensa Bíblica Brasileira/Juerp, a Editora Hagnos e a Editora Atos.

Traduções feitas em outros países

A Sociedade Bíblica Trinitariana, fundada no Reino Unido em 1831, também produziu uma versão para o Português do Novo Testamento, em 1883. É baseada, no Textus Receptus, assim como todas as Bíblias da Sociedade Bíblica Trinitariana.