domingo, 12 de julho de 2009

Os dias atuais e os dias nos tempos de Jesus


“vigiai e orai, para que não entreis em tentação”

s dias atuais e os dias nos tempos de Jesus
Muitas vezes fico indagando e imaginando, comigo mesmo e, com meus pacientes amigos: Como seriam as ações e reações de Jesus, diante de um mundo tão tenebroso como os nossos dias atuais?

Muitas vezes tento justificar minhas inclinações para o pecado com argumentos de que nos tempos de Jesus as coisas eram mais moderadas, havia mais compostura nas ações ruins dos homens e, que as tentações eram menores e com isso a capacidade de vencer o pecado era maior.
A verdade é que existem duas classes de pessoas que já ouviram falar de Jesus:

A primeira classe é a dos simpatizantes pela pessoa de Jesus, pois o consideram: bondoso, milagreiro, paciente (ou conivente) com a hipocrisia religiosa e com o pecado, recompensador (empresto um e me devolve cem). E embora, não pactue com todos estes agravos à pessoa de Jesus, me enquadro no rol dos simpatizantes.

A segunda classe é a dos discípulos, dos verdadeiros cristãos, dos homens e mulheres que negam a si mesmo, que fazem da sua luta diária da carne contra o espírito o seu estandarte de fé.

Obter desculpas, essa é a ferramenta forjada dos hipócritas (os fariseus atuais). De forma alguma as tentações e dificuldades nos tempos de Jesus eram mais brandas, bastam algumas circunstâncias para comprovar as dificuldades:

Os judeus estavam sendo espoliados pelos romanos; tinham que pagar tributo estando em sua própria terra; tinham uma liberdade de culto vigiada; qualquer levante ou tentativa de motim era prontamente rechaçada com pena capital; o Templo uma instituição com dupla função: política e religiosa havia se transformado num covil de ladrões; Sumo sacerdote, sacerdotes, membros do Sinédrio, escribas, fariseus, saduceus, guardas do Templo, vendilhões, em sua maioria eram ladrões e corruptos; a miséria era grande; as mulheres eram consideras sem alma o que significa dizer sem raciocínio; viúvas e órfãos eram rejeitados e seus pleitos não comoviam os magistrados corrompidos; o rei Herodes era um factóide, um rei empossado por Roma, desprovido de autoridade; doenças proliferavam por toda a terra de Israel; os religiosos exploravam os que clamavam por orações; assaltos as caravanas de peregrinos e visitantes eram constantes; muitos falsos Messias apareciam simultaneamente com promessas de libertação que quase sempre acabavam em mortes; a prostituição era a moeda de troca para sobrevivência; havia trabalho escravo; adultério; sodomia; homossexualismo; bestialidade.

Diante de todo este quadro, em que aspecto os dias de Jesus eram mais brandos que os nossos?
Qual a vantagem que se levava na tentativa de santificação?
Que recursos tecnológicos, didáticos, estruturais, haviam de modo a facilitar a vida naqueles tempos?

A resposta é Nenhuma!

Não havia nada que facilitasse viver uma vida santa. O único recurso disponível é o mesmo desde os dias de Jesus até os dias atuais: a Oração. “vigiai e orai, para que não entreis em tentação. Na verdade o espírito está pronto, mas a carne é fraca”.

Jesus era um homem de oração constante, seu espírito sempre se quebrantava diante de seu Pai. Jesus não encontrava nas bebedeiras, festas, ou coisas vãs, uma renovação espiritual, seu enchimento do Espírito de Deus vinha com ações de graças, súplicas, e agradecimentos ao seu Deus e Pai.

É muito triste ouvir blasfêmias dentro das igrejas, sobre um altar, diante de um púlpito, sobre as ações de Jesus. Tenho ouvido, infelizmente, homens que se dizem de Deus pregarem heresias, mentiras, blasfêmias, coisas que ferem a santidade de Jesus: “... o medo é um sentimento do Diabo; a tristeza é um sentimento do Diabo”.

Ah! Meus amigos, como se blasfema sem levar em consideração a humanidade de Jesus. Pois, Jesus sentiu medo, sentiu medo de morrer fora da Cruz, sentiu medo da emboscada que Satanás armou para que sua vida fosse tragada no Jardim do Getsêmani, por isso ele orou ao Pai para que aquele cálice fosse passado: “Meu Pai, se este cálice não pode passar de mim sem que eu o beba, faça-se a sua vontade”. A maior prova que Jesus teve medo de morrer fora da Cruz está relatada em Hebreus: “O qual, nos dias de sua carne, tendo oferecido, com grande clamor e lágrimas, orações e súplicas ao que o podia livrar da morte, e tendo sido ouvido por causa da sua piedade”.

Todos que tem um mínimo de conhecimento bíblico sabem que Jesus morreu na Cruz, e que o texto de Hebreus afirma que Jesus foi ouvido por causa da sua piedade. Jesus recebeu um livramento do Pai para que seu propósito de Redenção não fosse frustrado, uma vez que sua morte deveria ser na Cruz.

Jesus se entristeceu, muitas vezes chorou. Chorou pela destruição que haveria de vir sobre Jerusalém, se entristeceu com a situação de miséria e abandono do seu povo, chorou por ver seu amigo Lázaro morto. E uma prova que Jesus chorou como qualquer homem aparece no fato de que tendo Ele todo o poder, porque então se juntou ao pranto dos enlutados, Maria, Marta, dos amigos de Lázaro, e dos curiosos? Porque ao invés de chorar e se entristecer, Jesus não repreendeu aquela voz de choro e sentenciou imediatamente: Lázaro vive!

A resposta está na humanidade de Jesus, pois Ele conhecia e vivenciava a aflição do homem, tinha Onisciência de que dias maus viriam sobre o mundo e sobre o seu povo e a única solução era a oração. A oração é a fortaleza da alma para as tragédias da vida cotidiana.

“vigiai e orai, para que não entreis em tentação”

ÚLTIMA PARADA 174

ÚLTIMA PARADA 174

Induzimento à especulação: Art. 174. Abusar, em proveito próprio ou alheio, da inexperiência ou da simplicidade ou inferioridade mental de outrem, induzindo-o à prática de jogo ou aposta, ou à especulação com títulos ou mercadorias, sabendo ou devendo saber que a operação é ruinosa: Pena – reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa.

A Secretaria do Audiovisual, órgão ligado ao Ministério da Cultura acaba de divulgar o resultado da seleção do filme que irá representar o Brasil na disputa por uma indicação ao premio de melhor filme estrangeiro no Oscar de 2009 (ÚLTIMA PARADA 174).

Queridos Amigos voltei! Por algum tempo preferi ficar calado, achei melhor, para não cair na redundância cotidiana de sempre criticar e tentar mostrar o óbvio “Caminhamos para um desfecho final, pois o caos urbano, social, moral, religioso, político, já é irreversível em nossos dias maus”.

Está semana fomos mais uma vez contemplados com um teatro de horrores já muito conhecido e recorrente no nosso mundo: Um louco, um alienado social, um modelo da sociedade, tomado de ódio, vingança, tira a vida de uma “criança” de 15 anos.

Todos nós que somos pais, filhos, irmãos, cidadãos de bem, todos nós gostaríamos que esse canalha apodrecesse na cadeia, porém com uma pena de 30 anos de cadeia, após 1/6 de cumprimento este canalha em 05 anos já receberá os privilégios da Lei e passará a ter a liberdade condicional.

No inicio do meu texto fiz menção ao Artigo 174 do Código Penal e em seguida ao filme que foi indicado para representar o Brasil na premiação do Oscar em 2009.

Queridos amigos foi proposital a analogia entre o 174 do C.P e o 174 do filme, pois vejam, somente acreditando que todos nós brasileiros somos em sua totalidade imbecis, irracionais, produtos de uma sociedade controlada por uma mídia escrita, falada, televisiva, vagabunda, imoral e hipócrita, é que se pode acreditar que um lixo, uma aberração social, uma declaração de inversão de valores, um decreto de falência moral de um país abandonado, desmoralizado, comandado por governantes ladrões, corruptos, pode ser concorrente ao Oscar o prêmio máximo do cinema norte-americano. Não que os americanos sejam imunes a todo esse processo de degradação moral que o mundo se encontra, em especial os chiqueiros de 3 º mundo. Não! Os Estados Unidos são os grandes mantenedores de todo o lixo mundial.

O que se pretende demonstrar com este filme 174 na verdade é o próprio espírito brasileiro, o cineasta Bruno Barreto quer fazer a apologia ao crime, onde a imagem do seqüestrador é transformada em tragédia e da vítima é mudada para responsável por este crime perverso. Vejamos de que forma: O diretor do filme pretende cauterizar a mente de toda a sociedade para que todos acreditem que o seqüestrador foi levado a cometer tamanha covardia por ser fruto do descaso social, de ter sido um sobrevivente da Chacina da Candelária, que é um aborto humano gerado por um descaso dos governantes.

Todos nós sabemos muito bem que nossos governantes desde os primórdios sempre tiveram a intenção única de roubar, saquear e destruir o Brasil, e que passados 1500 anos esse sentimento de roubar, saquear e destruir permanece, e com isso toda nação perece. O que não podemos acreditar é que condições de miséria, descaso, sirvam de motivações para barbáries como está do ônibus 174. Se acreditarmos nisso estaremos tirando a honra, o respeito, a dignidade do cidadão de bem que é assalariado ou sem salário, do cidadão que sobrevive acima de toda expectativa de morte: doença, fome, sede, medo e solidão, e nem por isso pratica o mal.

Devemos combater esses destruidores da moralidade, homens abomináveis que incentivam a pratica do mal, inventores de modelos para uma sociedade enferma. Vamos relembrar alguns desses modelos; Lúcio Flávio (assaltante de bancos), Leonardo Paeja (seqüestrador) e agora o assassino do ônibus 174 todos estes viraram vítimas ao invés de culpados.

Voltando a comentar o trágico desfecho do seqüestro que durou mais de 100 horas em que resultou na morte de uma “criança” de 15 anos, peço a todos os amigos que reflitam sobre algo que a mídia, psicólogos, psiquiatras, sociólogos, sexólogos, Órgãos de Defesa da Infância e Juventude, Organizações de Direitos Humanos não abordam: O que levou um rapaz de 23 anos a tirar à vida de uma jovem de 15 anos. Algo que não fazem questão de alertar, algo que vai contra a moralidade, algo que é o “propulsor” de toda degradação moral das sociedades modernas: o sexo na infância e na adolescência.

Com toda a certeza essa menina de 15 anos já era mulher desse canalha, e conforme depoimento dos próprios pais da jovem “há três anos eles já tinham relacionamento amoroso”, e com toda a certeza, há três anos ela já mantinha relações sexuais com esse canalha.

Longe de mim querer justificar tamanha bestialidade, o que observo é: onde estão os pais que não educam, ensinam, observam, acompanham seus filhos para que não sigam o rumo desse mundo mau? Onde estão os pais que não acompanham seus filhos, que não determinam valores morais e espirituais aos seus filhos?
Com toda a certeza esse não era um namoro decente, com toda a certeza era uma relação de marido e mulher entre uma criança de 15 anos e um homem de 23 anos.

Esse caso trágico será mais um na estatística e, com toda a certeza nenhuma autoridade irá se manifestar em favor de uma mudança de atitude com relação ao sexo, com relação ao namoro, com relação ao casamento, com relação ao mercado livre do sexo na infância e adolescência, da pornografia, do erotismo, do homossexualismo, do adultério, da vulgaridade explícita e “pedagogicamente” ensinada e incentivada em todos os meios de comunicação.

A sociedade não pode se mostrar indignada com a violência, com a fome, com a guerra, com as doenças, com a prostituição infantil, pois a sociedade se alimenta justamente dessa vulgaridade, do entretenimento imundo, das baixarias, das bestialidades, do bizarro.

Que Deus tenha piedade de nós!

O Verdadeiro Discípulo de Jesus

O Verdadeiro Discípulo de Jesus

Pessoas de meu convívio diário, social, e desconhecidos, ficam surpresos com minha resposta quando sou perguntado: Você é crente? É cristão? É evangélico? E respondo: Não! Sou apenas um simpatizante da Bíblia e da pessoa do Senhor Jesus.

Para muitos essa afirmação pode parecer honesta, depreciativa, ou escárnio. Mas, de acordo com a Bíblia, e segundo as palavras do próprio Mestre, quem é “O Verdadeiro Discípulo de Jesus”.

A Bíblia relata as profundas palavras de Jesus dirigidas aos judeus que criam nele “Se permanecerdes no meu ensino, verdadeiramente sereis meus discípulos”. O versículo citado apresenta a palavra “verdadeiramente” que merece relevância, pois, de acordo com Jesus existem duas classes de discípulos: Os falsos discípulos e os verdadeiros discípulos.

Agora, fazendo uso de um dicionário da língua portuguesa, vejamos o que significa a palavra Discípulo: Quem recebe ensino de alguém; aluno; Quem segue as idéias ou as doutrinas de um mestre.

Até quando se faz uso de um dicionário escrito por homens falhos encontra-se a Sabedoria do Mestre Jesus, pois, em concordância com as suas palavras, o dicionário apresenta duas classes de Discípulos: 1° o aluno: aquele que recebe o ensino de alguém; 2° o seguidor: aquele que segue as idéias ou as doutrinas de um mestre.

Nem as multidões, os discípulos, os apóstolos, as mulheres fiéis, sua mãe e irmãos, foram seus verdadeiros discípulos: “Em verdade, em verdade vos digo que me buscais, não pelos sinais miraculosos que vistes, mas porque comestes do pão, e vos fartastes. Não quereis vós também retirar-vos?” Sim, este era o sentimento dominante entre todos os seguidores de Jesus: O de saciar suas necessidades.

Longe se ser um modelo de fé para judeus e gentios, o testemunho dos seguidores de Jesus muitas vezes serviu como pedra de tropeço para a pregação do Evangelho. Nenhum deles tinha fé, eram apenas movidos pela emoção, impulsividade e, uma forte ideologia nacionalista. Desejavam um Messias popular, alguém com status de libertador. Eram homens e mulheres de raciocínio acanhado que traziam consigo ressentimentos dos exílios, deportações, destruições, nutriam ódio pelos samaritanos, romanos, pelos homens e pelo mundo. Jamais conseguiram compreender a verdadeira missão de Jesus.

A maior prova de suas dificuldades em serem verdadeiros discípulos ficou evidente com a morte de Jesus. O abatimento foi total, nenhum dos discípulos, apóstolos, seguidores, ninguém teve fé nas palavras proféticas de Jesus “Todos vós está noite vos escandalizareis por minha causa, pois está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho se dispersarão. Mas, depois de eu ressurgir, irei adiante de vós para a Galiléia”.

Jesus ao se apresentar aos discípulos de Emaús descreveu de forma incontestável o momento espiritual de todos aqueles que por três anos conviveram diariamente com ele: “Ó néscios, e tardios de coração para crer em tudo o que os profetas disseram! Não era necessário que o Cristo padecesse estas coisas e entrasse na sua glória?”

Todos eram judeus, descendentes de uma raça incrédula por índole, um povo desprezível que em momento algum chamou a atenção de Deus, a não ser pela sua própria fragilidade.

Não necessitavam crer em Jesus, pois ainda não tinham sentido sua falta. Eram crédulos somente aos seus próprios olhos sempre em busca de sinais e prodígios. Seus irmãos e sua mãe certa feita saíram para prendê-lo, pois achavam que estava louco. Como pode uma mulher (supostamente) receber a visitação de um anjo, anunciando que o ente que ela conceberia era fruto não da relação de homem-mulher, mas obra do Espírito Santo, ser tão incrédula e cometer tamanho desatino. A verdade é que muitos perderam o tempo da visitação do Senhor Jesus e poucos tiveram fé para crer.

Eram pessoas sem fé, tinham apenas uma leve disposição em ouvir e muito pouca vontade de obedecer. Algo muito parecido com os falsos discípulos que são formados pelas religiões e seus religiosos. Gritam e batem o pé, mandam o diabo sair e amarram o mal, se dizem fortes e imunes ao sofrimento, mas não vivem o Evangelho, não trazem as marcas de Cristo no espírito, são sepulcros caiados bem adornados por fora, porém cheios de podridão no interior. Clamam em alta voz como os convencidos discípulos de Jesus “Senhor, queres que mandemos que desça fogo do céu e os consuma, (os samaritanos) assim como fez Elias?”. Achavam-se fortes, mas, na verdade eram covardes e incrédulos “Quando ouviram que Jesus vivia e que tinha sido visto pelas mulheres, não acreditaram”.

A história do jovem rico demonstra o protótipo dos falsos discípulos “Ainda te falta uma coisa. Vende tudo o que tens, reparte-o com os pobres, e terás um tesouro no céu. Depois vem, e segue-me”. _ “Mas, ouvindo ele isto, encheu-se de tristeza, porque era muito rico”. É como crêem e agem os falsos discípulos. Deturpam a Verdade e seguem os seus próprios conselhos: Compro mais bens, além dos que já tenho, e desfaço-me do imprestável dando aos pobres. Nunca receberam o firme fundamento da fé O Senhor Jesus.

Somente, após, a ressurreição e a ascensão de Jesus, houve uma transformação na vida espiritual daqueles homens e mulheres. A partir de agora, sabiam que a missão de levar o Evangelho a toda criatura deveria ser realizado por cada um. Seu mestre Jesus não estaria mais presente e, a escassez de pão e água, o temor da morte e da prisão, o pavor dos açoites e escárnios, agora, seria presente todos os dias e precisaria ser enfrentado com a própria vida.

Foi necessário que perdessem toda a segurança que tinham ao lado de Jesus para que ganhassem a confiança e a virtude de serem feitos Os Verdadeiros Discípulos de Jesus.

Por tudo isso, somente poderá ser chamado O Verdadeiro Discípulo de Jesus, o homem ou mulher que ousar ser igual a Ele, ou que tenha um testemunho semelhante do apóstolo Paulo “Eu combati o bom combati, acabei com a minha carreira (dinheiro, fama, fortuna, saúde, amigos, companhia, alegria, prazer), mas guardei a minha Fé”.

Amém!



sábado, 11 de julho de 2009

Feliz dia natalício Jesus






Muita literatura tem sido escrita ao longo de 2000 anos sobre este personagem único, que marcou a história do mundo e particularmente do Cristianismo. Muitos se ocupam em descrever sua atividade como sendo de um profeta apocalíptico, um enviado de Deus para uma exortação espiritual, um essênio dissidente da Comunidade de Qumran, o Filho unigênito de Deus, ou mais um “Messias libertador de Israel” entre tantos que pululavam na Israel no século I.
Ao que tudo indica parecem existir várias vozes dissonantes sobre a verdadeira descendência de Jesus. Contudo, certa coisa ecoa uniforme a respeito dessa figura ímpar no mundo, é quando cientistas, historiadores, teólogos, cristãos, budistas, espíritas, mórmons, islâmicos, judeus, e até mesmo os céticos, definem a mensagem (o kerigma) de Jesus: Ele veio pregar o Amor, o Amor incondicional a todos os homens.
Hoje, várias escolas teológicas têm se debruçado sobre a Escandalosa morte de Jesus na Cruz do Calvário, um ato covarde, horrendo, motivado por um deus sádico, sedento de sangue. Querem reavaliar a morte vicária, buscam outro sentido de redenção para a humanidade que não necessitasse do sangue do Justo Jesus. Julgam incompatíveis que um Deus de Amor, perdão, justiça, misericórdia, onipotência, estabeleça a pena capital de Seu próprio Filho como a única forma para justificar o pecador. (horrível)
Opiniões a parte, o que não se nega é o grande Amor de Jesus.
Em suas Palavras, ao longo de todas as páginas do Novo Testamento jamais se ouviu engano, ódio, ciúmes, vinganças, pragas, maldições, estatutos ou leis que servissem de laços de morte para os seus ouvintes, chacinas, homicídios, acepções de pessoas seja por nacionalidade, cor, credo, escravo ou livre, contradições, atitudes vergonhosas, nada disso se ouviu falar de Jesus. É uma pena ter que afirmar tal coisa! Mas o Deus Pai de Jesus parece ser o inverso do Deus do Antigo Testamento, onde constantemente se ouvia falar sobre: morte, assassinato, chacinas, violências, vinganças, discriminações, covardias, medo, bipolaridade: em alguns momentos era um deus bom em outros momentos um deus extremamente cruel. Mas, deixamos isso de lado e voltamos a falar do Mestre.
É chegado o Natal, se é 25, 13, 01,27, dezembro, março, junho não importa a data, o que importa é que Jesus nasceu, viveu, morreu (se justa ou injustamente, nada poderemos fazer) e ressuscitou. Sua mensagem transformou e transforma a vida de todos aqueles que a acolhem. Ninguém é a mesma pessoa depois de ouvir falar de Jesus. O mundo é o mesmo: guerras, assassinatos, dramas, vinganças, covardias, adultérios, roubos, mortes, injustiças, medo, destruição, porém aqueles que ouviram falar do Homem Jesus, ainda que pratiquem o mal, terão sempre a lembrança de que um dia um Homem justo veio a este mundo, viveu debaixo de toda a condenação deste mundo, sentiu todas as calúnias, sentiu todo o sofrimento e abandono, e mesmo assim, conseguiu vencer todas as adversidades esgotando todo o seu precioso sangue em nome do Amor e da Justiça.
Jesus tu és inigualável. Infelizmente nem todos que te conheceram puderam lhe dar um feliz dia natalício.
FELIZ NATAL, FELIZ 2009 PARA TODOS OS MEUS AMIGOS. TODOS UNIDOS COM
O SENHOR JESUS, O CRISTO.


RIO 04, DE DEZEMBRO DE 2008.





“QUE DIZEM OS HOMENS QUE EU SOU?”

JESUS: HOMEM, FILHO DE DEUS, MESSIAS, SEMIDEUS, DEUS, LUNÁTICO, OU IMPOSTOR?

Algumas ciências são classificadas como exatas, ou seja, não podem estabelecer novos paradigmas, pois são imutáveis. Por sua vez alguns postulados científicos são quase diariamente revistos e, o que foi estabelecido como inalterável, num próximo momento torna-se obsoleto. Quanto ao Cristianismo como devemos classificá-lo? Uma religião com pouco mais de 2000 anos dissidente da fé judaica que, outrora também, teve em seus primórdios diferentes fases: animista, politeísta, henoteísta, e monoteísta. Com toda a certeza este questionamento transpõe uma simples fixação da nomenclatura.

Se tratarmos o Cristianismo como uma questão de fé, suas bases históricas, quase sempre obscuras, se perderão para sempre e todo o conhecimento será baseado na experiência. Se quisermos dar caráter científico ao Cristianismo então, suas fontes históricas escassas, suas lendas insustentáveis, seus censos improváveis, seus holocaustos descomunais, seus exércitos imaginários, suas batalhas forjadas, sua geografia irreal, inevitavelmente desaparecerão.

Uma vez que o Antigo Testamento é incapaz de esclarecer os fundamentos principais de sua crença: A origem de Deus, A origem dos elementos da Criação, A raiz do Mal, deve-se avançar até o Novo Testamento onde um homem chamado Jesus se fez “o porta-voz de YHVH”.

Jesus foi e continua sendo o personagem “histórico” mais popular e mais enigmático de todos os tempos. Seu nascimento e vida pública constituem um complexo enigma. Todos os acontecimentos biográficos do Rabi de Israel convergem numa tentativa desesperada de alinhar suas ações às profecias messiânicas do Antigo Testamento.

Este Cristo anunciado é também paradoxalmente um personagem enredado em mistérios, oráculos, profecias, adágios escatológicos, sepultando de uma vez por todas a expectativa do Jesus histórico.

Em que momento Jesus de Nazaré foi elevado à condição de Deus? O que Jesus dizia a seu próprio respeito? O que pensavam os discípulos? O que achavam os inimigos de Jesus? É bem provável que jamais tenhamos uma resposta universal sobre a sua divindade.

As escrituras do Antigo Testamento muito pouco apresentam analogia com o Jesus de Nazaré. O Messias judeu deveria ser um rei poderoso, capaz de destruir os grandes impérios que oprimiam aquele povo. O messias cristão, por sua vez, foi um herói executado transformado em Deus. Seus discípulos conseguiram convencer o mundo de que esse homem, chamado de filho de Deus, ou Deus filho, era o ungido previsto pelos profetas judeus, e, ainda, que ele retornará (ia) para estabelecer o reino eterno.

O Judaísmo é o resultado da incorporação pelos hebreus de princípios e crenças de vários povos entre os quais eles viveram. O Cristianismo, por sua vez, embora de origem cada vez mais duvidosa, tornou-se muito mais forte do que todos os outros credos por duas razões: em primeiro lugar, passou ao mundo a idéia de que o único Deus verdadeiro enviou seu filho a Terra e este morreu pela salvação do mundo e ressuscitou dentre os mortos. Em segundo, prometendo a ressurreição dos mortos e um reino eterno, tornou-se mais atraente do que todas as demais crenças. Assim, não foi difícil conquistar o Império Romano e torna-se uma das maiores religiões do mundo.

Os judeus sempre viveram oprimidos por impérios poderosos, mas sempre acreditaram que seu Deus lhes daria o domínio do mundo.

Quando a Assíria era o império dominante da região onde os judeus viviam, e Israel vivia no exílio sob esse império, eles acreditaram ter uma promessa divina que fatalmente se cumpriria dando-lhes o domínio de todos os povos da Terra. A Assíria seria derrotada e o povo escolhido de YHVH dominaria para sempre.

Os profetas judeus nunca disseram que o messias seria morto pelo inimigo, mas os discípulos de Jesus usaram textos descontextualizados das escrituras hebraicas para passar essa idéia ao mundo. Nunca houve previsão profética ou promessa na lei de Moisés de que o sacrifício de animais fosse um dia ser abolido e substituído por outro tipo de sacrifico. Todavia, os discípulos de Jesus conseguiram persuadir o mundo a crer que a morte de Jesus era um sacrifício divino (leia-se aberração) a substituir os sacrifícios de cordeiros. E mais textos foram utilizados para convencer o mundo de que Jesus fosse o prometido libertador:

A Virgem.

Ora, tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que fora dito da parte do Senhor pelo profeta: Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, o qual será chamado Emanuel que traduzido é: Deus Conosco (Mateus 1:22-23).

O verdadeiro contexto:

“Portanto o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel. Manteiga e mel comerá, quando ele souber rejeitar o mal e escolher o bem. Pois antes que o menino saiba rejeitar o mal e escolher o bem, será desolada a terra dos dois reis perante os quais tu tremes de medo. Mas o Senhor fará vir sobre ti, e sobre o teu povo e sobre a casa de teu pai, dias tais, quais nunca vieram, desde o dia em que Efraim se separou de Judá, isto é, fará vir o rei da Assíria.” (Isaías 7: 14-17).

Prossegue um pouco adiante:

“E fui ter com a profetisa; e ela concebeu, e deu à luz um filho; e o Senhor me disse: Põe-lhe o nome de Maer-Salal-Has-Baz. Pois antes que o menino saiba dizer meu pai ou minha mãe, se levarão as riquezas de Damasco, e os despojos de Samaria, diante do rei da Assíria.” (Isaías. 8: 3).
Aí está o verdadeiro contexto da profecia: A VIRGEM referida era a profetisa, com quem teria coabitado o profeta. E isso teria ocorrido nos dias em que a Assíria se apoderou de Israel. Nada tinha a ver com uma virgem nos dias do Império Romano.

O suposto messias cristão surgiu mais de seis séculos depois desta profecia. Não libertou seu povo, foi morto pelos romanos, e o povo caiu em uma situação pior do que todas as anteriores, pois foram dispersos pelo mundo. Afinal, quem foi Jesus: Homem, Filho de Deus, Messias, Semideus, lunático, ou impostor?

Uma vez que as escrituras do AT e NT divergem sobre o caráter e a missão do Messias, restam apenas os ditos de Jesus, porém quais teriam sido verdadeiramente pronunciados pelo homem de Nazaré?

Jesus nunca afirmou que era Deus, ninguém encontrará no Evangelho uma só palavra sua em tal sentido. O título que Ele habitualmente se atribuía era o de "Filho do Homem", que figura 80 vezes nos Evangelhos (30 no de Mateus, 14 no de Marcos, 26 no de Lucas e 10 no de João). Poucas vezes, e em geral de forma indireta, Ele se autodenominou "Filho de Deus", título este que os discípulos, outras pessoas e até os espíritos impuros às vezes lhe atribuíam. É de notar que ser "filho de Deus" não é ser Deus, como esclarece (João 1:12) "A todos quanto o receberam, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus".

A maioria dos “teólogos” costumam apresentar como prova da sua divindade a frase "Eu e o Pai somos um" (João 10:30), sem atentar para o fato de que logo adiante Jesus incluiu na mesma categoria os apóstolos, quando afirmou: "Pai Santo, guarda em teu nome aqueles que me deste, para que sejam um, assim como nós" (João 17:11) e "para que também eles sejam um em nós" (João 17:21).

E na mesma passagem citada acima, quando os judeus o acusaram de "se fazer Deus a si mesmo" (João 10:33), Ele encerrou a discussão afirmando: "Se a própria lei chamou deuses aqueles a quem a palavra de Deus foi dirigida, como dizeis que blasfema aquele que o Pai santificou e enviou ao mundo porque diz “Sou Filho de Deus” ? (João 10:36).

Em várias outras passagens Jesus se proclamou um "enviado de Deus" (João 4:34; 5:24; 6:29; 6:44; 7:29; 8:26; 12:45; 17:3) e chegou a afirmar: "Porque eu desci do Céu, não para fazer a minha vontade, mas a daquele que me enviou" (João 6:38). É claro que um enviado é sempre inferior àquele que o envia. A respeito de Jesus atribuiu-se também vários outros títulos, como os de "Filho", de "Mestre e Senhor", de "Luz do Mundo", de "Bom Pastor", etc., mas é claro que nenhuma dessas expressões implica na pretensão de se fazer divino. Como um enviado de Deus para pregar aos homens a Verdade, Ele foi um instrumento, um meio, um caminho para se chegar a Deus, foi verdadeiramente o "pão da vida" que a Humanidade esperava para saciar sua fome espiritual.

Se (João 14:9) parece corroborar a idéia da divindade, logo no v. 10 Jesus esclarece que faz as obras porque o Pai permanece nele e no v.12 informa que os que cressem fariam obras até maiores, mostrando que a ação divina aconteceria nas obras de todos os que cressem. Nada havendo na passagem que justifique a noção de que Jesus se reputava Deus.

Outro trecho que se supõe confirmar a doutrina da Trindade é o de (I João 5:7-8), mas aí a interpolação é tão evidente que a própria "Bíblia de Jerusalém" (editada com aprovação eclesiástica) o resume com estas palavras: "Porque três são os que testemunham: O Espírito, a água e o sangue", aduzindo em nota de rodapé que as frases restantes "não constam dos antigos manuscritos, nem das antigas versões, nem dos melhores manuscritos da Vulgata, parecendo ser uma glosa marginal introduzida posteriormente" (N.T., 6a edição, página 649)

No mundo antigo havia muitos filhos de deuses. No Oriente antigo os reis eram tidos como gerados pelos deuses. Na mitologia grega os deuses geram filhos com mulheres humanas. Em Roma os imperadores eram divinizados depois de sua morte. Gênios que superavam a média humana (políticos, filósofos, imperadores) eram venerados como divinos, ou filhos de Deus.

E neste contexto, ninguém mais do que Jesus merece o título de Deus, como reconheceu o apóstolo Tomé (João 20:28) “Senhor meu e Deus meu” . Ele foi, com efeito, a mais perfeita das criaturas que pisaram neste planeta, nele se manifestou “corporalmente toda a plenitude da divindade" (Col. 2:9), pois em nenhum outro homem se apresentaram ações mais sublimes de sabedoria e virtude.

Mas foi precisamente isso, uma criatura de Deus que atingiu a máxima perfeição, ao ponto de gozar de íntima comunhão com Deus, daí o ter dito: "Quem me vê a mim, vê também o Pai" e "Glorifica-me, Pai, com a glória que eu tinha contigo antes que houvesse mundo" (João 17:5). Mas Ele também disse: "Eu rogarei ao Pai" (João 14:16 e 16:26) e o que roga evidentemente é inferior ao rogado. Ele também afirmou: "O Pai é maior do que eu" (João 14:28).

AMÉM!