terça-feira, 30 de abril de 2013

História da Religião de Israel (Georg Fohrer)


Este livro traz textos sólidos sobre a história da religião israelita e sua relações com as demais religiões palestinenses, que ainda são uma lacuna na bibliografia exegética em língua portuguesa. A obra de Fohrer é uma leitura obrigatória para quem deseja conhecer melhor as crenças, os rituais, os conflitos, os intercâmbios, as instituições da religião do antigo Israel nos tempos bíblicos. A possibilidade de estudar a religião do antigo Israel com a ajuda desta obra será uma importante contribuição para a pesquisa bíblica em língua portuguesa. Os avanços nas pesquisas não se dão a partir de eternos novos começos, mas a partir de revisões permanentes de hipóteses fecundas à luz dos novos dados, métodos e tendências da pesquisa. Dessa forma, História da Religião de Israel, de Georg Fohrer, certamente será um estímulo ao aprofundamento de nossos conhecimentos sobre a religião israelita antiga.

Download COMENTÁRIO BÍBLICO ROTA 66 (Luiz Sayão)


BOX COMENTÁRIO BÍBLICO ROTA 66 EM MP3 - LUIZ SAYÃO

COMENTÁRIO BÍBLICO ROTA 66 aqui esta completo contendo os comentários dos 66 livros 
Box Rota 66 em MP3 - Antigo Testamento Luiz Sayão.
Rota 66, o primeiro comentário bíblico falado produzido no Brasil, leva você pelos caminhos da teologia, história de Israel e arqueologia. Conheça os patriarcas, reis e profetas do Antigo Testamento. e inclui também o novo testamento.




01 - Rota 66 Parte 01
02 - Rota 66 Parte 02
03 - Rota 66 Parte 03
04 - Rota 66 Parte 04
05 - Rota 66 Parte 05
06 - Rota 66 Parte 06
07 - Rota 66 Parte 07
08 - Rota 66 Parte 08
09 - Rota 66 Parte 09
10 - Rota 66 Parte 10
11 - Rota 66 Parte 11
12 - Rota 66 Parte 12
13 - Rota 66 Parte 13
14 - Rota 66 Parte 14
15 - Rota 66 Parte 15

pt. scribd (O Livro de Urântia) completo.


O QUE É O LIVRO DE URANTIA - Scribd

pt.scribd.com/doc/28116936/O-QUE-E-O-LIVRO-DE-URANTIA
Acesse o Link

André Leonardo Chevitarese “Vivemos um retorno ao fundamentalismo”

"Diário de Pernambuco" entrevista 
André Chevitarese
"Um novo rosto, uma mesma historia" "Barulho desde o cinema mudo"
  "Vivemos um retorno ao fundamentalismo"
LEIA [ . PDF1 ] [ . PDF2 ]

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Série: Bereshit bara Elohim et hashmayim ve'et ha'arets - Bereshit 1:1 No princípio criou os Deuses os céus e a terra - Gênesis 1 - Ophiussa (Terra das Serpentes)


Desde os primórdios um animal tem mexido com a imaginação do homem. Ele não é forte como o urso; não é gigante como um elefante; não é inteligente como um golfinho; não é perspicaz como um gato; nem poderoso como um leão. Considerado um animal repulsivo, muitas vezes asqueroso, causa medo e pavor na maioria das pessoas, como se todas essas sensações estivessem guardadas em nosso corpo. O animal ao qual falo é a serpente, vencedora da natureza e acompanhante da aventura humana na Terra.

Ao escolher esse tema, deparei-me com uma das investigações mais cansativas e complexas que poderia imaginar. Nesta jornada muitas vezes me arrependi de mexer neste verdadeiro “ninho de cobra”, onde se escondem os maiores segredos da humanidade, e as perguntas que me fizeram entrar gratuitamente neste tema foram: Qual será o motivo de tamanho fascínio? Como podem civilizações tão distantes, tão diferentes, em ambientes diferentes, separadas pelo oceano, cultuarem a mesma serpente? Por que dar asas a um animal que não às tem?

Vejam, estas foram as perguntas iniciais! Conforme caminhei muitas outras perguntas foram surgindo, pois a serpente é com certeza a grande guardiã do conhecimento. Ela sempre foi representada assim, e ao estudar o assunto descobri muitos dos segredos que ela guarda, e gostaria de compartilhar com o leitor do blog. Mas lembrem-se: apenas aqueles que têm o conhecimento, e merecimento, podem compreender o que escrevo, pois o que a serpente guarda é por demais venenoso para as almas que não estão preparadas. Este é o grande enigma da serpente.

UM ANIMAL SELVAGEM?

Quando queremos saber algo dos povos antigos, devemos procurar um portal do tempo. Esse portal são os livros, esculturas, desenhos, que foram feitos pelas testemunhas oculares, por aqueles que chamamos de primitivos e homens sem cultura. O meu portal preferido sempre foi Heródoto, talvez seja uma mania, mas muitos historiadores concordariam comigo que é uma ótima mania. Ele é considerado o pai da história, e mesmo escrevendo coisas que as pessoas podem achar absurdas, ele ainda é uma pessoa de muita credibilidade para mim. Quando convém ele é considerado o pai da história, quando não convém apenas um homem que acreditava em qualquer mito que lhe contavam.


Continuando nos estudos da serpente, segundo Heródoto, as serpente aladas (FIG.1) eram animais que existiam na Arábia, e esses animais voavam em bando para o Egito. Heródoto viu com os próprios olhos os ossos destas serpentes, próximo a cidade de Burto. Existiam ossos pequenos, médios e grandes, e os povos da região diziam que a ave Íbis era sagrada no Egito porque comiam essas serpentes, prestando um grande serviço aos egípcios.

Com todo respeito a Heródoto, por mais interessante e confiável que seja a sua descrição, as outras fontes mostram que a serpente alada está bem longe de ser apenas um animal extinto que viveu entre os árabes.

INVASÃO DAS SERPENTES

Em tempos remotos, um fato curioso aconteceu com os primeiro povos que habitaram a península ibérica, local aos quais muitos leitores brasileiros têm a sua genética ligada. Imagine que cobras podem fazer parte do seu DNA, mas não se assuste.

Segunda a visão de Rufo Festo Avieno, escritor de Ora Marítima, um belo portal do mundo antigo, encontramos a seguinte descrição:

Dizem que Ophiussa é tão larga como a ilha de Pélope na Grécia. Chamou-se-lhe primeiro Oestrymnia, porque habitaram esses lugares e campos os Oestrymnicos; depois, enorme quantidade de serpentes obrigou os seus habitantes a fugir e recebeu novo nome.”

            Vamos nos localizar primeiro: Oestrymnicos é o nome dado aos primeiros habitantes de Portugal, significa povo do extremo ocidente, o território ia da Galiza até o Algarve. Ao ler a primeira vez faz sentido imaginar uma praga de serpentes, na segunda vez ninguém verá sentido na modificação de nome. Uma enorme quantidade de serpente invade e o local recebe um novo nome?

            De Oestrymnio, o nome foi modificado para Ophiussa (FIG. 2), que em grego quer dizer Terra das Serpentes. Como leitor atento e inteligente, deve ter percebido que os versos de Rufo referem-se a uma invasão, uma conquista, ou seja, uma guerra.

            Segundo alguns estudiosos esta invasão foi executada pelo povo da serpenteou povo do dragão, ligados aos Druidas ou aos egípcios, não se sabe ao certo. O importante é estar atento as serpentes, ao povo serpente, tanto Celtas como Egípcios tiveram a mesma origem, e o mesmo símbolo.


SERPENTES DA SABEDORIA

            A cultura Celta tem como personagens principais os famosos sacerdotes Druidas, que também eram chamados de Serpentes da Sabedoria (FIG.3). Os druidas poderiam ser juízes, médicos, filósofos, poetas, professores, porém havia uma classe especial, eram os Druidas-Filid, e a sua função era o contato direto com os deuses. Muitos acreditam que sua verdadeira sabedoria morreu com os próprios druidas, ou foi incorporada pela mitologia cristã (vemos aqui pela primeira vez em todo o texto, a serpente ligada diretamente ao conhecimento).


            Entre os Celtas era comum ter nos brasões das famílias imagens de dragões/serpente voadora, assim como no estandarte de seus exércitos. Não é toa que até hoje vemos em toda Europa, brasões familiares, e até de países ligados, a figura do dragão/serpente voadora.

A principal deusa do panteão céltico é Danu e seu povo é Tuatha dé Dannan. Ela é considerada senhora da luz e do fogo, identifico esses termos como conhecimento, tanto que o nome Dan quer dizer conhecimento. É a divindade suprema céltica, e era acessada diretamente pelas Serpentes da Sabedoria. A deusa foi tão importante na Europa que deu origem ao nome do rio Danúbio. Ela é conhecida por outros nomes como Morrígan (gralha da guerra), Blodeuwedd (Dama das Flores, simbolizando a vida) e Brighid (A Mãe, símbolo da fertilidade). Existe um conto céltico sobre o povo Tuatha dé Dannan, que achei interessante para o texto. Essa lenda diz que divindades do povo de Danu invadiram a Irlanda, vindo em nuvens negras de quatro cidades míticas do céu Falias, Gorias, Murias e Finias (existem traduções cristãs diferentes. Chamam deuses de reis, céu de norte e nuvens negras de barcos incendiados).

            Assim como as Serpentes da Sabedoria representavam o máximo da sabedoria céltica, os dragões comprovadamente são a representação das famílias e exércitos. Deixando clara a ligação entre proteção (exército e família) com conhecimento. Os dragões também estavam associados com a força primordial da natureza, o que demonstra que não estamos tratando de simples cobras.

            A impressão final que me resta é que a filosofia das Serpentes da Sabedoria foi incorporada pelo cristianismo, sendo destruída. Como o saber era passado de forma oral (assim como os Incas) fica difícil saber o real sentido de sua mitologia, com certeza muito se perdeu, restando poucas pistas.


A TERRA DOS FARAÓS

            A religião egípcia é tão complicada quanto a Celta, pois os sacerdotes só passavam os seus segredos para outros sacerdotes. Esta é uma das religiões que menos se sabe o verdadeiro sentido de sua filosofia. Tanto que deuses podem ser representados de várias formas conforme o tempo e localização.  Este é o caso de Maat (FIG.5), deusa que será citada logo a seguir.


            A serpente pode estar ligada a diversos sentido. Existe sentido de proteção, uma ligação com submundo e etc. Porém a serpente alada tem um algo mais, um Q de mistério.

Os Faraós levavam em sua testa o símbolo da serpente, que significava sua proteção. Até no Êxodo bíblico há uma luta entre as serpentes de Moisés e do Faraó, deixando claro a símbolo destes Reis. Para mim fica claro uma luta entra Yahwéh e os deuses egípcios representados pela cobra. Qual cobra é mais forte: a egípcia ou a de Yahwéh?
           
            Falemos um pouco de Maat, mulher de Toth. Maat muitas vezes era representada como uma serpente voadora, ou uma mulher com cauda de serpente. Ela representava a verdade e o justo, ou seja, um belo adjetivo para conhecimento pleno. Toth era filho de Rá (deus sol), e o deus dos escribas, segundo os mitos egípcios, este deus ensinou os humanos a escrita, a magia, a sabedoria e outras coisas. Foi o deus que ensinou aos egípcios, e sua mulher é identificada, em alguns casos, com a serpente alada. Neste momento temos um belo casamento entre A Verdade e o Conhecimento.

            As primeiras representações de Isis e Osíris foram com tronco e cabeça humanos e cauda de serpente. Essas representações remontam os tempos mais antigos dos Egito. É intrigante saber que estes deuses, fundadores da civilização egípcia, foram cultuados na forma de serpente, e no caso de Isis (FIG.6), serpente alada. 


O Livro dos Mortos, coletânea de hinos, feitiços, mágicas e orações egípcias, têm uma interessante passagem no Capítulo 108:

“Estirada no flanco da montanha dorme a grande serpente, com cento e oitenta pés de comprimento e cinqüenta pés de largura; sua barriga é adornada com sílexes e pedras cintilantes. Agora eu sei o nome da serpente da montanha. Vede, é "a que mora nas chamas”...
“Depois de navegar em silêncio, Rá lança um olhar à serpente e subitamente sua navegação pára, como se o que está escondido em seu barco estivesse de emboscada... Vede-o que mergulha na água e submerge até quarenta pés de profundidade. Ele ataca Set, lançando-lhe seu dardo de aço.”

            Essa descrição perece-me ligada a uma batalha verdadeira. Assim como no caso do dragão, a serpente é ligada as chamas, ficando claro que não se trata de uma serpente animal, e sim de uma representação, um símbolo. Neste momento que novas perguntas aparecem. As serpentes são animais, seres mitológicos ou símbolo? Se for símbolo, a quem pertence? Eles estavam fascinados pela serpente ou por algo que parecia uma serpente?

SERPENTE COMO SÍMBOLO DA SABEDORIA

            Vamos imaginar: você foi até seu médico ou dentista, olhou o cartão e viu um símbolo, são duas serpentes enroladas em um bastão. Muito estranho não?

            Este símbolo não está por acaso nos cartões, e muitas vezes nem os médicos conhecem sua origem. O símbolo apresentado é Sumério, e representava Enki/Ea, um deus muito respeitado por mim, ao qual falaremos várias vezes neste blog. Vejam que é exatamente a representação do DNA (FIG.8). Escolhido por acaso para o símbolo do DNA?


            Nestes símbolos (FIG.7) podemos ver a representação real das serpentes. Elas são o conhecimento. O número oito também são duas serpentes, ou o infinito (FIG.9), que significa razão. O oito é o número Deus, segundo algumas tradições judaicas a cabalísticas.



AS CIVILIZAÇÕES DA SERPENTE ALADA

            Até agora falei de civilizações que utilizaram a serpente alada com parte de sua cultura, porém existem três civilizações, aonde a figura das serpentes aladas vai muito além. A grande serpente veio e fundou estas civilizações, ensinando, reinando e deixando muita saudade nos corações destes povos.

            Primeiramente falarei do grande dragão, que é conhecido como China. A história chinesa é envolta em grande mistério (assim como sua própria civilização), em minha opinião é um país impenetrável e de fortes raízes culturais e nacionalistas.

            Os chineses dizem que sua civilização foi fundada por Fu Xi ou Fu-Hsi (Taihao, Grande Luminoso e Paoxi), há cinco mil anos. Assim como em outras civilizações sua irmã, também era sua esposa, e tinha o nome Nu Wa ou Nu Kua. A ela é atribuída à criação da humanidade. É atribuído a Fu Xi a invenção da escrita, da caça e pescaria, do sistema de trigramas e hexagramas do Livro das Mutações (I-Ching). A disposição específica dos hexagramas, chamado de Disposição de Fu xi, é idêntica ao sistema de números binários (zeros e uns), introduzida na Europa e que é atualmente utilizado como a base de matemática moderna.

            Fu xi, senhor dos céus, civilizador e sábio, dono de um grande conhecimento. Nu Kua, mãe da China e criadora da humanidade. Apesar destes grandes atributos, sua aparência não agradaria a maioria das pessoas: ambos tinham corpo de serpente, cabeça de homem (isso mesmo) e virtude de sabedoria (FIG.10). Em representações mais recentes, Nu Kua aparece com cabeça de mulher (FIG.11).



           Huangdi, imperador amarelo, considerado o primeiro soberano da China, veio do céu em um dragão. Ele tinha o poder da luz (sabedoria), e podia voar em seu dragão no momento em que bem entendesse, assim como o leitor tem seu carro na garagem. Seu dragão voava pelo céu em impressionante velocidade, o no fim, em sua grande despedida, o grande dragão amarelo o levou embora para céu, do qual nunca mais voltou.

            Falarei de Yu, primeiro imperador da Dinastia Xia e do seu pai Gun. Primeiramente, Yu nasceu da barriga do próprio pai. Após nascer Yu desceu das alturas, e seu pai, Gun, virou um dragão amarelo (ou peixe negro). Ele não podia caminhar de maneira adequada, e seu andar ficou conhecido como “o andar de Xiu”.Este imperador venceu a grande inundação ou dilúvio. É lembrado pelas técnicas de controle de cheias e barragem, e por medir as dimensões do mundo, de norte a sul e de leste a oeste.

            O dragão chinês, muito venerado na China, é um ser de grande sabedoria, que participou da criação do mundo. É auspicioso e extremamente poderoso.  Como na Europa é utilizado em bandeiras nacionais e representa a civilização chinesa. Assim como Nu Kua, o dragões são regentes do tempo.

Atravessando todo o pacífico outra grande civilização amou e venerou a serpente alada. Como na China, a origem destes povos está diretamente ligada a ela. Estou falando dos Maias e dos Astecas, que se localizavam na América central.

            A China está a milhares e milhares de quilômetros da América, e mesmo assim, o mesmo “dragão” aparece.

            Quetzalcoatl (Asteca) (FIG.12), “serpente emplumada verde”, Kukulcan (Maia) (FIG.13 e 14), “serpente celeste”. São os principais deuses destas civilizações. Eles são os criadores do universo, senhores dele, residiam nas nuvens, ensinaram os humanos, criaram a civilização mesoamericana, a escrita e o calendário. Foram imperadores amados e sua partida deixou saudade. Ao partir prometeram voltar, e os espanhóis se aproveitaram disso na conquista do povo Asteca. Os moradores da região acreditavam que Hernan Cortes, espanhol conquistador, era Quetzalcoatl. 



Quetzalcoatl e Kukulcan eram ligados ao Sol (luz e conhecimento) e a Vênus (estrela da manhã). As marcas da aparição das serpentes aladas estão por todas as partes: em esculturas, desenhos e relatos, demonstrando que esta serpente emplumada ou celeste, era um meio de locomoção, assim como os dragões chineses. O Filho do Sol, Wiracocha (FIG.14), deus principal dos Incas, também teve os mesmo atributos, e uma serpente vem no alto de sua cabeça.

  
Existe uma escultura magnífica da serpente a qual Kukulcan viajava. Em Chichén-Itzá, é mostrada uma cobra, porém dentro de sua cabeça há um rosto bem humano (FIG.15 e FIG.16). Outra figura bastante interessante pode ser encontrada em um templo Asteca (FIG. 17).


Algumas respostas começam aparecer com as evidências que chineses, maias e astecas nos deixaram: a serpente está ligada ao conhecimento e sabedoria divina; está ligada a um poder inimaginável; é um meio de locomoção; é ligação entre o homem e o céu; é o símbolo de deus.

UMA BREVE HISTÓRIA TENETEHARA

            Para ilustrar o mito que irei contar é necessário que o leitor saiba quem são os Teneteharas ou Guajajaras:

            “Os guajajaras (também conhecidos como teneteara ou tenetehára) são um dos povos indígenas mais numerosos do Brasil. Habitam onze terras indígenas na margem oriental da Amazônia, todas situadas no Maranhão. Em 2000 sua população era de 13.100 pessoas.
A língua falada por eles é o teneteara, da família tupi-guarani. Sua história de mais de 380 anos de contato foi marcada tanto por aproximações com os brancos como por recusas totais, submissões, revoltas e grandes tragédias. A revolta de 1901 contra os missionários capuchinhos teve como resposta a última "guerra contra os índios" na história do Brasil.”

A lenda do povo teneteara ou Guajajaras (FIG.17) diz: O homem primitivo vivia na inocência, mas tinha o problema de andar em toda a parte com o pênis em estado de ereção. Tentava resolver, porém tudo era inútil. Sua mulher, compadecida de seu marido, procura ajudar. Consulta a serpente pedindo conselhos. A serpente responde que só com ato sexual isso seria resolvido. A mulher não sabia o que era aquilo. A serpente então tem relações com a mulher, ensinando-a como fazer. O criador ficou enfurecido e lhe disse: “De hoje em diante, teu membro genital permanecerá caído. Terá filhos e depois morrerás. Teus filhos também vão gerar outros filhos, mas todos morrerão.”

Qualquer semelhança com a Gênesis não é mera coincidência.


UMA BREVE HISTÓRIA NÓRDICA

Para ilustrar novamente, peguei na Wikipédia o conceito inicial de mitologia nórdica:

mitologia nórdica, também chamada de mitologia germânica,mitologia viking ou mitologia escandinava se refere a uma religião pré-cristã,crenças e lendas dos povos escandinavos, incluindo aqueles que se estabeleceram na Islândia, onde a maioria das fontes escritas para a mitologia nórdica foram construídas. Esta é a versão mais bem conhecida da mitologia comum germânica antiga, que inclui também relações próximas com a mitologia anglo-saxônica. Por sua vez, a mitologia germânica evoluiu a partir da antiga mitologia indo-européia.”

Na narrativa mitológica nórdica, os deuses viviam em paz no céu. Essa felicidade começou a acabar quando os habitantes do céu descobriram que o mágico Gullveig sabia os segredos da fabricação do ouro, mas não os revelava a ninguém, nem aos deuses.

Os deuses furiosos pegaram o mágico a força e o torturaram, e foi a origem de todos os males e todos os crimes. O pecado original não aconteceu na terra e sim no céu. Daí em diante nunca mais cessaram as tragédias e guerras no mundo. A violência e falsidade, a tirania, os assassínios invadiram todos os recantos do universo.

A catástrofe mundial provocada pelos deuses foi pavorosa: o sol foi engolido pelo lobo gigante; o mundo se cobriu de trevas e de neve; as montanhas se abriram, as rochas arrebataram; terremotos e maremotos sacudiam a terra; o ar se encheu de veneno; o céu ficou em chamas; os navios no mar eram guiados por fantasmas; cavalos de fogo passavam a galope pela ponte do arco-íris, que estremeceu e caiu aos pedaços.

Até os deuses bons morreram, envenenados pelo ar e foram tragados pelo Lobo. Incêndios, terremotos, cataclismos, enchentes, miasmas tornavam a vida impossível. Os homens e os deuses bons desapareceram; as estrelas se desprezaram do céu.

Felizmente essa catástrofe foi apenas um episódio, causado pelo pecado original do céu. Um novo mundo surgiu da tragédia universal. A grande Águia reapareceu voando pelo céu. Os prados cobriram-se de relva e flores. As cachoeiras voltaram a cantar.

            Surgiu uma nova geração de deuses. Os deuses bons ressuscitam e renovam o mundo. A grande catástrofe da tempestade tinha lavado o céu e a terra.  Os homens e os deuses puderam reiniciar a história sem a ambição do ouro. O novo mundo seria feliz e eterno. Desapareceram os monstros e os gigantes que fabricavam armas. Tem início uma nova era porque o Dragão Negro fugiu para longe.

O MESTRE DAS SERPENTES

            Um personagem bastante famoso entre islâmicos, cristãos e judeus, apareceu nos meus estudos de forma surpreendente. Esse personagem é o Arcanjo Gabriel (FIG.18).

            Ao ler pela décima quinta vez o Livro de Enoque, com foco no estudo das serpentes, eis que recordo deste versículo: “Gabriel, um dos santos anjos, o qual preside sobre Ikisat, sobre o paraíso e sobre os querubins.”

            Vamos por partes. Começo falando sobre presidir o paraíso e os querubins, lembrando do versículo da Genesis 3:24, tradução de Almeida corrigida e revisada: “E havendo lançado fora o homem, pôs querubins ao oriente do jardim do Éden, e uma espada inflamada que andava ao redor, para guardar o caminho da árvore da vida.”

            O interessante neste versículo é que ele fala de uma só vez em querubins e paraíso. Esse capítulo da Genesis trata da expulsão de Adão e Eva do Jardim do Éden, e da condenação da serpente. Podemos imaginar que se tratando de expulsão do paraíso e querubins trabalhando na defesa deste local, o anjo Gabriel deve ter participado ativamente deste episódio, executando as ordens divinas.

            Adão e Eva foram expulsos por comerem o fruto da árvore do conhecimento, do bem e do mal. Eles foram tentados por uma cobra que estava por ali, a espreita. Ao invés de asas ela falava e dava conselhos, assim como no mito da tribo dos Guajajaras.

Igual ao mito indígena, homem e mulher não conheciam o sexo, e foram ensinados pela serpente. Algum leitor pode achar que a Genesis não tem conotação sexual, porém afirmo que tem, pois, em 2:25, está escrito que homem e mulher não se envergonhavam de sua nudez, e quando comeram o fruto proibido o primeiro sentimento que os abate é a vergonha de estarem nus, segundo 3:7.

Voltemos a falar de Gabriel. Entre seus principais feitos estão: a revelação do Corão para Mohammad ou Maomé, o anúncio para Zacarias do nascimento de João Batista. Ele é chefe dos quatro anjos mais próximos de Deus, e viu o que Os Sentinelas ou Anjos Decaídos estavam fazendo na terra, denunciando-os, conforme O Livro de Enoque: “A Gabriel também o Senhor disse: Vai aos bastardos, aos réprobos, aos filhos da fornicação; e destrói os filhos da fornicação, a descendência das Sentinelas de entre os homens; trá-los e excita-os uns contra os outros. Fá-los perecer por mútua matança; pois o prolongamento de dias não será deles.”. Ele preside sobre tudo que é poderoso, e anunciou a Daniel a sucessão das potências mundiais e a vinda do messias. A ele coube a “mensagem” (em minha opinião a inseminação) da chegada de Jesus para sua mãe, a Virgem Maria. Segundo as tradições cristãs, por deus lhe foi confiada à maior das missões, o anúncio do filho de Deus.

Por esse incrível currículo, Gabriel torna-se peça importante na cultura religiosa das maiores religiões, as quais este texto não tem a intenção de ofender.

Gabriel, além de “administrar” o paraíso e os querubins, também presidia Ikisat. Ikisat, quer dizer As Serpentes! Associando paraíso, querubins e serpentes, temos a visão perfeita do Jardim do Éden, e imaginamos: ele esteve lá?
  

YAHWÉH X SERPENTE
           
            Dois clássicos exemplos da luta entre Yahwéh e a serpente estão representados na Gênesis e no Êxodo bíblico.

O Êxodo já foi apresentado como uma guerra entre os deuses egípcios e Yahwéh. Os deuses e seus sacerdotes contra Yahwéh e Moisés. O episódio do cajado que vira serpente é uma bela representação.

            Na Gênesis, Yahwéh adverte aos humanos sobre os perigos e sofrimentos do conhecimento, e ao mesmo tempo, Adão e Eva, vivendo feito animais irracionais no Jardim do Éden, adquirem a sexualidade e a inteligência, ao serem convencidos pela serpente a experimentar o fruto da árvore do conhecimento.

 A serpente novamente aparece relacionada à sabedoria, porém aqui ela ganha ares de ser malicioso. É claro que a visão do sexo mudará de povo para povo, mas a do conhecimento é sempre igual. Como disse no início do texto: nenhum conhecimento pode ser adquirido sem sofrimento, ou seja, sempre será necessário abrir mão de algo para possuí-lo. Neste caso Adão e Eva abriram mão de muitas coisas.

Há uma grande dúvida nas escrituras: Muitos dizem que a serpente era má, e maliciosa, mas o que ela fazia no Jardim, falando pelos cotovelos? O que fazia a árvore do conhecimento naquele local? Uma espécie de armadilha? Yahwéh, que segundo a bíblia tudo sabe, do passado, do presente e do futuro, criador de todas as coisas, não sabia que Adão e Eva seriam seduzidos pela serpente?  O escritor bíblico sabia muito bem o papel da escamosa, pois quando a condena na verdade está condenado seu símbolo.

Existe uma eterna luta entre o homem e o conhecimento (serpente), e o conhecimento nos destrói e envenena. Ao mesmo tempo, o conhecimento traz um poder imenso e uma reflexão triste de quem somos; pensamentos sobre a vida e a morte.

O símbolo da serpente vai muito além do conhecimento. Segundo as tradições de todos os povos quem detém o conhecimento? Eles. Os deuses! É pertinente que a lógica nos leve a entender que serpente é conhecimento, e conhecimento é o símbolo dos deuses. “Mas Deus bem sabe que, no dia em que dele comerdes, vossos olhos se abrirão, e sereis como deuses, conhecedores do bem e do mal.” E foi exatamente isso que a Serpente ofereceu. Nesse caso ela não tinha asas, mas tinha voz e convencimento.

Os escritores bíblicos, através do seu personagem principal, condenam outros deuses por todo livro. Alertando em muitos versículos sobre a fidelidade que deveriam ter com o único e verdadeiro deus, e sendo a serpente o símbolo primordial dos deuses/sabedoria, esta deveria ser condenada eternamente na figura do mal personificado e rastejante.

Esse tipo de pensamento nos levou aos tempos de trevas, e, ainda hoje, em muitas igrejas, é pregado que nenhum saber fora o bíblico cristão deve ser adquirido, pois tudo é tentação de Satanás, a serpente.

            Em minha opinião não há como Yahwéh e a serpente estarem em times apostos neste jogo da manipulação humana pelos deuses! Eles são um só e se completam!

A SERPENTE PRIMORDIAL

            Da Suméria, considerada a civilização mais antiga, de origem incerta e fundação incerta, foi onde encontrei a Serpente Primordial. Localizava-se ao sul da mesopotâmia, entre os rios Tigre e Eufrates, a eles é atribuída à invenção da escrita, da astronomia, medicina, ciência, arquitetura, arte, engenharia, das leis, ou seja, da civilização.

            Povo misterioso, que segundo os historiadores decidiu sair do Irã e se fixar na Caldeia, construindo tudo isso do nada. Deviam ser realmente geniais, pois só foram geniais na Caldeia, quando estavam no Irã eram selvagens e pré-históricos, fazendo tudo isso muito sentido, realmente!

            Esquecendo historiadores e estudiosos de origem ocidental, e provavelmente cristã, com mentalidade judaico-greco-romana, perguntemos aos próprios sumérios sobre sua origem. Eles afirmavam que o povoamento civilizado começou na cidade de Eridu (Lar Distante), trazido pelo deus Ea/Enki (fig.20).


            EA/Enki era o deus das águas doces, filho primogênito de Anu (senhor dos céus).  Por que água doce? Porque água tinha o mesmo significado de sabedoria e conhecimento. Sendo assim era muito mais que o deus das águas, era o deus do conhecimento, o mais sábio, portando os segredos da vida e da morte.

            Sendo EA primogênito de Anu, foi considerado o príncipe do céu. Em certo momento foi enviado com 50 heróis para um lugar chamado Ki (significa Planeta Terra), em uma carruagem celeste. Quando chega a Ki, EA é nomeado Enki (significa Senhor do Planeta Terra), e inicia um processo de exploração de minerais da água, principalmente ouro! Enki diz as seguintes palavras, segundo as tábuas sumérias: “Quando eu me aproximei vi verdes pradarias. Ao meu comando foi dada a ordem para provar se havia água potável. Ao meu comando foi dada a ordem para provar se havia alimento apropriado. Ao meu comando foi dada a ordem para provar se os gases eram respiráveis.

            Após construir Eridu (significa Lar Distante) em seis dias, Enki e os 50 heróis descansaram no sétimo! Sendo um dia a ser guardado, com festejo e recordação. Enki é pai de Ziusudra (pseudônimo do autor deste texto), o Homem de Shurrupak, que recebeu em sonho a notícia do dilúvio e instruções para construir um barco.

            Enki cria humanidade com a ajuda da deusa Nintu (Ninhursag), através de deuses sacrificados, misturando argila com a carne e sangue destes deuses. O motivo está no texto chamado “O nascimento do homem”: “Quando os deuses agiam como homens, eles faziam todo trabalho, e muito labutavam. O trabalho era enorme, grande o esforço, pois os deuses do céu, os Anunaki, faziam os Igigi, os deuses mais jovens da Terra, carregar uma carga sete vezes maior (15)”. Estes deuses mais jovens começaram a clamar, e Namu, mãe de Enki escuta o clamor. Ela chama seu filho para dar uma solução (Enki era o mais habilidoso Senhor da terra), e a solução foi criar a humanidade para trabalhar no lugar dos deuses.

            O mais impressionante desta passagem, é a demonstração de que os deuses eram carnais, e em outras palavras pediram sua própria morte, pois os mesmos não agüentavam mais o trabalho. Através de corpos de deuses, cria-se a raça humana.

            Outro mito impressionante é o de Adapa (Oannes) (FIG.21), criado para fazer o trabalho de sacerdócio no lugar de Enki: "Ele (Enki) fez com que o conhecimento amplo fosse perfeito nele, para descobrir os desígnios da terra. Para Adapa, Enki deu sabedoria, mas não lhe concedeu a vida eterna “(38).

            Adapa é convocado para uma assembléia com Anu, pai de Enki e Senhor do Céu. Enki avisa Adapa, que para fugir da fúria de Anu, não deve comer o pão e nem beber da água que Anu oferecer, pois estes são o alimento e a bebida da morte. Na assembléia Adapa não aceita a bebida e nem a comida, e revela o motivo para Anu:"Eles trouxeram-lhe pão da vida, mas Adapa recusou todo tipo de alimento. Eles trouxeram-lhe as águas da vida, mas Adapa recusou-se a beber. Eles trouxeram até Adapa novas vestimentas, que o sacerdote de imediato vestiu. Eles lhe trouxeram óleo, e Adapa ungiu-se [com prazer e reverência]. Anu, que a tudo assistia, voltou-se para Adapa: ‘Ora, Adapa, por que não quiseste comer? Por que não quiseste beber? Não queres te transformar num imortal?" (39). Na verdade o pão e a bebida eram a vida e não a morte! Logo após Adapa diz: Oh, grande Anu, eu vos saúdo! O privilégio de tornar-me divino, devo recusar, mas jamais esquecerei a honra que vós tivestes por bem conceder a mim. Sempre no meu coração recordarei vossas palavras, e minha memória irá reter para sempre a vossa grande bondade para comigo. Grande Senhor, não me culpais por demais, mas devo partir, pois meu deus aguarda o meu retorno" (40).

            Por esta ação deliberada de Enki, ele é comparado a Serpente do Jardim do Éden. Neste caso saio em defesa de Ea! Na verdade Enki ajuda o seu pupilo, Adapa, pois comer e beber da imortalidade, e ser como os deuses é um mal. Vejam as palavras de Anu: "Por que Ea ensinou à triste humanidade os segredos do céu e da terra, por que dar-lhes um coração atribulado? Foi Enki quem lhes deu este dom!" (41).

            O que Anu quer dizer com esta frase? A sabedoria é uma maldição que Ea não deveria conceder a humanidade (por que dar-lhes um coração atribulado?). Na verdade ao enganar Adapa, Enki evita dar mais um mal ao seu pupilo, que seria a imortalidade e o tédio eterno. A morte carnal é um passo importante, um recomeço que Ea nos concedeu!

O artigo trata da Serpente Alada, e Enki é a primeira! Seu símbolo era a Serpente! Como veio em uma carruagem celeste era uma Serpente Alada. As duas cobras da sabedoria são dedicadas à Ea, assim como o número 8, ou infinito, sendo o número de deus! Essa serpente da sabedoria é a chave para todas as outras dos primórdios da humanidade.

            A história de Adapa comprova que Ea é Yahwéh, e Yahwéh é a serpente. Na figura de criador nos deu a vida, e na figura de serpente nos deu o livre arbítrio, sendo deliberadamente um ato de bondade que as religiões modernas não foram capazes de entender. Ele nos deu a sabedoria e a mortalidade, para que tivéssemos oportunidade de um novo recomeço.

Vejam o tetragrama: YHWH + EA= YAHWÉH!

Abrão levou estas histórias consigo quando saiu da Suméria, assim como outros que povoaram mundo a fora, em tempos anteriores e posteriores! Vieram o judaísmo, o cristianismo e o Islamismo, mitificando, deturpando e despersonificando o seu próprio deus. 

UMA POLÊMICA CONCLUSÃO

            Consideramos o mais antigo dos homens como um grande contador de estórias, com grande imaginação, trazendo suas visões para nossa lógica de “suicidas emocionais”, onde o mundo está classificado somente naquilo que podemos ver e provar.

A primeira conclusão que tive foi que essas serpentes aladas poderiam ser algum fenômeno astronômico. Descartei! Pois deuses pousavam seus dragões e fundavam civilizações, recebendo o símbolo da serpente

            A Serpente Alada é o símbolo dos deuses, que categoricamente não eram espirituais (seus corpos poderiam ser mortos). Esses deuses eram extremamente sábios, não sendo naturais deste planeta.

Vinham do céu, nas serpentes aladas ou dragões, e acredito ser por esse motivo que tenha surgido o símbolo da sabedoria e dos deuses. Talvez o rastro deixado por essas naves seja semelhante ao dos aviões modernos, um rastro de fumaça em forma de serpente. Chineses, maias, astecas, egípcios, celtas e sumérios admitem esta visão. Eles falam por si mesmos, e isso não há como contestar, por mais que nossas mentes, judaico-greco-romanas, não consigam absorver tais fatos. 

O símbolo exerceu tanto fascínio porque é sabedoria, ao qual sempre buscamos mais e mais, ao qual queríamos adquirir com dos deuses. Uma coisa tão bela e sedutora quanto uma maçã suculenta na árvore.

E por fim: como podem civilizações tão distantes, tão diferentes, em ambientes diferentes, separadas pelo oceano, cultuarem a mesma serpente? Em minha opinião, isso foi possível pelo motivo que os próprios antigos nos explicaram. Os deuses (FIG.22) vieram em suas serpentes e fizeram acontecer!