quinta-feira, 30 de agosto de 2012

(VÍDEO) A BÍBLIA NÃO TINHA RAZÃO. Parte 03 Legendado (HD)

(VÍDEO) A BÍBLIA NÃO TINHA RAZÃO. Parte 02 Legendado (HD)

(VÍDEO) A BÍBLIA NÃO TINHA RAZÃO. Parte 01 Legendado (HD)

(VÍDEO) A História Secreta do Cristianismo: Os Rivais de Jesus.

(FILME) REI DOS REIS - 1927 - Completo em Português

(VÍDEO) Lair Amaro Faria e a Vida de Jesus psicografada ( História x Espiritismo)

(VÍDEO) André Leonardo Chevitarese e a pesquisa sobre o Jesus Histórico

(VÍDEO) Mistérios da Bíblia - Os Reis de Israel.

(VÍDEO) Os Quatro Cavaleiros do Ateísmo

(VÍDEO) Textos banidos da Bíblia

(VÍDEO) Desconstrução do Mito de Jesus Cristo ( O Jesus Histórico e o Cristo da Fé)

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Richard Carrier e o Jesus mito de Bart D. Ehrman



Richard Carrier publicou um artigo em seu blog, em que critica fortemente a "Bart Ehrman para atacar apoiantes do" pressuposto de que Jesus é um mito e não uma pessoa em carne e sangue, o ataque reproduz o conteúdo do "livro de Ehrman, Jesus existe? O argumento histórico de Jesus de Nazaré. De acordo com Ehrman, as posições de "misticisti" ("Mythicism" Inglês é o nome da hipótese de que eles vêem Jesus como um mito e não uma figura histórica) são infundadas e apoiado apenas por amadores.

Transportadora especializada em história antiga, e tem dado recentemente para a História de imprensa Provando, o Teorema de Bayes e a busca pelo Jesus histórico, criticando a metodologia histórica atualmente utilizados em estudos sobre a figura histórica de Jesus, oferece uma nova abordagem historiográfica com base no Teorema de Bayes, e antecipar em expor a sua aplicação ao caso do Jesus histórico, o sujeito aplicação a um volume subsequente. À luz da experiência da Carrier e suas posições estão relacionadas com "misticismo" nos estudos sobre o Jesus histórico, eu acho que é interessante observar sua reação ao artigo de Ehrman.
Ataque à liberdade acadêmica

Transportadora afirma que Ehrman não informou seus leitores sobre a existência de estudiosos acadêmicos que apóiam a miticista posição como Thomas Thompson, que, em seu livro, O Mito Messias ", prevê a possibilidade de um Jesus histórico, mas conclui que o "Jesus" do Novo Testamento é mítica, e chama para um renovado estudo da questão da historicidade em geral. " Referindo-se ao livro não é este o carpinteiro? A questão da historicidade da figura de Jesus, próximas notas, portador que:
Thompson (como co-autor) conclui que "às vezes você pode provar que a aceitação acrítica de figuras históricas, como o Novo Testamento de Jesus, Paulo e os discípulos ignora e desconhece as funções implícitas de nossos textos" (p. 8 É Este Não o carpinteiro?) ea possibilidade de que Jesus nunca existiu "precisa ser considerada de uma forma mais abrangente" do que a atitude de desprezo do historicista (como Ehrman) permitido (p. 10). No momento em que todos nós temos, diz Thompson, é um "Jesus histórico" que "é um derivado da cultura hipotética acadêmica", que "não é mais verdade do que uma Moisés igualmente hipotético ou David."
Nas notas de adição, Carrier, Ehrman parece feliz com o fato de que nenhum torcedor do acadêmico miticismo tem uma cadeira, enquanto afirmando que o não seria miticista precisamente porque o mundo acadêmico atual se recusariam a concedê-lo. Se Ehrman, como membro do mundo acadêmico, se orgulha do fato de que não é possível para um miticista obter uma cadeira, isso significa que a situação actual é contrária à liberdade acadêmica, pelo menos desde o miticista endossar a tese, e que Assim, a propagação da miticismo só pode ter lugar fora da universidade.
Erros factuais
Pontos transportadora os erros factuais no artigo de Ehrman, acredita que a grave mesmo que ele não é um artigo acadêmico.
Pôncio Pilatos

 O primeiro erro diz respeito a Pôncio Pilatos.
Ehrman diz que não é de estranhar que Jesus não é mencionado por fontes contemporâneas como "nem mesmo [...] a figura mais importante e poderoso de sua época, Pôncio Pilatos" é "qualquer fonte mencionada pela época romana '. Transportador tem, no entanto notar que não só há uma menção de Pilatos na guerra judaica de Flávio Josefo, o procurador romano, e que também é chamado na obra de Philo Embaixada a Gaio, mas neste mesmo trabalho continha um livro dedicado à Filo Sejano e Pilatos, para apresentar ao imperador (Gaio) Caligula a perseguição dos judeus romanos, mas que este capítulo não foi preservado por copistas cristãos, ao contrário do resto da obra, e se este livro continha uma referência à vida de Jesus, foi provavelmente copiado e transmitido.
Também Philo, que viveu em Alexandria e os cristãos eram conversões e confusão gerada (de acordo com os Atos dos Apóstolos) não faz nenhuma menção dos cristãos, a conclusão, Carrier, diz, é que os textos cristãos não são confiáveis ​​a este respeito ver e que, portanto, "o silêncio de Philo é uma testemunha contra a existência de Jesus, como descrito nos Evangelhos."
Finalmente, ao contrário de Jesus, a existência de Pilatos é comprovado até mesmo por um achado arqueológico, um objeto que foi provavelmente encomendado pelo Pilatos: a inscrição de Pilatos, um testemunho da época original de Pilatos a ele diretamente atribuíveis , que não pode ser dito para Jesus. Notas de Transporte que, é claro, podemos dizer que Jesus não era nem remotamente famoso como Pilatos, e isso seria uma explicação aceitável. Mas não é o que aparece nos evangelhos, e, acima de tudo, não é a posição escolhida pelo Ehrman.
Fontes
Em seu artigo, Ehrman diz:
com relação a Jesus, nós temos várias testemunhas independentes de sua vida nas fontes que estão por trás dos evangelhos (e os escritos de Paulo), as fontes que originaram na língua nativa de Jesus, o aramaico, e que podem ser datadas a apenas um ou dois anos após sua morte (antes da conversão para a religião passou multidões de pagãos.

Portador nega Ehrman. As fontes que estão por trás os evangelhos não estão disponíveis para nós, são apenas hipotético (como a fonte Q) e contestada por alguns estudiosos.
Um testemunho antigo que temos é 'I' contido na Primeira Epístola aos Coríntios 15: 3-8, o que Paulo diz que ele recebeu. Transportadora nota que esta crença não é em aramaico, que não são as palavras de Jesus, que não sabem a data de composição, que não contém referências a Jesus vivo na Terra.
O fato de você dizer que Jesus apareceu ou foi ensinado ou feito alguma coisa antes de sua morte não é algo a esconder debaixo do tapete. Nem que a única fonte dada por sua morte e sepultamento nessa crença é a escrita, enquanto a fonte de seu ministério "depois" (pós-mortem) é dito ser o ponto de vista, e só durante as "revelações" ( Gálatas 1: 11-12 [...]). Da mesma forma, note que muitos homens divinos "morreu, foi sepultado e ressuscitou", ou algo semelhante, e, portanto, acredito que overs Paulo esta testemunha em favor da historicidade de Jesus mais do que eles fazem para que de Osíris [ ...]. Nada disso significa que Jesus nunca existiu, mas que definitivamente torna isso possível. Se Ehrman não percebem isso, então não é objectiva ou razoável.
Ausência de paralelo
Ehrman argumenta em seu artigo que "não temos nenhuma evidência de outras pessoas que nascem de mães virgens, e que morreu para o perdão dos pecados e foram ressuscitados dos mortos (apesar do que sensacionalista reclamada repetidamente elogiado em suas versões)."
Transportadora notas que Ehrman é direito de dizer que tal figura não existe, mas que é injusto da parte dele dizer que esta é a posição de miticisti.
Transportadora diz que:
Não miticista competente faz com que essas declarações. Argumentar que os deuses nascidos de virgens eram um fenômeno comum na região naquela época e os deuses da morte-e-ressuscitados eram tão comuns e aí então (assim como eles tiveram em outros lugares, por exemplo, na China), eo fato de que Os judeus começam subitamente parece ter um também pode ser explicado facilmente em termos de teorias padrão de difusão do culto.
[...]
O sincretismo religioso é o processo de combinar idéias de diferentes fontes, muitas vezes as idéias mais populares ou mais útil em um novo single, criando uma nova religião. Todas as religiões são produzidos desta forma, e este é certamente verdadeiro para Cristianismo (quer dizer de outra forma seria contra todos um conhecimento a priori, bem como todos os ensaios). O judaísmo tem um componente importante de sacrifícios no perdão dos pecados de toda uma nação, uma crença no Espírito Santo que fez dos filhos judeu soberano de Deus [...], uma tendência para difamação ascética da sexualidade. O paganismo era um componente importante de mortos salvadores deuses-e-ressuscitados, que também oferecidas maneiras de purificar os seus seguidores e proporcionar-lhes a entrada para o paraíso - e não necessariamente através da sua morte, mas sempre de alguma forma, e muitas vezes rituais de batismo através do qual antecipou grande parte da adoção de um ritual cristão, o mesmo ou semelhante [...], os pagãos tinham muitas tradições sobre os filhos de Deus nascido de uma virgem. Observe o que acontece quando você combina isso com os judeus, Cristianismo Pagão é obtido. Na verdade, este é o que quase certamente aconteceu, e, portanto, não deve sequer ser questionada.
Segundo Carrier, ou Ehrman está dizendo que não há outras divindades tinham todas essas características, de modo que ninguém é refutar uma teoria propõe, ou que nenhuma dessas características foi a primeira vez concedido a uma divindade de Jesus, e então ele se encontra.
Messias condenado à morte
Ehrman cita sem nomear o critério do constrangimento, um critério utilizado para estabelecer a historicidade de um provérbio ou um evento no campo de estudo do Jesus histórico, quando diz que nenhum judeu seria inventar um personagem como a de Jesus:
Os primeiros seguidores de Jesus disse que era um Messias crucificado. Mas antes do cristianismo, não havia nenhum judeu, de qualquer tipo, achava que havia um futuro Messias crucificado. O Messias seria uma figura majestosa e poderosa que derrubou o inimigo. Qualquer um que queria inventar um messias teria pensado assim.
Transportadora diz que ele refutou essa alegação é provou ter como irrelevante. O Livro de Daniel, na verdade, refere-se a um Messias morrer (Daniel 9: 26) eo documento de Melquisedeque (ou 11Q13), datando do II-I aC, se identifica com esse Messias que irá limpar o mundo do pecado; d "Por outro lado, alguns judeus acreditavam que o Messias, filho de Joseph, foi morto por seus inimigos, e este número não foi derivada do Jesus dos cristãos. Talvez Ehrman pretende contestar essas posições em seu livro, mas certamente não parece reconhecer a crítica de sua visão do Messias.
Transportador também observa que, quando ele diz que qualquer um que queria inventar um messias, ele teria imaginado como "uma figura majestosa e poderosa que derrubou o inimigo", Ehrman está cometendo um grande erro:
O único tipo de figura messiânica que podiam inventar um que não seria assim. Caso contrário, todos teriam notado que nenhum ser divino havia libertado Israel militarmente e ressuscitou todos os mortos do mundo. Isto significa que a probabilidade de a conclusão ("qualquer pessoa que queria inventar um messias teria pensado assim") sobre a hipótese, "Alguém inventou um Messias" é exatamente zero.
[...]
Isto significa que se "alguém tenha inventado um Messias", podemos estar absolutamente certos de que esta, essencialmente, para se assemelhar a Jesus Cristo. Um ser que ninguém percebeu, que não fez nada para publicamente observável, mas, no entanto, ele completou sua tarefa messiânica, embora apenas espiritualmente (exatamente como, contra a qual ninguém pode fornecer qualquer prova).

James, o irmão de Jesus
Ehrman aponta que Paulo, que escreveu alguns anos após a morte de Jesus, ele conhecia pessoalmente o discípulo mais próximo, Pedro, e seu próprio irmão, James, e efetivamente glosa: "Se Jesus não tivesse existido, você pensaria que seu irmão faria conhecido. "
Pontos transportadora que Paulo já não chamar Tiago, "o irmão de Jesus", mas "o irmão do Senhor". Este título está ligado à atribuição a Jesus o título de "Senhor" e, portanto, de acordo com a Carrier, é um produto do cristianismo, uma forma de adoração:
Sim, [James] poderia ter obtido o título de culto para ser realmente o irmão de Jesus, mas poderia esserselo ganhou simplesmente por ser um cristão batizado. Uma vez que todos os cristãos foram batizados filhos de Deus, exatamente como Jesus (Romanos 1: 3-4), Jesus era apenas "o primogênito entre muitos irmãos" (Romanos 8: 29), o que significa que todos os cristãos eram irmãos o Senhor [...].
Todos os cristãos eram irmãos do Senhor, de acordo com as visões religiosas delas, há muitas canções que confirmam Paulo: Romanos 8: 15-29, 9: 26; 3 Gálatas: 26-29, 4: 4-7, e Os cristãos foram ensinados explicitamente que Jesus havia chamado todos os seus irmãos em Hebreus 2: 10-16, através de uma "mensagem secreta" nos Salmos (Salmos 22: 22). Sua inspiração óbvia originou a partir do que eles pensavam que era uma Escritura, os Salmos de Salomão 17: 26-27 que Paulo parece-me citar, e prevendo que o Messias teria recolhido um povo escolhido e que iria designar todos os filhos de Deus (e, portanto, irmãos ).
Transportadora em seguida, compara essa hipótese, o irmão do Tiago do Senhor ", como um cristão batizado, com o que quer que esse atributo ligado ao relacionamento familiar de Tiago e de Jesus à luz da doutrina cristã que todos os cristãos batizados viu nos filhos de Deus e depois dos "irmãos do Senhor". Sua conclusão suporta a primeira hipótese, já que o último exigiria uma política de restringir o uso do título só Giacomo de que há provas de que Paul.
Escassez de outras fontes
Transportadora finalmente fornece uma visão geral dos restantes "fontes", evangelhos, cartas paulinas, citações que datam do século II.
Como Ehrman provavelmente admitir, os textos evangélicos têm conteúdo mitológico muitos, ou não há um núcleo histórico deve ser investigada e não tida como certa. Paulo admite apenas duas fontes para suas citações de Jesus: Escritura e da revelação divina. Os documentos segundo século, incluindo as citações de Tácito, não são independentes a partir do material do século e como tal deve ser tratada. "Não há necessidade de um Jesus histórico que," brilho do portador.
Que conclusões?
Eu tenho grande respeito por Ehrman, e para todos os estudiosos do nível académico do Jesus histórico, e, portanto, só posso tomar nota do esmagador consenso a respeito da historicidade real de Jesus
Mas acho que é análise bastante convincente de Ehrman Transportador artigo, na pendência de uma revisão do livro, nomeadamente no que respeita à crítica do miticismo insubstancial que Ehrman apresenta um breve ensaio publicado no Huffington. No estado actual das coisas, hipotecar a minha conclusão de que da Transportadora:
Obviamente, isso não é remotamente suficiente para provar que Jesus nunca existiu. Há ainda debatem as provas e testar a lógica de raciocínio. Mas deve ser suficiente para mostrar que esta é, pelo menos, uma teoria respeitável de ser tidos em conta. Enquanto é analisado de uma forma competente e com a devida atenção aos fatos, lógica e produção comparação de pares, por que não?

Bart D. Ehrman, "Será que Jesus existiu?" Huffington Post, 20 Março 2012, Richard Carrier ", Ehrman Trashtalks Mythicism," Blogs Richard Carrier, 21 Março 2012, Neil Godfrey, "Bart Ehrman huffing e Destacamento Contra Mythicism" Vridar, 22 março 2012. A imagem de inscrição de Pilatos é Cesaréia Marítima 2010-09-23 09-28-35 2, Berthold Werner [GFDL ou CC-BY-SA-3.0-2.5-2.0-1.0], através da Wikimedia Commons.


terça-feira, 21 de agosto de 2012

o Deus Pai de Jesus e o Deus de Marcião



NÃO MATARÁS

Ex. 20:13


Este é o sexto mandamento da lei de Jeová. Quem lê os dez mandamentos da lei de Jeová fica com a forte impressão de que não são apenas ordens a serem obedecidas e cumpridas, mas também encontramos neles, de forma singela, o caráter moral de Deus na sua mais pura impressão. O decálogo é a fotografia escrita de Jeová.

Quando Jeová diz: NÃO MATARÁS, ele está afirmando que não quer a morte do homem.


“Porque não tomo prazer na morte do que morre, diz o Senhor Jeová convertei-vos pois e vivei” (Ez. 18:32).

“Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor Jeová, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva: convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois por que razão morrereis, ó casa de Israel?” (Ez. 33:11).

Estas declarações de Jeová Deus nos fazem compreender o valor que o criador dá ao homem ímpio, isto é, não bom, que é o que quer dizer a palavra ÌMPIO. O ímpio é o pecador perdido. Com estas três declarações, Jeová Deus nos leva a entender o valor da alma humana aos olhos de Deus. É tanto esse valor que o apóstolo João diz:


“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça mas tenha a vida eterna” (Jo. 3:16).


Paulo apóstolo diz: “Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores; dos quais eu sou o principal” (I Tm. 1:15).

E continua falando o grande apóstolo dos gentios:

“Que diremos pois a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Rm. 8:31).

Deus é a favor do ímpio, isto é, do pecador perdido. Por isso Jeová Deus declarou que não quer, não deseja e não tem prazer na morte do ímpio pecador, antes quer e deseja que o ímpio se converta dos seus maus caminhos e viva, por isso fala pela boca de Isaías, dizendo:

“Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converta a Jeová que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar” (Is. 55:7).

Jeová ama os homens e não quer matá-los, então, nas tábuas da lei, escreveu o sexto mandamento: NÃO MATARÁS. Ele, que se diz o criador dos homens, não quer que o homem morra, e assim proíbe o próprio homem de matar o semelhante. Mesmo antes de dar sua divina lei, Jeová aborrecia o homicídio, e Caim recebeu a maldição de Jeová por ter matado a seu irmão Abel.

“E disse Deus: Que fizeste? A voz do sangue do teu irmão clama a mim desde a terra. E agora maldito és tu desde a terra, que abriu a sua boca para receber da tua mão o sangue de teu irmão. Quando lavrares a terra, não te dará mais a sua força; fugitivo e vagabundo serás na terra” (Gn. 4:10-12).

É um crime hediondo tirar a vida do homem criado à imagem e semelhança de Deus. Logo após o dilúvio, disse Deus a Noé:

“E certamente requererei o vosso sangue, o sangue das vossas vidas; da mão de todo animal o requererei; como também da mão do homem e da mão do irmão de cada um requererei a vida do homem. Quem derramar o sangue do homem, pelo homem o seu sangue será derramado; porque Deus fez o homem conforme a sua imagem” (Gn. 9:5-6).


A vida do homem é tão importante, que mesmo de um animal selvagem e sem entendimento algum, Deus vai requerer a vida do homem morto.

Se Deus, nas páginas das Sagradas Escrituras, dá tanto valor à vida do homem, tanto no Velho como no Novo Testamento, e se o próprio Jeová proíbe tirar a vida do homem, então pergunta-se:

1- Por que Jeová matava e destruía os homens? Gn. 6:7

2- Por que os matava com requintes de vingança? I Sm. 15:2-3
3- Por que matava inocentes? Is. 14:21
4- Por que ensinava a matar? Dt. 13:6-9
5- Por que Jeová se deleitava em matar e destruir? Dt. 28:63


A graça sobre os do Novo Testamento e a falta da graça sobre os do Velho Testamento comprometeu a justiça de Deus. Era o próprio Jeová quem matava os homens. Ele era bom para uns e mau para outros.


“Vede agora que eu, eu o sou, e mais nenhum Deus comigo: eu mato, e eu faço viver; eu firo, e eu saro; e ninguém há que escape da minha mão” (Dt. 32:39).

Analisemos um caso envolvendo o caráter do Deus Jeová. Quando Caim matou Abel, Jeová lhe chamou a atenção dizendo que a terra abriu a boca para receber o sangue de Abel (Gn. 4:8-12). Caim, até a morte, se tornou maldito de Jeová. Mas no livro de Números temos uma história semelhante. Leiamos o trecho:

“E Coré, filho de Jizar, filho de Coate, filho de Levi, tomou consigo a Datã, e a Abirão, filhos de Eliabe, e a Om, filho de Pelete, filhos de Rubem, e levantaram-se perante Moisés com duzentos e cinqüenta homens dos filhos de Israel, maiorais da congregação, chamados ao ajuntamento, varões de nome. E se congregaram contra Moisés e contra Arão, e lhes disseram: Demais é já, pois que toda a congregação é santa, todos eles são santos, e Jeová está no meio deles: por que pois vos elevais sobre a congregação de Jeová?” (Nm. 16:1-3).


Foi uma rebelião. Aqueles três homens queriam tomar à força o lugar de Moisés no comando da congregação de Israel. Depois de uma discussão, Moisés ordenou ao povo que se afastasse das tendas daqueles três homens. Datã e Abirão se puseram à porta das suas tendas, juntamente com suas mulheres, e seus filhos e suas crianças (Nm. 16:27).

“Então disse Moisés: Nisto conhecereis que Jeová me enviou a fazer todos estes feitos, que do meu coração não procedem. Se estes morrerem como morrem todos os homens, e se forem visitados como se visitam todos os homens, então Jeová me não enviou. Mas se Jeová criar alguma coisa nova, e a terra abrir a sua boca e os tragar com tudo o que é seu, e vivos descerem ao sepulcro, então conhecereis que estes homens irritaram a Jeová. E aconteceu que, acabando ele de falar todas estas palavras, a terra que estava debaixo deles se fendeu. E a terra abriu a sua boca, e os tragou com as suas casas, como também a todos os homens que pertenciam a Coré, e a toda a sua fazenda. E eles e tudo o que era seu desceram vivos ao sepulcro, e a terra os cobriu; e pereceram no meio da congregação” (Nm. 16:28-33).


Caim se irou contra seu irmão Abel e fez com que a terra abrisse a sua boca para receber o seu sangue, fato este reprovado e condenado por Jeová. Mais tarde, Jeová, irado contra Coré, Datã e Abirão, faz com que a terra abra a sua bocarra e engula vivas famílias inteiras incluindo mulheres, filhos e crianças? Matar os filhos, pelos pecados dos pais era proibido pelo próprio Jeová na sua lei dada a Moisés no monte Sinai.


“Os pais não morrerão pelos filhos, nem os filhos pelos pais: cada qual morrerá pelo seu pecado” (Dt. 24:16).

Que se pode esperar de um povo cujo governo não respeita as próprias leis? Façam o que eu digo e não façam o que eu faço? Jesus, sobre este comportamento diz as seguintes palavras:

“Na cadeira de Moisés estão assentados os escribas e fariseus. Observai, pois, e praticai tudo o que vos disserem; mas não procedais em conformidade com as suas obras, porque dizem e não praticam;” (Mt .23:2-3).


Estaria Jesus fazendo alguma alusão, ao comportamento de Jeová, que trouxe à luz várias gerações de hipócritas? Uma coisa jamais poderá ser negada ou contestada. Jeová pecou contra o seu próprio mandamento, mas não pode ser julgado e amaldiçoado como Caim. O que mais compromete a justiça de Jeová é o fato de afirmar que não tem prazer na morte do pecador, antes deseja que se converta dos seus maus caminhos e viva. Esta afirmação parece hipócrita quando mata indiscriminadamente crianças inocentes e que nunca pecaram, só porque Jeová aborreceu os pais.

Essa história de aborrecer é algo que não fica bem para um Deus. Não se coaduna com a natureza de Deus. Aborrecer é sentir horror a alguém, abominar, detestar, desgostar, sentir aversão, enojar-se, etc. Aborrecer ou amar são movimentos da alma imperfeita dos seres humanos. As almas só evoluem, quando se libertam dessas paixões inferiores, e aprendem a perdoar, amar, esperar. Um homem só é racional quando não se deixa dominar por um ímpeto negativo. Um homem educado não revela nos seus atos nada que possa comprometer a sua dignidade diante dos outros, mas um homem verdadeiro não pensa nem sente nada que possa escandalizar a sua consciência. Um homem educado tem vergonha em público, mas um verdadeiro homem tem vergonha de si mesmo; ter vergonha só em um público é ser hipócrita. Até as meretrizes se vestem em público.


Aborrecer o próximo é próprio das pessoas ignorantes e medíocres. O apóstolo João, chamado apóstolo do amor, aquele que estava sempre recostado no peito de Jesus, e aprendeu na escola do amor do Mestre dos mestres, nos ensina os seguinte:


“Aquele que ama a seu irmão está na luz, e nele não há escândalo. Mas aquele que aborrece a seu irmão está em trevas, e anda em trevas, e não sabe para onde deva ir; porque as trevas lhe cegaram os olhos” (I Jo. 2:10-11).


“Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Quem não ama a seu irmão permanece na morte. Qualquer que aborrece a seu irmão é homicida. E vós sabeis que nenhum homicida tem permanecente nele a vida eterna” (I Jo. 3:14-15).


Aborrecer alguém, à luz do Evangelho, é um sentimento tão baixo e mesquinho, que o apóstolo do amor enquadra como homicídio. O Deus, que Jesus Cristo veio revelar, e a quem chamava PAI NOSSO, nunca aborreceu ninguém pois ama a todos, bons ou maus, justos ou injustos, sãos ou doentes, santos ou pecadores. Esse amor de Deus é expresso no Evangelho de João com as seguintes Palavras:


“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo. 3:16).

Querendo o apóstolo João deixar bem clara a verdadeira natureza do Deus Pai revelado em Jesus Cristo, continua dizendo:

“Amados, amemo-nos uns aos outros; porque a caridade é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é caridade” (I Jo. 4:7-8).


É pena que Jeová aborreça seus filhos - Salm.11:5 e 78:59.

Jesus Cristo, cuja missão foi revelar o Pai, o reino do Pai, a vida eterna que está no Pai e o amor que vem do Pai, afirma que para se descobrir quem é o Pai não se deve esmiuçar textos comparativos do Velho e Novo Testamento para provar convicções teológicas. Assim como pelo fruto se conhece a árvore, pelas obras se conhece o verdadeiro Deus. Leiamos as declarações de Jesus, quando Filipe lhe interrogou dizendo:

“Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta” (Jo. 14:8).

“Disse-lhes Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? quem me vê a mim vê o Pai: e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês tu que eu estou no Pai, e que o
Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras. Crede-me que eu estou no Pai, e o Pai em mim: crede-me, ao menos, por causa das mesmas obras”(Jo. 14:8-11).


Jesus está ensinando que o verdadeiro Pai não é conhecido por palavras, profecias, afirmações pessoais, demonstrações de poder, juízos, destruições, mortandades, pestes e pragas, mas pode ser conhecido através das obras de Jesus Cristo, isto é, através das obras do amor. Disse Jesus aos religiosos da sua época:


“Tenho-vos mostrado muitas obras boas procedentes de meu Pai; por qual dessas obras me apedrejais? (Jo. 10:32).


“Se não faço as obras de meu Pai, não me acrediteis. Mas, se as faço e não credes em mim, crede nas obras; para que conheçais e acrediteis que o Pai está em mim, eu nele” (Jo. 10:37-38).


“Respondeu-lhes Jesus: Já vo-lo tenho dito, e não o credes. As obras que eu faço, em nome de meu Pai, essas testificam de mim” (Jo. 10:25).


As obras de Jesus, que são as mesmas do Pai que o enviou, são as obras do amor. Jesus a ninguém aborreceu e nem odiou, nem condenou. Jesus nunca julgou ou matou alguém. Quanta paciência, quanta humildade, quanta misericórdia! Suas palavras eram: Nem eu te condeno, vai-te em paz e não peques mais. Teus pecados te são perdoados. A salvação entrou nesta casa. Vinde a mim os cansados e oprimidos e eu vos aliviarei. Eu e o Pai somos um, repetia constantemente.


Jesus era imutável. Era o verdadeiro amor (Jo. 10:30).

O Pai é o que Jesus é, e nunca foi diferente, por isso está escrito:

“Jesus Cristo é o mesmo ontem, e hoje, e eternamente” (Hb. 13:8).

“Toda a boa dádiva, e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação” (Tg. 1:17).
Jeová, ao contrário do Pai e do Filho, sofre mudanças tremendas.
Provemos na páginas Sagradas da Bíblia com as palavras de Jeová.


“Quando Israel era menino, eu o amei; e do Egito chamei a meu filho” (Os. 11:1) .

“Deus ouviu isto e se indignou; e sobremodo aborreceu a Israel” (Sl. 78:59).
Como pode um pai que ama o filho, aborrecê-lo? Alguém vai tentar explicar que o filho era desobediente. O problema, porém, não está na desobediência do filho, mas no caráter mutável de Deus Jeová, que se contrapõe ao amor imutável de Jesus e seu Pai, como lemos acima. Há outros textos bíblicos que revelam o ódio de Jeová:


“Jeová prova o justo; mas a sua alma aborrece o ímpio e o que ama a violência” (Sl. 11:5).


“Jurou o Senhor Jeová pela sua alma, o Senhor Deus dos exércitos: Tenho abominação pela soberba de Jacó, e aborreço os seus palácios; e entregarei a cidade e tudo o que nela há” (Am. 6:8).


“Os loucos não pararão à tua vista; aborreces a todos os que praticam a maldade” (Sl. 5:5).


“Eu vos amei, diz Jeová; mas vós dizeis: Em que nos amaste? Não foi Esaú irmão de Jacó? disse Jeová; todavia amei a Jacó e aborreci a Esaú: e fiz dos seus montes uma assolação, e dei a sua herança aos dragões do deserto” (Ml. 1:2-3).


Aborrecer, como dissemos, é odiar, detestar, abominar. Temos assim, duas coisas incompatíveis com a natureza de um Deus. A primeira é aborrecer, sentimento que no Novo Testamento é ser cego, homicida e andar em trevas (I Jo.2:11 e 3:15). É possível que o apóstolo João estivesse enquadrando Jeová e seus seguidores, isto é, todos quantos, por não receberem o amor do Pai e de seu Filho, andam em trevas e aborrecem seus desafetos. Lemos no livro de Exôdo:


“E o povo estava em pé de longe: Moisés, porém, se chegou à escuridade onde Jeová estava” (Ex. 20:21).


Davi nos revela em seus salmos que Jeová se oculta nas trevas:


“Fez das trevas o seu lugar oculto; o pavilhão que o cercava era a escuridão das águas e as nuvens dos céus” (Sl. 18:11).


Ocultar-se nas trevas é condenado por João no seu Evangelho:


“E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal aborrece a luz, e não vem para a luz para que as sua obras não sejam reprovadas” (Jo. 3:19-20).

A lei dada por Jeová foi reprovada no Novo Testamento:

“Porque o precedente mandamento é abrogado por causa da sua fraqueza e inutilidade (Pois a lei nenhuma coisa aperfeiçoou) e desta sorte é introduzida uma melhor esperança, pela qual chegamos a Deus” (Hb. 7:18-19).


Leiamos algumas passagens que comprometem a lei e Jeová:


“Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado” (Rm. 3:20) - Palavras de Paulo.


“Porque, quando estávamos na carne, as paixões dos pecados, que são pela lei, obravam em nossos membros para darem fruto para a morte” (Rm. 7:5).


“Porquanto o que era impossível à lei, visto como estava enferma pela carne, Deus, enviando o seu Filho em semelhança da carne do pecado, pelo pecado condenou o pecado na carne;” (Rm. 8:3).


“Ora o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei” (I Co. 15:56).


“Todos aqueles pois que são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque escrito está: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las” (Gl. 3:10).


Jesus, conhecedor dos propósitos do Pai, conclui dizendo:


“A lei e os profetas duraram até João: desde então é anunciado o Reino de Deus, e todo homem emprega força para entrar nele” (Lc. 16:16 ).

Sendo a lei tão danosa para o homem, dá para se entender porque Jeová a deu do meio das trevas, pois as obras da lei não aperfeiçoam:

“Estas palavras falou Jeová a toda a vossa congregação no monte, do meio do fogo, da nuvem e da escuridade, com grande voz, e nada acrescentou: e as escreveu em duas tábuas de pedra, e a mim mas deu. E sucedeu que, ouvindo a voz do meio das trevas e vendo o monte ardente em fogo, vos achegastes a mim, todos os cabeças das vossas tribos, e vossos anciãos;” (Dt. 5:22-23).


Voltando atrás, quando Jeová fez a terra abrir a boca para tragar vivos Coré, Datã e Abirão, com suas mulheres, filhos e crianças (Nm. 16:17). Após a injusta morte das mulheres, filhos e criancinhas, saiu fogo de Jeová e consumiu os 250 homens, todos maiorais da congregação e varões de nome (Nm. 16:2, 35)!


É preciso ressaltar que os filhos de Coré não morreram conforme Nm. 26:9-11. Este fato revela, uma discriminação de Jeová, pois Coré foi o cabeça da rebelião e Datã e Abirão pereceram com seus filhos e mulheres..


É preciso lembrar que o próprio povo de Israel, estava traumatizado com uma destruição em massa executada pelo furor de Jeová, cuja metodologia era irritar e tentar naquele deserto ardente, com o fim de testá-los.


“E te lembrarás de todo o caminho pelo qual Jeová teu Deus te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, e te tentar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos, ou não. E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram: para te dar a entender que o homem não viverá só de pão, mas que de tudo o que sai da boca de Jeová viverá o homem” (Dt. 8:2-3).


Dois ou três milhões de pessoas, incluindo as crianças, vagueavam pelo deserto, debaixo de um sol abrasador, sem comida e sem água. Imaginemos um milhão de crianças choramingando e pedindo comida aos pais. É evidente que os pais, uns inflamados pelos outros murmuravam. Leiamos o texto:


“Então levantou-se toda a congregação, e alçaram a sua voz; e o povo chorou naquela mesma noite. E todos os filhos de Israel murmuraram contra Moisés e contra Aarão; e toda a congregação lhe disse: Ah! se morrêramos na terra do Egito! ou, ah! se morrêramos neste deserto! E porque nos traz Jeová a esta terra, para cairmos à espada, e para que nossas mulheres e nossas crianças sejam por presa? Não nos seria melhor voltarmos aos Egito? E diziam uns aos outros: Levantemos um capitão, e voltemos ao Egito” (Nm. 14:1-4).


Este clamor chegou aos ouvidos de Jeová, que cheio de ira e furor, disse:


“E disse Jeová a Moisés: Até quando me provocará este povo? e até quando me não crerão por todos os sinais que fiz no meio deles? Com pestilência o ferirei, e o rejeitarei: e farei de ti povo maior e mais forte do que este” (Nm. 14:11-12).


Nenhum leitor da Bíblia poderá perceber no caráter de Jeová algum vestígio de amor, bondade, misericórdia e longanimidade.

Mas Moisés, que amava realmente o seu povo, tenta dissuadir Jeová da fúria assassina, implorando

“E disse Moisés a Jeová: Assim os egípcios o ouvirão; porquanto com a tua força fizeste subir este povo do meio deles. E o dirão aos moradores desta terra, que ouviram que tu, ó Jeová, estás no meio deste povo, que de cara a cara, ó Jeová, lhes apareces, que tua nuvem está sobre eles, e que vais adiante deles numa coluna de nuvem de dia, e numa coluna de fogo de noite. E se matares este povo como a um só homem, as gentes pois, que ouviram a tua fama, falarão, dizendo: Porquanto Jeová não podia pôr este povo na terra que lhes tinha jurado; por isso os matou no deserto. Agora, pois, rogo-te que a força do meu Jeová se engrandeça; como tens falado, dizendo: Jeová é longânimo, e grande em beneficência, que perdoa a iniquidade e a transgressão, que o culpado não tem por inocente, e visita a iniqüidade dos pais sobre os filhos até a terceira e quarta geração. Perdoa pois a iniquidade deste povo, segundo a grandeza da tua benignidade: e como também perdoaste a este povo desde a terra do Egito até aqui” (Nm. 14:13-19).


Jeová então responde a Moisés dizendo:


“E disse Jeová: Conforme à tua palavra lhe perdoei” (Nm. 14:20).

O furor homicida de Jeová era maior que o perdão concedido. Jeová continua falando a Moisés:

“Dize-lhes: Assim eu vivo, diz Jeová, que, como falastes aos meus ouvidos, assim farei a vós outros. Neste deserto cairão os vossos cadáveres, como também todos os que de vós foram contados segundo toda a vossa conta, de vinte anos e para cima, os que dentre vós contra mim murmurastes. Não entrareis na terra, pela qual levantei a minha mão que vos faria habitar nela, salvo Calebe, filho de Jefoné, e Josué, filho de Num. Mas os vossos filhos, de que dizeis: Por presa serão, meterei nela; e eles saberão da terra que vos desprezastes. Porém, quanto a vós, os vossos cadáveres cairão neste deserto” (Nm. 14:28-32).


Uns morreram de praga (Nm. 14:37) e outros de maldição. Foram centenas de milhões morrendo no deserto pelo ódio vingativo de Jeová. Esse método violento e homicida só poderia produzir mais rebelião. Logo em seguida levantaram-se Coré, Datã e Abirão com mais 250 varões de renome. Eles queriam a qualquer custo se livrar da tirania daquele Deus matador.


Jeová não sabia que só o amor constrói. O homem não é movido pela violência, mas pelo amor.


Não há lei, não há castigo, não há repressão, não há mortandade que possa conter a criminalidade em uma sociedade violenta. Mas Jeová insistiu no seu processo de repressão matando aquelas três famílias e fulminando com fogo do céu os duzentos e cincoenta varões.

O resultado desta chacina se fez sentir imediatamente.

“Mas no dia seguinte toda a congregação dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e contra Aarão, dizendo: Vós matastes o povo de Jeová” - Núm.16:41.


Jeová então mandou uma praga que matou mais quatorze mil e setecentos, fora os que morreram por causa de Coré (Nm. 16:49).


Onde está, Jeová a tua, benignidade, beneficência e longanimidade, onde está o teu perdão e a tua salvação? Qualquer que ler o Velho Testamento vai fazer esta pergunta, e vai também perceber que o Pai, revelado por Jesus Cristo ama a todos (Jo. 3:16) e os amou quando ainda Jesus não tinha descido a este mundo tenebroso, e os pecadores eram odiados por Jeová.


Provemos:


“Mas tu dize-lhes: Assim diz Jeová: Eis que eu encherei de embriaguez a todos os habitantes desta terra, e aos reis da estirpe de Davi, que estão assentados sobre o seu trono, e aos sacerdotes, e aos profetas, e a todos os habitantes de Jerusalém. E fá-los-ei em pedaços uns contra os outros, e juntamente os pais com os filhos, diz Jeová: não perdoarei nem pouparei, nem terei deles compaixão, para que os não destrua” (Jr. 13:13-14) - Este é o ódio de Jeová.


“Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores” (Rm. 5:8).


“Nisto está a caridade, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou o seu Filho para propiciação pelos nossos pecados” (I Jo. 4:10) - Este é o amor do Pai.


Uma coisa fica provada. Jeová, que na sua lei colocou o mandamento NÃO MATARÁS, matava culpados e inocentes, velhos e crianças, e assim pecava contra si mesmo, invalidando a sua lei.


O Pai é amor (I Jo. 4:8) e não poderia ter dado a lei, pois na lei só há justiça e não amor. A lei anularia o amor do Pai e a graça que está sobre todos os homens conforme Tito 2:11.


Por outro lado, Jesus mudou a lei, abrogando-a:


“Um novo mandamento vos dou: Que vos amei uns aos outros: como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis” (Jo. 13:34).


“Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei. Porque aquele de quem estas coisas se dizem pertence a outra tribo, da qual ninguém serviu ao altar.


Visto ser manifesto que nosso Senhor procedeu de Judá, e concernente a essa tribo nunca


Moisés falou de sacerdócio” (Hb. 7:12-14).


Cristo é um com o Pai, e mudando a lei provou que não é um com Jeová; e está escrito que a lei de Jeová é a verdade.


“A tua justiça é uma justiça eterna, e a tua lei é a verdade” (Sl. 119:142).

Ora, a verdade não pode ser mudada, e assim Jesus discorda da verdade de Jeová.

Se o Pai fosse o autor da lei, ao decretar a graça sobre todos os homens, teria mudado e assim não seria Deus, pois Deus não sofre mutações nem variações conforme Tg. 1:17:


“Toda a boa dádiva e todo dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação”.

Passemos, entretanto, às múltiplas formas usadas por Jeová para matar, ao que o apóstolo Paulo chama MINISTÉRIO DA MORTE.

“E, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos na face de Moisés, por causa da glória do seu rosto, a qual era transitória” (II Co. 3:7).


“Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida” (Rm. 5:18).


Jeová condenou todos em Adão e Eva, e Cristo anulou a condenação (Jo. 3:16).


1- Jeová matava através de seus juízos. Matou toda a humanidade no dilúvio. E qual foi o motivo? Sexo desordenado e maldade.


“Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram” (Gn. 6:2).


“E viu Jeová que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra, e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente” (Gn. 6:5).


Corrupção da carne: “E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra” (Gn. 6:12).


Crime e violência:


“A terra porém estava corrompida diante da face de Deus: e encheu-se a terra de violência” (Gn. 6:11).


Naquele tempo os homens só pensavam em comer e beber, casar e descasar:


“Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca,” (Mt. 24:38)

Por estes pecados Jeová destruiu toda a humanidade segundo a Bíblia.
Veio Jesus Cristo e revelou o amor e a graça do Deus Pai.


“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo. 3:16)


“Nisto se manifestou a caridade de Deus para conosco: que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos. Nisto está a caridade, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados” (I Jo. 4:9-10).


“E nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é caridade; e quem está em caridade está em Deus, e Deus nele” (I Jo. 4:16).


“Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens” (Tt. 2:11).


“Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus

pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação” (II Co. 5:19).

“Admoesto-te pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graça por todos os homens; Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda piedade e honestidade. Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador. Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade” (I Tm. 2:1-4).


“Porque para isto trabalhamos e lutamos, pois esperamos no Deus vivo, que é o salvador de todos os homens, principalmente dos fiéis” (I Tm. 4:10).


Jesus revelou uma face diferente de Deus, isto é, um Deus que não imputa pecado, não condena, não mata, não se ira, não destrói e não amaldiçoa. Pois bem, desde os dias de Jesus Cristo até hoje os homens praticam sexo desordenado; a maldade se multiplicou mais do que no tempo de Nóe; os pensamentos e imaginações não dão para medir, pois 90% da Internet é sexo. Existe a pornografia infantil, revistas e vídeos de todos os tipos. Canais de T.V. até com aberrações e bestialidades envolvendo o sexo.


As violências, crimes e atrocidades cometidas por paranóicos e anormais são de estarrecer. Lá casavam e davam em casamento. Aqui trocam de mulheres, ou se juntam diversos casais para orgias inimagináveis. Fala-se em sexo oral abertamente diante das crianças nos meios de comunicação. Não há mais moral. Homossexualismo é tolerado e tramita pela câmara dos deputados propostos para legalizar essas uniões que violam a natureza e denunciam sensações mórbidas.


E a graça de Deus cheio de amor impera sobre esse caos tenebroso a dois mil anos. Antes de Jesus Cristo era o Deus matador, e depois de Jesus Cristo é o Deus doador da vida. E Paulo


Apóstolo diz:


“Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça” (Rm. 5:20).


Antes de Cristo, quanto mais pecado mais destruição, e depois de Cristo, quanto mais pecado mais graça. Deus mudou? Se mudou foi injusto para os que viveram antes de Cristo, pois diz a

Bíblia que a morte reinava.

“Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só — Jesus Cristo” (Rm. 5:17).


Ou Deus muda como os homens, e nesse caso não merece crédito, ou Jesus veio desbancar o matador e revelar o Pai, doador da vida a todos.


“E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por ÚNICO DEUS VERDADEIRO, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (Jo. 17:3).


No Velho Testamento, os idólatras eram punidos com a morte.


“Quando te incitar teu irmão, filho da tua mãe, ou teu filho, ou tua filha, ou a mulher do teu seio, ou teu amigo, que te é como tua alma, dizendo te em segredo: Vamos, e sirvamos a outros deuses que não conheceste, nem tu nem teus pais; Dentre os deuses dos povos que estão em redor de vós, perto ou longe de ti, desde uma extremidade da terra até à outra extremidade; Não consentirás com ele, nem o ouvirás; nem teu olho o poupará, nem terás piedade dele, nem o esconderás; mas certamente o matarás; a tua mão será a primeira contra ele para o matar; e depois a mão de todo povo; E com pedras o apedrejarás, até que morra, pois te procurou apartar de Jeová teu Deus, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão” (Dt. 13:6-10).


Os adúlteros eram punidos com a morte.


“Quando um homem for achado deitado com mulher casada com marido, então ambos morrerão, o homem que se deitou com a mulher, e a mulher: assim tirarás o mal de Israel” (Dt. 22:22).


O sodomitas eram punidos com a morte - “Então Jeová fez chover enxofre e fogo, de Jeová desde os céus, sobre Sodoma e Gomorra. E derribou aquelas cidades, e toda aquela campina, e todos os moradores daquelas cidades, e o que nascia da terra” (Gn. 19:24-25).


No Novo Testamento, todos estes estão debaixo da graça e do amor de Deus e são justificados e santificados para a salvação pela fé.


“Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os afeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbedos, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. E é o que alguns têm sido, mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo espírito do nosso Deus” (I Co. 6:10-11).


É de se notar que Jeová destruiu Sodoma, Gomorra, Admá, Zeboim, sem dar chance à uma criança. E os varões de Sodoma, respeitavam as virgens, coisa que hoje não acontece, como por exemplo, as duas filhas de Ló eram noivas e virgens. Leiamos:


“Então saiu Ló, e falou a seus genros, aos que haviam de tomar as suas filhas, e disse: Levantai-vos saí deste lugar: porque Jeová há de destruir a cidade. Foi tido também por zombador aos olhos dos seus genros” (Gn. 19:14)


Quando os habitantes de Sodoma, tanto moços como velhos, queriam praticar sexo com os anjos, Ló lhes disse:


“Eis aqui, duas filhas tenho, que ainda não conheceram varão; fora vo-las trarei, e fareis delas como bom for nos vossos olhos; somente nada façais a estes varões, porque por isso vieram à

sombra do meu telhado” (Gn. 19:8).

Como lemos acima, os futuros genros de Ló respeitaram a virgindade das noivas, logo tinham bons princípios e poderiam até ser regenerados. Mas Jeová não deu chance a ninguém. Foi decretado um juízo geral com ira sobre aquelas cidades de doentes.


“E toda a sua terra abrasada com enxofre e sal, de sorte que não será semeada, e nada produzirá, nem nela crescerá erva alguma, assim como foi a destruição de Sodoma e de Gomorra, de Admá e de Zeboim, que Jeová destruiu na sua ira e no seu furor” (Dt. 29:23).


2- Jeová matava através das guerras e se autodenominou: O Senhor dos Exércitos. E por que este nome? Porque todos os exércitos estão sob seu comando. Desde os exércitos dos insetos e animais nocivos, até os exércitos humanos.


“A Jeová dos Exércitos, a ele santificai: e seja ele o vosso temor e seja ele o vosso assombro” (Is. 8:13).


“E restituir-vos-ei os anos que foram consumidos pelo gafanhoto, a locusta, e o pulgão e a aruga, o meu grande exército que enviei contra vós” (Jl. 2:25).


“Também enviarei vespões diante de ti, que lançem fora os heveus, os cananeus, e os heteus diante de ti” (Êx. 23:28).


Os exércitos do assírios estavam sob o comando de Jeová para matar.


“Eis que Jeová fará vir sobre eles as águas do rio, fortes e impetuosas, isto é, o rei da Assíria, com toda a sua glória; e subirá sobre todos os seus leitos, e transbordará por todas as ribanceiras; e passará a Judá inundando-o, e irá passando por ele e chegará até ao pescoço; e a extensão de suas asas encherá a largura da tua terra, ó Emanuel. Alvoroçai-vos, ó povos, e sereis quebrantados; dai ouvidos, todos os que sois de longes terras: cingi-vos e sereis feitos em pedaços, cingi-vos e sereis feitos em pedaços” (Is. 8:7-9).


Os exércitos dos caldeus estavam debaixo do comando de Jeová para matar e destruir.


“E agora eu entreguei todas estas terras na mão de Nabucodonosor, rei da Babilônia, MEU SERVO: e ainda até os animais do campo lhe dei, para que o sirvam. E todas as nações o servirão a ele, e a seu filho, e ao filho de seu filho, até que também venha o tempo da sua própria terra, quando muitas nações e grandes reis se servirão dele. E acontecerá que, se alguma nação e reino não servirem o mesmo Nabucodonosor, rei da Babilônia, e não puserem o seu pescoço debaixo do jugo do rei de Babilônia, visitarei com espada, e com fome, e com peste essa nação, diz Jeová, até que a consuma pela sua mão” (Jr. 27:6-8).


Os exércitos dos medos estavam sob o comando de Jeová para destruir, matando velhos e crianças inescrupulosamente.


“Pelo que farei estremecer os céus; e a terra se moverá do seu lugar, por causa do furor de JEOVÁ DOS EXÉRCITOS, e por causa do dia da sua ardente ira. E cada um será como a corça que foge, e como a ovelha que ninguém recolhe: cada um voltará para o seu povo, e cada um fugirá para sua terra, todo o que for achado será traspassado: e todo o que for apanhado, cairá à espada. E suas crianças serão despedaçadas perante os seus olhos: as suas casas serão saqueadas, e as suas mulheres violadas. EIS QUE EU DESPERTAREI CONTRA ELES OS MEDOS, que não farão caso da prata, nem tão pouco desejarão ouro. E os seu arcos despedaçarão os mancebos, E NÃO SE COMPADECERÃO DO FRUTO DO VENTRE; O SEU OLHO NÃO POUPARÁ OS FILHOS” (Is. 13:13-18).


Os exércitos dos persas estavam sob o comando de Jeová também.


“Assim diz Jeová ao seu ungido, a Ciro, a quem tomo pela sua mão direita, para abater as nações diante da sua face; eu soltarei os lombos dos reis, para abrir diante dele as portas, e as portas não se fecharão” (Is. 45:1).


Algumas coisas ficam bem definidas


1º) - Jeová reina sobre este mundo:

“Porque Jeová Altíssimo é tremendo, e rei grande sobre a toda a terra” (Sl. 47:2).
“Jeová reina sobre as nações: Jeová se assenta sobre o trono de sua santidade” (Sl. 47:8).
2º) - Jeová usava os exércitos das nações para matar e destruir.
3º) - Jesus afirmou que o seu reino não é deste mundo, logo não tem nenhuma ligação com
Jeová, pois Jesus veio para salvar os que Jeová destruía! E também o Pai de Jesus não pode ser Jeová, pois Jeová tem o ministério da morte e o Pai o ministério da vida.


O ministério da morte é exatamente o das guerras, por isso Jeová tinha um livro secreto onde registrava os nomes dos seus inimigos mortais.


“PELO QUE DIZ NO LIVRO DAS GUERRAS DE JEOVÁ; contra Vaebe e Sufá, e contra os ribeiros de Arnom” (Nm. 21:14).

O rei Amaleque tinha o seu nome na lista negra de Jeová, por ter resistido a Israel quando subia do Egito:

“E disse: Porquanto jurou Jeová, haverá guerra de Jeová contra Ameleque de geração em geração” (Êx. 17:16).


“E pagarei a Babilônia e a todos os moradores da Caldéia, toda a sua maldade, que fizeram em Sião, à vossa vista, diz Jeová. Eis-me aqui contra ti ó monte destruidor, diz Jeová, que destróis toda a terra; estenderei a minha mão contra ti, e te revolverei das rochas, e farei de ti um monte de incêndio. E não tomarão de ti  edra para esquina, nem pedra para fundamentos, porque te tornarás numa assolação perpétua, diz Jeová. Arvorai um estandarte na terra, tocai a buzina entre as nações, santificai as nações contra ela, convocai contra ela os reinos de Arará, Mini e Asquenaz: ordenai contra ela um capitão, fazei subir cavalos, como pulgão agitado. 

Santificai contra ela as nações, os reis da Média, os seus capitães e todos os seus magistrados, e toda a terra do seu domínio. Então tremerá a terra, e doer-se-á porque cada um dos desígnios de Jeová está firme contra Babilônia, para fazer da terra de Babilônia uma assolação, sem habitantes. Os valentes de Babilônia, cessaram de pelejar, ficaram nas fortalezas, desfaleceu a sua força, tornaram-se como mulheres: incendiaram as suas moradas, quebrados foram os seus ferrolhos” (Jr. 51:24-30).


“Porque este dia é o dia do Senhor Jeová dos Exércitos, dia de vingança para se vingar dos seus adversários: e a espada devorará, e se fartar-se-á, e se embriagar-se-á com o sangue deles: porque o Senhor Jeová dos Exércitos tem um sacrifício na terra do norte junto ao rio Eufrates” (Jr. 46:10).


Só na guerra de Senaqueribe contra Israel, Jeová matou 185.000 homens.

“Sucedeu pois que naquela mesma noite saiu o anjo do Senhor, e feriu no arraial dos assírios a cento e oitenta e cinco mil deles: e, levantando-se pela manhã cedo, eis que todos eram corpos mortos. Então Senaqueribe, rei da Assíria, partiu, e foi, e voltou: e ficou em Nínive. E sucedeu que, estando ele prostrado na casa de Nisroque, seu deus, Adrã-Meleque e Sarezer, seus filhos, o feriram à espada; porém eles escaparam para a terra de Arará e Esaradom, seu filho, reinou em seu lugar” (II Rs. 19:35-37).

3- Jeová matava pela peste. A peste era a bandeira que anunciava a presença de Jeová:


“Adiante dele ia a peste, e raios de fogo sob os seus pés” (Hb. 3:5).


Para amedrontar a Faraó, cujo coração era endurecido pelo próprio Jeová, este Deus injusto mandou a peste sobre os animais do Egito.


“E Jeová fez esta cousa no dia seguinte, e todo o gado dos egípcios morreu; porém do gado dos filhos de Israel não morreu nenhum. E Faraó enviou a ver, e eis que do gado de Israel não morrera nenhum; porém o coração de Faraó se endureceu, e não deixou ir o povo” (Êx. 9:6-7).


“Então disse Jeová a Moisés: Eis que te tenho posto por Deus sobre Faraó, e Aarão, teu irmão, será o teu profeta. Tu falarás tudo o que eu te mandar; e Aarão, teu irmão, falará a Faraó, que deixe ir os filhos de Israel da sua terra! EU, PORÉM, ENDURECEREI O CORAÇÃO DE FARAÓ, e multiplicarei na terra do Egito os meus sinais e as minhas maravilhas” (Êx. 7:1-3).


A obstinação não era de Faraó em não deixar ir o povo, mas era de Jeová em endurecer o coração do confuso Faraó. E a obstinação de Jeová era tanta, que não menos de oito vezes afirma ter operado o endurecimento (Êx. 4:21; 7:3; 10:1; 10:27; 11:10; 14:4; 14:8; 14:17).


Se Jeová endureceu a Faraó e ao povo egípcio, o culpado foi Jeová e não Faraó e seu povo, mas morreram todos os inocentes primogênitos do Egito pelo capricho sanguinário de um Deus discriminador?


“E aconteceu, à meia-noite que Jeová feriu a todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito de Faraó, que se sentava em seu trono, até o primogênito do cativo que estava no cárcere, e todos os primogênitos dos animais. E Faraó levantou-se de noite, ele e todos os seus servos, e todos os egípcios; e havia grande clamor no Egito, porque não havia casa em que não houvesse um morto" (Êx. 12:29-30).


Em seguida, Jeová endurece o coração de Faraó com a intenção de matar o exército egípcio:

“E eu endurecerei o coração de Faraó, para que os persiga, e serei glorificado em Faraó em todo o seu exército; e saberão os egípcios que eu sou Jeová. E eles, fizeram assim” (Êx. 14:4).
“E tu, levanta a tua vara, e estende a tua mão sobre o mar, e fende-o, para que os filhos de Israel passem pelo meio do mar em seco. Eis que eu endurecerei o coração dos egípcios, para que entrem nele atrás deles; e eu serei glorificado em Faraó, e em todo o seu exército, nos seus carros e nos cavaleiros. E os egípcios saberão que eu sou Jeová, quando for glorificado em Faraó nos seus carros e nos seus cavaleiros. E o anjo de Deus, que ia diante do exército de Israel, se retirou, e ia atrás deles: também a coluna de nuvem se retirou de diante deles e se pôs atrás deles. E ia entre o campo dos egípcios e o campo de Israel: e a nuvem era escuridade para aqueles, e para estes esclarecia a noite: de maneira que em toda noite não chegou um ao outro. Então Moisés estendeu a sua mão sobre o mar, e Jeová fez retirar o mar por um forte vento oriental toda aquela noite; e o mar tornou-se em seco, e as águas foram partidas. E os filhos de Israel entraram pelo meio do mar em seco: e as águas foram-lhes como muro à sua direita e à sua esquerda. E os egípcios seguiram-nos e entraram atrás deles todos os cavalos de Faraó, os seus carros e seus cavaleiros, até ao meio do mar. E aconteceu que, na vigília daquela manhã, o Senhor, na coluna de fogo e da nuvem, viu o campo dos egípcios e alvoroçou o campo dos egípcios,, e tirou-lhes as rodas dos seus carros, e fê-los andar dificultosamente. Então disseram os egípcios: Fujamos da face de Israel, porque Jeová por eles peleja contra os egípcios. E disse Jeová a Moisés: Estende a tua mão sobre o mar, para que as águas tornem sobre os egípcios, sobre os seus carros e sobre seus cavaleiros. Então Moisés estendeu a sua mão sobre o mar e o mar retomou a sua força ao amanhecer, e os egípcios fugiram ao seu encontro: e Jeová derribou os egípcios no meio do mar. Porque as águas, tornando, cobriram os carros e os cavaleiros de todo o exército de Faraó, que os haviam seguido no mar; nem ainda um deles ficou. Mas os filhos de Israel foram pelo meio do mar seco: e as águas foram-lhes como muro à sua mão direita e à sua esquerda. Assim Jeová salvou Israel, naquele dia da mão dos egípcios: e Israel, viu os egípcios mortos na praia do mar” (Êx. 14:16-31).


O autor da perseguição ao povo de Israel através do mar não foi Faráo, mas Jeová, que os matou no mar e diz que dessa forma foi glorificado? Que gloria foi esta? De matar inocentes (pg.13). Seria este mundo um imenso picadeiro, cujos atores têm funções predeterminadas e com salários diferentes, em que, uma parte obedece fazendo o mal e outra obedece não fazendo o mal, e no fim uma parte é morta e maldita e outra continua viva e bendita para glorificação do dono do picadeiro? Só os cegos poderão aceitar um Deus capaz de tamanhas injustiças e atrocidades.


Em uma outra ocasião Jeová incitou o rei Davi a numerar Israel, o que Davi fez com todo o zelo para mostrar obediência. O texto diz assim:


“A ira de Jeová se tornou a acender contra Israel, e incitou a Davi contra eles dizendo: Vai, numera a Israel e a Judá” (II Sm. 24:1).


Se Jeová incitou, foi o autor da obra executada por Davi — servo obediente mas depois, como castigo mandou uma peste que matou 70.000 homens? (II Sm. 24:15).

Este ato de Jeová foi tão indigno de um Deus, que a mesma narrativa repetida no livro das Crônicas diz que foi satanás quem incitou a Davi a numerar o povo. Eu pergunto: Pode Deus ser comparado a Satanás? Se os seus atos forem reprovados, pode. E foi o próprio Davi quem reprovou esse ato monstruoso de Jeová.

“Estendendo pois o anjo a sua mão sobre Jerusalém, para a destruir, Jeová se arrependeu daquele mal; e isse ao anjo que fazia a destruição entre o povo: Basta, agora retira a tua mão. E o anjo de Jeová estava junto à eira de Araúna jebuseu. E, vendo Davi ao anjo que feria ao povo, falou a Jeová, e disse: Eis que eu sou o que pequei, e eu o que iniquamente obrei; porém estas ovelhas que fizeram? seja, pois, a tua mão contra mim, e contra a casa de meu pai” (II Sm. 24:16-17).


Surge uma nova pergunta: Pode Deus ser repreendido pelo homem? É claro que pode, se as ações desse Deus estão debaixo dos padrões humanos de justiça.

A peste era uma das armas prediletas de Jeová. Depois que Davi numerou o povo, Jeová mandou um vidente ameaçá-lo com as seguintes palavras:

“Ou três anos de fome, ou que três meses te consumas diante de teus adversários, e a espada de teus inimigos te alcance, ou que três dias A ESPADA DE JEOVÁ, ISTO É, A PESTE NA TERRA, e o anjo de Jeová destruam todos os termos de Israel: vê, pois, agora que resposta hei de levar a quem me enviou” (I Cr. 21:12).


Não passava pela mente do Deus Jeová ganhar a simpatia e a admiração do seu povo. Ele não queria ser amado, mas temido. Seu método consistia, não em atrair pelo bem, mas em atormentar pelo mal.


“Porque os Senhor dos exércitos que te plantou, pronunciou contra ti o mal, pela maldade da casa de Israel e da casa de Judá, que para si mesmos fizeram, pois me provocaram à ira, queimando incenso a Baal” (Jr. 11:17).


“Ora pois, fala agora aos homens de Judá, e aos moradores de Jerusalém, dizendo: Assim diz Jeová: Eis que estou forjando mal contra vós, e projeto um plano contra vós; convertei-vos pois agora cada um do seu mau caminho, e melhorai os vossos caminhos e as vossas ações” (Jr. 18:11).


“Porque pus o meu rosto contra esta cidade para mal, e não para bem, diz Jeová; na mão do rei de Babilônia se entregará, e ele a queimará a fogo” (Jr. 21:10).


“Portanto assim diz Jeová dos exércitos, Deus de Israel: Eis que eu ponho o meu rosto contra vós para mal, e para desarraigar a todo o Judá” (Jr. 44:11).


“E, se se esconderem no cume do Carmelo, buscá-los-ei, e dali os tirarei; e, se se ocultarem aos meus olhos no fundo do mar, ali darei ordem à serpente e ela os morderá. E, se forem para o cativeiro diante de seus inimigos, ali darei ordem à espada para que os mate; e eu porei os meus olhos sobre eles para mal, e não para bem” (Am. 9:3-4).


Jeová passava o tempo criando males para afligir o seu povo, em vez de criar algo que atraísse sua simpatia e seu amor.


“Eu forma a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, Jeová, faço todas estas coisas” (Is. 45:7).



“Se não tiveres cuidado de guardar todas as palavras desta lei, que estão escritas neste livro, para temeres este nome glorioso e terrível, Jeová teu Deus, então Jeová fará maravilhosas as tuas pragas, e as pragas de tua semente, grandes e duradouras pragas, e enfermidades más e duradouras; E fará tornar sobre ti todos os males do Egito, de que tu tiveste temor, e se apegarão a ti. Também Jeová fará vir sobre ti toda a enfermidade, e toda a praga, que não está escrita no livro desta lei, até que sejas destruído. E ficareis poucos homens, em lugar de haverdes sido como as estrelas do céus em multudão; porquanto não destes ouvidos à voz de Jeová teu Deus. E será que, assim como Jeová se deleitava em vós, em fazer-vos bem e multiplicar-vos , assim Jeová se deleitará em destruir-vos e consumir-vos; e desarraigados sereis da terra a qual tu passas a possuir” (Dt. 28:58-63).


O Deus Pai, de Jesus Cristo, enviou o seu Filho num gesto de amor infinito para ganhar o amor dos homens cansados das pragas e pestes de Jeová.


“Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores,” (Rm. 5:8).


“Nisto está a caridade, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados” (I Jo. 4:10).


Se os cristãos crêem que Jeová e o Pai de Jesus são a mesma pessoa, leiam com atenção o Velho Testamento e verão que houve dois tratamentos de justiça. No Velho Testamento, método foi do ódio, da ira, do furor, da opressão, da destruição e das mortandades. E no Novo Testamento, o método foi do amor, da misericórdia, da paz, da salvação, para todos. Deus é volúvel? Deus muda? Deus tem dois critérios? Segundo Pedro, João e Paulo, o Deus de Jesus só tem um critério: SALVAR.


“Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado ara com o Pai. Jesus Cristo, o justo. E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo mundo” (I Jo. 2:1-2).



“O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para convosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se” (II Pd. 3:9).



“Admoesto-te pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graça por todos os homens; pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos um vida reta e sossegada, em toda piedade e honestidade. Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador. Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade” (I Tm. 2:1-4).



“Porque para isto trabalhamos e lutamos, pois esperamos no Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens principalmente dos fiéis” (I Tm. 4:10).

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda a consolação; Que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados de Deus. Porque, como as aflições de Cristo abundam em nós, assim também a nossa consolação abunda por meio de Cristo” (II Co. 1:3-5).


O amor do Pai atraiu e apaixonou de tal modo os discípulos de Jesus que todos queriam dar a vida por amor a Cristo.



“Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia: fomos reputados como ovelhas para o matadouro” (Rm. 8:36).



“Desde agora ninguém me inquiete; porque eu trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus” (Gl. 6:17).



“Regozijo-me agora no que padeço por vós, e na minha carne cumpro o resto das aflições de Cristo, pelo seu corpo, que é a igreja” (Cl. 1:24).



4- Jeová matava pela lei, isto é. A lei era instrumento pelo qual ensinava seu povo a ter piedade, pois matavam os infratores a sangue frio. Era uma verdadeira escola da morte.



“E julgar-te-ei como são julgadas as adúlteras e as que derramam sangue; e entregar-te-ei ao sangue de furor e de ciúme. E entregar-te-ei nas suas mãos e derribarão as tua abóbada, e transtornarão os teus altos lugares, e te despirão os teus vestidos, e tomarão as tuas jóias de enfeite, e te deixarão nua e descoberta. Então farão subir contra ti um ajuntamento, e te apedrejarão com pedra, e te traspassarão com as suas espadas” (Ez. 16:38-40).



Se uma moça solteira, perdia a virgindade era condenada a morte.



“Quando um homem tomar mulher e, entrando a ela a aborrecer, e lhe imputar cousas escandalosas, e contra ela divulgar má fama, dizendo: Tomei esta mulher, e me cheguei a ela, porém não a achei virgem; então o pai da moça e sua mãe tomarão os sinais da virgindade da moça, e levá-los-ão para fora aos anciãos da cidade, à porta: E o pai da moça dirá aos anciãos:



Eu dei minha filha por mulher a este homem, porém ele a aborreceu; E eis que lhe imputou cousas escandalosas, dizendo: Não achei virgem a tua filha; porém eis aqui os sinais da virgindade de minha filha. E estenderão o lençol diante dos anciãos da cidade. Então os anciãos da mesma cidade tomarão aquele homem, e o castigarão, e o condenarão em cem siclos de prata, e os darão ao pai da moça; porquanto divulgou má fama sobre uma virgem de Israel. E lhe será por mulher, em todos os seus dias não a poderá despedir. Porém se este negócio for verdade, que a virgindade se não achou na moça, então levarão a moça à porta da casa de seu pai, e os homens da sua cidade a apedrejarão com pedras, até que morra; pois fez loucura em Israel, prostituindo-se na casa de seu pai: assim tirarás o mal do meio de ti” (Dt. 22:13-21).

O adultério era punido com a morte inexorável. Ninguém investigava as causas. Há maridos que instigam suas mulheres só para ficarem livres.


“Quando um homem for achado deitado com mulher casada com marido, então ambos morrerão, o homem que se deitou com a mulher, e a mulher: assim tirarás o mal de Israel (Dt. 22:22).



Nas questões entre vizinhos:


“Se alguns homens pelejarem, e um ferirem uma mulher grávida, e forem causa de que aborte, porém se não houver morte, certamente será multado conforme ao que lhe impuser o marido da mulher, e pagará diante dos juizes. Mas se houver morte, então darás vida por vida” (Êx. 21:22-23).


“E se algum boi escornear homem ou mulher, que morra, o boi será apedrejado certamente, e a sua carne se não comerá: mas o dono do boi será absolvido. Mas se o boi dantes era escorneador, e o seu dono foi conhecedor disso e não o guardou, matando homem ou mulher, o boi será apedrejado, e também o seu dono morrerá” (Êx. 22:28-29).



Os adivinhos eram mortos:



“Quando pois algum homem ou mulher em si tiver um espírito adivinho, ou for encantador, certamente morrerão: com pedras se apedrejarão; o seu sangue é sobre eles” (Lv. 20:27).

Blasfêmia contra Jeová:


“ E falou Jeová a Moisés, dizendo: Tira o que tem blasfemado para fora do arraial; e todos os que o ouviram porão a suas mãos sobre a sua cabeça: então toda a congregação o apedrejará. E aos filhos de Israel falarás, dizendo: Qualquer que amaldiçoar o seu Deus, levará sobre si o seu pecado. E aquele que blasfemar o nome de Jeová, certamente morrerá; toda a congregação certamente o apedrejará; assim o estrangeiro como o natural, blasfemando o nome de Jeová, será morto” - “E disse Moisés aos filhos de Israel que levassem o que tinha blasfemado para fora do arraial, e o apedrejassem com pedras: e fizeram os filhos de Israel como Jeová ordenara a Moisés” (Lv. 24:13-16, 23).



Os idólatras eram condenados à morte:

“Que for, e servir a outros deuses, e se encurvar a eles, ou ao sol, ou à lua, ou a todo exército do céu; o que eu não ordenei; e te for denunciado, e o ouvires; então bem o inquirirás: e eis que, sendo verdade, e certo que se fez tal abominação em Israel, então levarás o homem ou a mulher que fez este malefício, às tuas portas, sim, o tal homem ou mulher, e os apedrejarás com pedras até que morram” (Dt. 17:3-5).


Quem sacrificasse a Moloque, deus dos amonitas:



“Também dirás aos filhos de Israel: Qualquer que, dos filhos de Israel, ou dos estrangeiros que peregrinam em Israel, der da sua semente a Moloque, certamente morrerá; o povo da terra o apedrejará com pedras” (Lv. 20:2).



Trabalhar no sábado era pecado mortal:



“Estando pois os filhos de Israel no deserto, acharam um homem apanhando lenha no dia de sábado. E os que o acharam apanhando lenha o trouxeram a Moisés e a Arão, e a toda congregação. E o puseram em guarda; porquanto ainda não estava declarado o que se lhe devia fazer. Disse pois Jeová a Moisés: Certamente morrerá o tal homem; toda a congregação com pedras o apedrejará para fora do arraial. Então toda a congregação o tirou para fora do arraial, e com pedras o apedrejaram, e morreu; como Jeová ordenara a Moisés” (Nm. 15:32-36).

A lei ordenava que irmão matasse irmão:


“Quando te incitar teu irmão, filho da tua mãe, ou teu filho, ou tua filha, ou a mulher do teu seio, ou teu amigo que te é como tua alma, dizendo-te em segredo: Vamos, e sirvamos a outros deuses que não conheceste, nem tu nem teus pais; dentre os deuses dos povos que estão em redor de vós, perto ou longe de ti, desde uma extremidade da terra até à outra extremidade; não consentirás com ele, nem o ouvirás; nem teu olho o poupará, nem terás piedade dele, nem o esconderás; mas certamente o matarás; a tua mão será a primeira contra ele para o matar; e depois a mão de todo povo. E com pedras o apedrejarás, até que morra, pois te procurou apartar de Jeová teu Deus, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão” (Dt. 13:6-10).



A lei ordenava ao pai que matasse o filho:



“Quando alguém tiver um filho contumaz e rebelde, que não obedecer à voz de seu pai e à voz de sua mãe, e, castigando-o eles, lhes não der ouvidos, então seu pai e sua mãe pegarão nele, e o levarão aos anciãos da sua cidade, e à porta do seu lugar; e dirão aos anciãos da cidade: Este nosso filho é rebelde e contumaz; não dá ouvidos à nossa voz; é um comilão e beberrão. Então todos os homens da sua cidade o apedrejarão com pedras, até que morra; e tirarás o mal do meio de ti, para que todo o Israel o ouça, e tema” (Dt. 21:18-21).



A lei eliminava do coração do povo qualquer indício de misericórdia e bania para sempre a piedade fraternal. O povo se tornou em pedras insensíveis. Então Jeová promete tirar o coração de pedra e colocar um coração de carne para que guardem a lei.



“E lhe darei um mesmo coração, e um espírito novo porei dentro deles; e tirarei da sua carne o coração de pedra, e lhes darei um coração de carne, para que andem nos meus estatutos, e guardem meus juízos e os executem; e eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus” (Ez. 11:19-20).



Mas é impossível alguém guardar a lei sem ficar empedernido. Paulo apóstolo definiu a dispensação da lei de Jeová como o ministério da morte.



“O qual nos fez também capazes de ser ministros dum novo testamento, não da letra, mas do espírito, porque a letra mata, e o espírito vivifica. E, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos na face de Moisés, por causa da glória do seu rosto, a qual era transitória, como não será de maior glória o ministério do espírito? Porque, se o ministério da condenação foi glorioso, muito mais excederá em glória o ministério da justiça” (II Co. 3:6-9).



O povo era tão endurecido e condicionado, que se enfurecia de maneira incontrolável quando era contrariado na sua fé legalista. Esta verdade é comprovada quando Estêvão pronunciou a sua defesa.



“Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido: vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim vós sois como vossos pais. A qual dos profetas não perseguiram vossos pais? Até mataram os que anteriormente anunciaram a vinda do Justo, do qual vós agora fostes traidores e homicidas; vós, que recebestes a lei por ordenação dos anjos, e não a guardastes. E ouvindo eles isto, enfureciam-se em seus corações, e rangiam os dentes contra ele. Mas ele, estando cheio do Espírito Santo, fixando os olhos no céu, viu a glória de Deus, e Jesus, que estava à direita de Deus; E disse: Eis que vejo os céus abertos, e o Filho do Homem, que está em pé à direita de Deus. Mas eles gritaram com grande voz, taparam os seus ouvidos e arremeteram unânimes contra ele. E, expulsando-o da cidade, o apedrejavam. E as testemunhas depuseram os seus vestidos aos pés de um mancebo chamado Saulo. E apedrejaram a Estêvão que em invocação, dizia; Senhor Jesus, recebe o meu espírito. E, pondo-se de joelhos, clamou com grande voz; Senhor, não lhes imputes este pecado. E, tendo dito isto, adormeceu” (At. 7:51-60).

E quem ensinou a apedrejar foi Jeová, o misericordioso.


5- Jeová mandava matar criancinhas. Começou o ministério da morte das criancinhas, quando ele estabeleceu o pacto da circuncisão com Abraão. Todo macho que não fosse circuncidado seria morto.



“E circuncidareis a carne do vosso prepúcio; e isto será por sinal do concerto entre mim e vós. O filho de oito dias, pois, será circuncidado, todo o macho nas vossas gerações; o nascido na casa, e o comprado por dinheiro a qualquer estrangeiro, que não for da tua semente. Com efeito será circuncidado o nascido em tua casa, e o comprado por teu dinheiro; e estará o meu concerto na vossa carne por concerto perpétuo. E o macho com prepúcio, cuja carne do prepúcio não estiver circuncidada, aquela alma será extirpada dos seus povos: quebrantou o meu concerto” (Gn. 17:11-14).



Quando Coré, juntamente com Datã e Abirão, se rebelaram contra Moisés e contra Arão tentando assumir a liderança do povo no deserto, as criancinhas também desceram vivas ao sepulcro pela ira de Jeová.



“Levantaram-se pois do redor da habitação de Coré, Datã e Abirão. E Datã e Abirão saíram, e se puseram à porta das suas tendas, juntamente com as suas mulheres, e seus filhos, e suas crianças. Então disse Moisés: Nisto conhecereis que Jeová me enviou a fazer todos estes feitos, que do meu coração não procedem. Se estes morrerem como morrem todos os homens, e se forem visitados como se visitam todos os homens, então Jeová me não enviou. Mas, se Jeová criar alguma coisa nova, e a terra abrir a sua boca e os tragar com tudo o que é seu, e vivos descerem ao sepulcro, então conhecereis que estes homens irritaram a Jeová. E aconteceu que, acabando ele de falar todas estas palavras, a terra que estava debaixo deles se fendeu; e a terra abriu a sua boca, e os tragou com as suas casas, como também a todos os homens que pertenciam a Coré, e a toda a sua fazenda. E eles e tudo o que era seu desceram vivos ao sepulcro, e a terra os cobriu, e pereceram do meio da congregação. E todo o Israel, que estava ao redor deles, fugiu do clamor deles; porque diziam: Para que por ventura também nos não trague a terra a nós. Então saiu fogo de Jeová, e consumiu os duzentos e cinquenta homens que ofereciam o incenso” (Nm. 16:27-35).



Israel teria de pelejar contra os amorreus no caminho para Canaã.



“Levantai-vos, parti e passai o ribeiro de Arnom; eis aqui na tua mão tenho dado a Seom, amorreu, rei de Hesbom, e a sua terra; começa a possuí-la, e contende com eles em peleja” (Dt. 2:24).



“Mas Seom, rei de Hesbom, não nos quis deixar passar por ele, porquanto Jeová teu Deus endurecera o seu espírito, e fizera obstinado o seu coração, para to dar na tua mão, como neste dia se vê. E Jeová me disse: Eis aqui, tenho começado a dar-te Seom e a sua terra diante de ti; começa pois a possuí-la, para que herdes a sua terra. E Seom saiu-nos ao encontro, ele e todo o seu povo, à peleja, a Jaaz; e Jeová nosso Deus no-lo deu diante de nós, e o ferimos a ele, e a seus filhos, e a todo o seu povo. E naquele tempo tomamos toda as suas cidades, e destruímos todas as cidades, homens, e mulheres, e crianças: não deixamos a ninguém” (Dt. 2:30-34). As criancinhas não eram poupadas.


Logo em seguida, o exército de Israel pelejou contra Ogue, rei de Basã.



“Depois nos viramos e subimos o caminho de Basã; e Ogue, rei de Basã, nos saiu ao encontro, ele e todo o seu povo, à peleja, em Edrei. Então Jeová me disse; Não o temas, porque a ele e a todo o seu povo, e a sua terra, tenho dado na tua mão: e far-lhe-ás como fizeste a Seom, rei dos amorreus, que habitava em Hesbom. E também Jeová nosso Deus nos deu na nossa mão a Ogue, rei de Basã, e a todo o seu povo: de maneira que o ferimos, até que ninguém lhe ficou de restante. E naquele tempo tomamos todas as suas cidades; nenhuma cidade houve que lhes não tomássemos; sessenta cidades, toda a borda da terra de Argobe, o reino de Ogue em Basã. Todas estas cidades eram fortificadas com altos muros, portas e ferrolhos: além de outras muitas cidades sem muros. E destruímo-las como fizemos a Seom, rei de Hesbom, destruindo todas as cidades, homens, mulheres e crianças” (Dt. 3:1-6). Também nesta guerra as crianças foram mortas.



Na famosa história da conquista de Jericó, quando sete sacerdotes iam tocando suas businas juntamente com a arca do concerto, por sete dias rodearam solenemente a cidade tocando suas buzinas. Ao dar a última volta, no sétimo dia, Josué deu o aviso dizendo ao exército: GRITAI ! Gritou o povo, e os sacerdotes tocaram as buzinas. Os altos muros da cidade vieram abaixo, e o exército de Jeová invadiu a cidade.



“Gritou pois o povo, tocando os sacerdotes as buzinas: e sucedeu que, ouvindo o povo o sonido da buzina, gritou o povo com grande grita; e o muro caiu abaixo, e o povo subiu à cidade, cada qual em frente de si, e tomaram a cidade. E, tudo quanto na cidade havia, destruíram totalmente ao fio da espada, desde homem até à mulher, desde o menino até ao velho, e até ao boi e gado miúdo, e ao jumento” (Js. 6:20-21).



O que é de estranhar neste episódio sangrento, é que ao mesmo tempo em que as crianças todas eram passadas a fio de espada, Jeová deu ordem para saquear todo o ouro e a prata para o seu tesouro particular.



“Tão somente guardai-vos do anátema, para que não vos metais em anátema tomando dela, e assim façais maldito o arraial de Israel, e o turveis. Porém toda a prata, e o ouro, e os vasos de metal, e de ferro, são consagrados a Jeová; irão ao tesouro de Jeová” (Js. 6:18-19).

Para Jeová, o ouro e a prata tinham valor, mas a vida das pobres criancinhas não tinham valor algum. Mas a prostituta Raabe foi salva como prêmio por ter escondido no seu telhado os espias de Israel que tinham ido sondar o terreno. Se salvou a prostituta porque não as crianças inocentes?


“E enviou Josué, filho de Num, dois homens desde Sitim a espiar secretamente, dizendo: Andai e observai a terra, e a Jericó. Foram pois, e entraram na casa duma mulher prostituta, cujo nome era Raabe, e dormiram ali. Então deu-se notícia ao rei de Jericó, dizendo: Eis que esta noite vieram aqui uns homens dos filhos de Israel, para espiar a terra. Pelo que enviou o rei de Jericó a Raabe, dizendo: Tira fora os homens que vieram a ti, e entraram na tua casa, porque vieram espiar toda a terra. Porém aquela mulher tomou a ambos aqueles homens, e os escondeu, e disse: È verdade que vieram homens a mim, porém eu não sabia donde eram. E aconteceu que, havendo-se de fechar a porta, sendo já escuro, aqueles homens saíram; não sei para onde aqueles homens se foram: ide após deles depressa, porque vós os alcançareis. Porém ela os tinha feito subir ao telhado, e os tinha escondido entre as canas do linho, que pusera em ordem sobre o telhado” (Js. 2:1-6).


No livro dos Juízes temos outra matança de crianças em Jabes-Gileade.


“Então os filhos de Benjamim saíram de Gibeá, e derribaram por terra naquele dia vinte e dois mil homens de Israel” (Jz. 20:21).



De quem partia a ordem para matar as pobres criancinhas? Vejamos:



“Então disse Samuel a Saul: Enviou-me Jeová a ungir-te rei sobre o seu povo, sobre Israel; ouve pois agora voz das palavras de Jeová. Assim diz Jeová dos exércitos: E me recordei do que fez Amaleque a Israel; como se lhe opôs no caminho, quando subia do Egito. Vai pois agora e fere a Amaleque; e destrói totalmente a tudo o que tiver, e não lhe perdoes; porém matarás desde o homens até à mulher, desde os meninos até aos de mama, desde os bois até as ovelhas, e desde os camelos até aos jumentos” (I Sm. 15:1-3).



Por trás dessas matanças de inocentes estava um Deus Todo-Poderoso que mandou matar toda a descendência de Jeroboão:



“Naquele tempo adoeceu Aías filho de Jeroboão. E disse Jeroboão a sua mulher: Levanta-te agora, e disfarça-te, para que não conheçam que és mulher de Jeroboão: e vai a Siló. Eis que lá está o profeta Aías, o qual falou de mim, que eu seria rei sobre este povo. E toma na tua mão dez pães, e bolos e uma botija de mel, e vai a ele: e ele te declarará o que há de suceder a este menino” - “Portanto, eis que trarei mal sobre a casa de Jeroboão, e separarei de Jeroboão todo o homem, até ao menino, tanto o encerrado como o desamparado em Israel; e lançarei fora os descendentes da casa de Jeroboão, como se lança fora o esterco, até que de todo se acabe. Quem morrer a Jeroboão na cidade os cães o comerão, e o que morrer no campo as aves do céu o comerão, porque o Senhor o disse. Tu pois levanta-te, e vai-te para tua casa: entrando teus pés na cidade, o menino morrerá” - “Então a mulher de Jeroboão se levantou, e foi, e veio a Tirzá: chegando ela ao limiar da porta, morreu o menino” (I Rs. 14:1-3; 10-12; 17.



Mandou matar toda a descendência de Baasa, rei de Israel:


“No ano terceiro de Asa, rei de Judá, Baasa, filho de Aías, começou a reinar sobre todo o Israel em Tirzá, e reinou vinte e quatro anos. E fez o que parecia mal aos olhos de Jeová: e andou no caminho de Jeroboão e no seu pecado com que tinha feito pecar a Israel” (I Rs. 15:33-34).

“Então veio a palavra do Senhor a Jeú, filho de Hanani, contra Baasa, dizendo: Porquanto te levantei do pó, e te pus por chefe sobre meu povo Israel, e andaste no caminho de Jeroboão, e fizeste pecar o meu povo Israel, irritando-me com os seus pecados. Eis que tirarei os descendentes de Baasa, e os descendentes da sua casa, e farei à tua casa como à casa de Jeroboão, filho de Nebate. Quem morrer a Baasa na cidade os cães o comerão; e o que dele morrer no campo as aves do céu o comerão” (Rs. 16:1-4).


- mandou matar toda a descendência de Acabe, rei de Israel:



“Eis que trarei mal sobre ti, e arrancarei a tua posteridade e arrancarei de Acabe a todo homem, como também o encerrado e o desamparado em Israel; e farei a tua casa como a casa de Jeroboão, filho de Nebate, e como a casa de Baasa, filho de Aías: por causa da provocação, com que me provocaste, e fizeste pecar a Israel. E também acerca de Jezabel falou Jeová, dizendo: Os cães comerão a Jezabel junto ao antemuro de Jizreel. Aquele que de Acabe morrer na cidade, os cães o comerão, e o que morrer no campo, as aves do céu o comerão” (I Rs. 21:21-24).

Jeová, o Deus da ira, da vingança, matou crianças dentro do templo:


“Matai velhos, mancebos, e virgens, e meninos, e mulheres, até exterminá-los; mas a todo homem que tiver o sinal não vos chegueis; e começai pelo meu santuário. E começaram pelos homens mais velhos que estavam diante da casa. E disse-lhes: Contaminai a casa e enchei os átrios de mortos: saí. E saíram, e feriram na cidade. Sucedeu pois que, havendo-os eles ferido, e ficando eu de resto, caí sobre a minha face, e clamei, e disse: Ah Jeová! Dar-se-á caso que destruas todo o restante de Israel, derramando a tua indignação sobre Jerusalém? (Ez. 9:6-8).

Matou o filhinho de Davi com Batseba por vingança:


“Então Natã foi para sua casa; e Jeová feriu a criança que a mulher de Urias dera a Davi, e adoeceu gravemente. E buscou Davi a Deus pela criança; e jejuou Davi, e entrou, e passou a noite prostrado sobre a terra. Então os anciãos da sua casa se levantaram e foram a ele para o levantar da terra; porém ele não quis, e não comeu pão com eles. E sucedeu que ao sétimo dia morreu a criança: e temiam os servos de Davi dizer-lhe que a criança era morta, porque diziam: Eis que, sendo a criança ainda viva, lhe falávamos, porém não dava ouvidos à nossa voz; como pois lhe diremos que a criança é morta? Porque mais mal lhe faria. Viu porém Davi que seus servos falavam baixo e entendeu Davi que a criança era morta, pelo que disse Davi aos seus servos: É morta a criança? E eles disseram: É morta. Então Davi se levantou da terra, e se lavou, e se ungiu, e mudou de vestidos, e entrou na casa de Jeová e adorou: então veio a sua casa, e pediu pão; e lhe puseram pão, e comeu” (II Sm. 12:15-20).


Mas Jeová escreveu na sua lei que os filhos não morrem pelo pecado dos pais:



“Os pais não morrerão pelos filhos, nem os filhos pelos pais: cada qual morrerá pelo seu pecado” (Dt. 24:16).



E Isaías 14:21? - “Preparai a matança para os filhos por causa da maldade de seus pais, para que não se levantem, e possuam a terra, e encham o mundo de cidades”.



Como fica? Jeová deu o mandamento: NÃO MATARÁS. Jeová deu outro mandamento dizendo que os filhos não morrerão pelos pecados dos pais, e o mesmo Jeová é matador de crianças? É um absurdo!



Jeová não matava somente criancinhas já nascidas, mas matava as encerradas no ventre, antes de nascer. O profeta Oséias profetizou da parte de Jeová.



“Samaria virá a ser deserta, porque se rebelou contra o seu Deus: cairão à espada, seus filhos serão despedaçados, e as suas mulheres grávidas serão abertas pelo meio” (Os. 13:16).



Essa profecia se cumpriu em II Reis 15:13-16:



“Salum, filho de Jabes, começou a reinar no ano trinta e nove de Uzias, rei de Judá: e reinou um mês inteiro em Samaria. Porque Menaém filho de Gadi, subiu de Tirzá, e veio a Samaria: e feriu a Salum, filho de Jabes em Samaria, e o matou, e reinou em seu lugar. Ora o mais dos sucessos de Salum, e a conspiração que fez, eis que está escrito no livro das crônicas dos reis de Israel. Então Menaém feriu a Tifsa, e a todos os que nela havia como também a seus termos desde Tirzá, porque não lha tinham aberto;e os feriu pois, e a todas as mulheres grávidas fendeu pelo meio.”



É pavoroso!



Mas Jeová fez ainda algo mais infernal, que mandar matar crianças. Foi obrigar as mães piedosas a matarem seus filhinhos para comer.



“As mãos das mulheres piedosas cozeram os próprios filhos: serviram-lhes de alimento na destruição da filha do meu povo. Deu Jeová cumprimento ao seu furor: derramou o ardor da sua ira, e acendeu fogo em Sião, que consumiu os seus fundamentos” (Lm. 4:10-11).



“E sucedeu, depois disto, que Benadade, rei da Síria, ajuntou todo o seu exército: e subiu, e cercou a Samaria. E houve grande fome em Samaria, porque eis que a cercaram, até que se vendeu uma cabeça de jumento por oitenta peças de prata, e a quarta parte dum cabo de esterco de pombas por cinco peças de prata.



E sucedeu que, passando o rei de pelo muro uma mulher lhe bradou, dizendo: Acode-me, ó rei meu senhor. E ele lhe disse: Se Jeová te não acode, donde te acudirei eu, da eira ou do lagar?

Disse-lhe mais o rei: Que tens? E disse ela: Esta mulher me disse: Dá cá o teu filho, para que hoje o comamos e amanhã comeremos o meu filho. Cozemos pois o meu filho, e o comemos; mas dizendo-lhe eu ao outro dia: Dá cá teu filho para que o comamos; escondeu o seu filho. E sucedeu que, ouvindo o rei as palavras desta mulher, rasgou os seus vestidos, e ia passando pelo muro; e o povo e viu que trazia cilicio por dentro, sobre a sua carne” (II Rs. 6:24-30).


A prova de que Jeová é o autor destes atos monstruosos está no livro da lei de Jeová, quando lança suas maldições.



“E, comerás o fruto do teu ventre, a carne de teus filhos e de tuas filhas, que te der Jeová teu Deus, no cerco e no aperto com seus inimigos te apertarão. Quanto ao homem mais mimoso e mui delicado entre ti, o seu olho será maligno contra o seu irmão, e contra a mulher de seu regaço, e contra os demais de seus filhos que ainda lhe ficarem. De sorte que não dará a nenhum deles da carne de seus filhos, que ele comer; porquanto nada lhe ficou de resto no cerco e no aperto com que teu inimigo te apertará em todas as tuas portas. E quanto à mulher mais mimosa e delicada entre ti, que de mimo e delicadeza nunca tentou pôr a planta de seu pé sobre a terra, será maligno o seu olho contra o homem de seu regaço, e contra o seu filho, e contra a sua filha; e isto por causa de suas páreas, que saírem dentre os seus pés, e por causa de seus filhos que tiver; porque os comerá às escondidas pela falta de tudo, no cerco e no aperto com que o teu inimigo te apertará nas tuas portas. Se não tiveres cuidado de guardar todas as palavras desta lei, que estão escritas neste livro, para temeres a este nome glorioso e terrível, a Jeová teu Deus” (Dt. 28:53-58).



E Jesus Cristo? Que diz Jesus a respeito das criancinhas?



“E traziam-lhe meninos para que lhes tocasse, mas os discípulos repreendiam aos que lhos traziam. Jesus, porém, vendo isto, indignou-se, e disse-lhes: Deixai vir os meninos a mim, e não os impeçais, porque dos tais é o reino de Deus. Em verdade vos digo que qualquer que não receber o reino de Deus como menino de maneira nenhuma entrará nele. E, tomando-os nos seus braços, e impondo-lhes as mãos, os abençoou” (Mc. 10:13-16).



Uma coisa é clara e evidente no Velho Testamento. Jeová ordenou: “NÃO MATARÁS”. E Jeová matava culpados e inocentes, velhos e crianças, bons e maus. Matava um e matava centena de milhares. Pecou contra sua própria lei e a invalidou, por isso Cristo veio a este mundo e mudou tudo o que Jeová fez.



“Porque mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei. Porque aquele de quem estas coisas se dizem pertence a outra tribo, da qual ninguém serviu ao altar. Visto ser manifesto que nosso Senhor procedeu de Judá, e concernente a esta tribo nunca Moisés falou de sacerdócio. E muito mais manifesto é ainda se à semelhança de Melquisedeque que se levantar outro sacerdote, que não foi feito segundo a lei do mandamento carnal, mas segundo a virtude da vida incorruptível. Porque dele assim se testifica: Tu és sacerdote eternamente, segundo a ordem de Melquisedeque. Porque o precedente mandamento é abrogado por causa da sua fraqueza e inutilidade, (Pois a lei nenhuma coisa aperfeiçoou), e desta sorte é introduzida uma melhor esperança, pela qual chegamos a Deus” (Hb. 7:12-19).



A lei que Jesus trouxe foi a do amor do Pai.



“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo. 3:16).



“Um novo mandamento vos dou: que vos amei uns aos outros; assim como eu vos amei a vós, que também vós vos ameis uns aos outros” (Jo. 13:34).



“Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos” (Jo. 15:13).



E Jesus disse: “Eu e o Pai somos um” (Jo. 10:30).



“Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis ao meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto. Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta. Disse-lhe Jesus:


Estou há tanto tempo convosco, e ainda não me tendes conhecido, Felipe? quem me vê a mim, vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras. Crede-me que eu estou no Pai, e o Pai em mim: crede-me ao menos, por causa das mesmas obras” (Jo. 14:7-11).